segunda-feira, 27 de setembro de 2010

O outro lado da rua

o outro lado da rua ASSUNTO
Transtorno bipolar de humor, terceira idade, sexualidade
A narrativa mantém a estrutura policial, mas se concentra no relacionamento deles, desenvolve aspectos relativos à idade e à sexualidade. Os dois são bastante solitários (isso é desenvolvido sem pieguismo), possuem filhos, mas são relacionamentos complicados (que o filme também aborda sem melodrama, dando uma solução legal com restabelecimento de laços). Quando ela liga para seu próprio cachorro para contar que salvou uma senhora de um assalto, abismada, é triste ver que aquela senhora, cheia de energia e determinação, simplesmente não tinha mais ninguém com quem compartilhar o fato. Regina parte para uma aproximação com Camargo, o suposto assassino. Com o desenrolar da história, Regina encontra-se em uma encruzilhada: entregar o homem com quem mais teve relações nos últimos tempos e voltar para a solidão ou continuar a desenvolver esse relacionamento que vai ganhando mais dimensão a cada dia que passa?
SINOPSE
Regina, 65 anos de sinceridade excessiva e ironia incontida, vive em Copacabana com sua cachorrinha vira-lata. Como paliativo para a solidão, ela participa de um serviço da polícia, no qual aposentados denunciam pequenos delitos. Em uma noite de abandono, “fiscalizando” com seu binóculo o que acontece nos prédios do outro lado da rua, Regina presencia o que lhe parece ser um homem matando sua mulher com uma injeção letal. Chama a polícia, mas o óbito é dado como morte natural. Desmoralizada, Regina resolve provar que estava certa e acaba se envolvendo com o suposto assassino. Desse encontro tardio cheio de contradições, acontecido quando a maior parte das pessoas se contenta em esperar o tempo passar inexoravelmente, os dois irão reavaliar suas vidas de um modo que nunca poderiam imaginar.
Trecho do filme:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua opinião é muito importante!

Postar um comentário