sexta-feira, 18 de março de 2011

No limite do silêncio

no limite do silencio ASSUNTO
Relação terapêutica, relações familiares, sociais, afetivas, abuso, violência doméstica, incesto.

SINOPSE
2001 - Michael Hunter (Andy Garcia) é um psiquiatra que fica arrasado quando seu filho adolescente, Kyle (Trevor Blumas), se suicida. Este fato provocou a separação do casal, pois Penny (Chelsea Field), sua ex-mulher, o culpou pelo acontecido e na verdade ele também se considerava responsável pelo fato. Três anos após o suicídio, Michael não dá mais consultas e só dá palestras e escreve livros. Até que Barbara Wagner (Teri Polo), uma ex-aluna, lhe pede para examinar o caso de Thomas Caffey (Vincent Kartheiser), um garoto que foi marcado por uma tragédia familiar. Com a mãe morta e o pai preso Tommy foi para um orfanato, mas agora, quando ele está prestes para completar dezoito anos, será liberado, sendo que Barbara sente que ele ainda não está pronto. Inicialmente Michael se recusa a tratar do caso, mas gradativamente se interessa e vai conversar com Tommy. Logo que Tommy e Michael se encontram as barreiras entre médico e paciente ficam confusas, pois entre eles há mais alguém e este alguém é Kyle.

TRAILER
]

O OLHAR DA PSICOLOGIA
No Limite do Silêncio conta duas histórias sobre pedofilia que levam suas vítimas a estados psicopatológicos, cujos desfechos são: tentativa de suicídio, o ato consumado em si e homicídios. Contrário a tratamento com psicotrópicos, Michael encaminha o adolescente deprimido a um amigo de confiança, para psicoterapia. Aproveitando uma saída da família, Kyle comete suicídio em casa - ato aparentemente explicado pela depressão. Na verdade, o adolescente foi vítima de abuso sexual, o que o pai vem saber três meses após o suicídio. Descoberto por Michael, o responsável pelo crime de pedofilia também se mata. O filme mostra difícil momento a que chegou o psicólogo Michael Hunter, que é abordado pela ex-aluna Barbara Wagner, para ajudá-la em um caso difícil. Assim como Kyle, Thomas também foi vítima de pedofilia, trauma que desencadeia no jovem um comportamento agressivo e violento, beirando a fobia social e a psicopatia. Tommy defende-se de qualquer aproximação íntima feminina, chegando a matar, ante o percebido como ameaça. Mas, há muita ambivalência aí. Ao aceitar o trabalho, o psicólogo voltará a ter contato com as mais doloridas e profundas lembranças que ele mesmo gostaria de ter esquecido. A relação entre psicólogo e paciente se torna um difícil jogo de manipulação de sentimentos. A história, que de início promete um enredo linear, dá várias reviravoltas, como se fosse a condução de uma fala (Tommy) em terapia, cujo psicólogo conduz, ao facilitar o “dar-se conta” do cliente – posterior percepção do que há por trás dos mecanismos de defesa do paciente. “No limite do silêncio”, portanto, apresenta os sintomas do cliente como formas de buscar seu equilíbrio, formas de evitar o contato com os acontecimentos dolorosos que não suporta lembrar. Interessante constatar que o psicólogo foca no não verbal, no que não é dito - respiração, olhar, expressões faciais, para auxiliar o cliente. A exemplo do trabalho em Gestalt-terapia, o filme apresenta a visão humanista do trabalho terapêutico, sem esquecer do humano que há no terapeuta. 
Lins sobre outros olhares na rede: Link 1 Link 2 Link 3

6 comentários:

  1. Confira o novo endereço do Mente Hiperativa:

    http://mente-hiperativa2.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Olá Patrícia!
    Muito legal a sua iniciativa de criar um site fazendo essa articulação entre cinema e psicologia. Realmente, a compreensão de diversos conceitos fica muito mais clara quando exemplificada e os filmes estão aí pra nos ajudar nessa compreensão.
    Também sou psicólogo, trabalho na área social e atendo em um consultório com a abordagem existencial. Ficarei sempre de olho no site. Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Glauber,
    Bem legal seu reconhecimento. Obrigada. De qualquer forma, a intenção é também colher outros olhares, outras contribuições. Fique a vontade parta comentar e dar sua opinião/percepção sobre qualquer dos filmes postados. Afinal, o objetivo principal do site é reunir o máximo de informações possíveis, para que se torne uma espécie de manual, servindo para consulta de todos nós.

    ResponderExcluir
  4. Amigo assisti ao um filme em 1989, no cinema que uma mulher negra pegava rapazes com uma situação financeira baixa para trabalhar como garoto de programa é um filme brasileiro, se possiivel me der o nome desse filme se vc souber.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lamento não poder ajudar, não me lembro de ter visto o filme

      Excluir
  5. Como é interessante observar a questão de dar um reesignificado para um afeto vivido. O psicólogo tentou "ajudar" o filho mas falhou, travou então uma relação com o paciente de transferência. A partir do momento que conseguiu "salvar" o paciente de um possível suicidio, já não ocorre mais a transferencia e este passa a ter condições de tratar o paciente de forma satisfatória.

    ResponderExcluir

Sua opinião é muito importante!