domingo, 17 de fevereiro de 2013

As Sessões

clip_image001ASSUNTO
Sexualidade, deficiência física, processo terapêutico, terapia sexual.
SINOPSE
2012 - Mark O'Brien (John Hawkes) é um escritor e poeta que, ainda criança, contraiu poliomielite. Devido à doença ele perdeu os movimentos do corpo, com exceção da cabeça, e precisa passar boa parte do dia dentro de um aparelho apelidado de "pulmão de aço". Mark passa os dias entre o trabalho e as visitas à igreja, onde conversa com o padre Brendan (William H. Macy), seu amigo pessoal. Sentindo-se incompleto por desconhecer o sexo, Mark passa a frequentar uma terapeuta sexual. Ela lhe indica os serviços de Cheryl Cohen Greene (Helen Hunt), uma especialista em exercícios de consciência corporal, que o inicia no sexo.
TRAILER
O OLHAR DA PSICOLOGIA
Indicado pelo atual colega e ex professor Mauro Paiva, AS SESSÕES é de fato sensacional. A grande sacada do filme, ao retratar Mark, é focar o seu bom humor e sua capacidade de se sustentar apesar de suas limitações. Seu grande dilema é sentir-se incompleto por permanecer virgem, ainda que tenha ereções e orgasmos descontrolados. Diante da questão, novos desafios surgem em seu caminho, quando decide buscar alternativas que o ajudem a sentir-se Homem, adulto, ou seja, perder a virgindade. A trama se desdobra de forma delicada, em diálogos ricos com o padre - que revelam suas questões religiosas e íntimas –, o processo terapêutico com a “substituta sexual” – Terapeuta sexual que o auxilia no processo de consciência corporal e faz algumas intervenções psicológicas - e suas relações em geral, consigo, com pessoas do mesmo sexo ou o sexo oposto. Dogmas religiosos, conceitos sociais e pré-conceitos são deixados de lado diante da questão existencial básica, que é o dilema de Mark.
Sua visão religiosa de mundo, seu comportamento às vezes infantil, sua ansiedade diante dos desafios são expostos sem melindres, de forma natural e única, tornando a trama um espetáculo de vida. A sexualidade é apresentada de fato como é, como parte da vida de todos nós. Quando a existência se torna prioridade, até mesmo o padre passa por cima de questões religiosas, escolhendo dar suporte ao processo. As relações são terapêuticas, tanto com a terapeuta quanto com o padre, e dão suporte suficiente para que o menino se torne homem e busque também uma companheira para sua jornada. O filme é delicioso e nos coloca de frente com o que há de mais humano em nós, nossa existência complexa e simples, que inclui a sexualidade como parte importante dessa natureza. Ainda que o personagem principal tenha limitações físicas impostas pela poliomielite que o atingiu na infância, não é esse o foco. Já é fato consumado, e, são bem elaboradas as suas limitações visíveis, o tema central é a busca da plenitude através da vivência de sua sexualidade. A “substituta sexual” é uma novidade a ser apreciada, pensada, discutida e avaliada como uma necessidade de muitos outros pacientes que se encontram em situações semelhantes, no que tange a sexualidade. A “substituta sexual” não é alguém que tenha estudo em psicologia, segundo o material do seguinte vídeo – (A sex surrogate - documentário da national geographic Chanel – (Para ver Trecho do cocumentário, clique aqui.). Entretanto, muitos substitutos têm formação na área de sexologia, psicologia ou aconselhamento,  conforme registrado na wikipédia - leia mais clicando aqui. No filme, além do encontro sexual propriamente dito, a terapeuta faz intervenções psicológicas. Destaco a cena em que ela propõe o que chamamos em Gestalt-terpia de “Viagem à fantasia”. Ela promove a possibilidade de Mark atualizar seu passado, o favorecendo a vivência de sua infância livre da doença, e, posteriormente questionando a possibilidade de culpar o menino da infância por suas questões. É delicioso assistir o processo do personagem se livrar de tamanho peso da culpa. O filme é surpreendente e merece ser assistido, questionado, debatido, abrindo espaço para novas discussões sobre o tema. Afinal, qual é a importância do sexo em nossas vidas? Não creio que o filme deixe qualquer dúvida a respeito disso.






2 comentários:

  1. Assisti a esse filme durante workshop para psicoterapeutas onde o tema central foi sexualidade, afeto e poder. Filme ótimo para se discutir o que é, de fato, uma relação terapêutica e suas diversas nuances, como também, o resgate do passado sem ter que mergulhar nele para construir uma nova paisagem, não do futuro, mas no presente. Ja o indiquei a diversos colegas da área e afins. Uma verdadeira poesia da vida humana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Janine,
      Muito obrigada por sua participação, principalmente por abrir espaço para novas propostas. Seja sempre bem vinda!
      Abçs
      Patrícia Simone

      Excluir

Sua opinião é muito importante!