domingo, 19 de fevereiro de 2012

Meu nome é Khan

clip_image002ASSUNTO
Autismo, “Síndrome de Asperger”, Luto, preconceito etnico, diferença, violência, amor, perdas, superação, potencialidades.
SINOPSE
O filme “My Name is Khan” conta a história de Rizvan Khan, um indiano portador da síndrome de Asperger's, um tipo de autismo. Depois que se muda para os Estados Unidos, Khan se apaixona por Mandira, uma cabeleireira separada que vive com o filho Sameer (Sam). Khan é maometano e Mandira, hindu, mas suas diferenças religiosas não impedem que se casem. Os problemas começam com o 11 de Setembro, quando passam a ser atacados por sua origem étnica e devido a generalizações preconceituosas. Depois de sofrer bullying por parte de colegas, Sam é morto em uma briga, e Mandira, revoltada, culpa o marido, e lhe diz que ele só poderia voltar depois que dissesse ao presidente da república que ele não é um terrorista, e que o filho dela também não era. Rizvan interpreta isso literalmente, e empreende uma peregrinação para ter sua esposa de volta.

TRAILER


O OLHAR DA PSICOLOGIA
Madrugada, carnaval, ligo a TV e encontro o filme no telecine. “Asperger” me chama a atenção na sinopse, mas a intenção era apenas que me ajudasse a dormir e depois poderia procurar o filme para assistir com calma. Eu já estava com muito sono, no entanto fui despertada pela trama que me envolvia mais e mais, a cada momento. Acabei por ver o filme completo, às vezes chorando, às vezes rindo, mas completamente encantada. Ultimamente tenho me deparado com filmes indianos imperdíveis, este é um deles, recomendo! Trata-se de uma trama muito bem costurada que aborda assuntos diversos. A história de uma pessoa diagnosticada com Síndrome de Asperger, e sua forma de funcionar no mundo diante das mais diferentes dificuldades que encontra em seu caminho. Khan é também mulçumano e está incluído no grupo das pessoas boas, pois como dizia sua mãe “só há uma única diferença entre os seres humanos, as pessoas boas e as más”. Apesar dos obstáculos impostos por seu funcionamento, o amor de sua mãe o permitiu desenvolver suas potencialidades, tornando-o um adulto inteligente e habilidoso. Ao trabalhar com a venda de produtos para salão de beleza, Khan conhece Mandira, uma cabelereira por quem se apaixona. Logo que compreende o que sente, embora tenha dificuldade tanto de expressar sentimentos como de fazer contato, ele se emprenha em convencê-la a se casar com ele. Mandira têm um filho que aos poucos vai se tornando também filho dele, que acaba por registrá-lo como tal. A família se muda para Los Angeles, onde a esposa começa o próprio negócio, um salão de beleza, onde o casal segue trabalhando, construindo a família tão desejada por ambos. Até aqui, somos convidados a compartilhar momentos de alegria com essa doce e pura criatura e sua determinação e pureza de lidar com o mundo. A trama muda de tom e nos proporciona momentos de tristeza e perplexidade diante de todos os acontecimentos a partir de 11 de setembro.
Agora a discussão é sobre o outro lado da moeda. Estamos falando de todos os mulçumanos que foram discriminados a partir de então. Aliás, somos provocados a refletir sobre qualquer tipo de discriminação e o quanto as pessoas são impedidas de viver sua identidade com liberdade. Amor, ódio, vida, morte, luto, violência, solidariedade, perdas, determinação, todas essas possibilidades humanas de ser são apresentadas no romance que nos convida a olhar o mundo pelas lentes de nosso “diferente” personagem. Aquele que tem todos os aspectos para discriminação, nos mostra a simplicidade dos valores básicos da existência, afinal o que realmente importante na vida? Preparem os lenços, as emoções serão muitas, mas todas elas valerão muito a pena!
Logo no começo do filme já vemos que a história está sendo narrada por Risvan Khan (Shahrukh Khan), que está, em verdade, escrevendo tudo isso para Mandira (Kajol). É assim que ficamos sabendo que quando pequeno ele não era compreendido nem por seus amigos e nem por sua mãe. Ele visivelmente tinha algum problema, embora fosse ultra inteligente. Não se dando bem na escola, sua mãe acaba contratando um professor particular pra Risvan, potencializando sua inteligência. Assim, lá em São Francisco, a esposa de Zakir, psicóloga, descobre que Risvan é portador da Síndrome de Asperger, uma espécie de autismo “leve”. Pra ajudar o irmão, então, Zakir propõe a Risvan ajudá-lo na venda dos cosméticos da empresa em que trabalha, indo de porta em porta nos salões de beleza em são Francisco. Leia mais clicando aqui.
Resenha completa aqui.
Um filme interessante para se analisar os estereótipos e o preconceito étnico. (...) EUA, casa-se com uma hindu e após o ataque às torres gêmeas – 11 de setembro de 2001 – a sua vida muda completamente. A xenofobia contra muçulmanos acaba tornando a dinâmica social e psicológica da família de Khan insuportável. A jornada de Khan que é apresentada no filme trata-se de sua tentativa de provar que não é um terrorista. LEIA MAIS...
Apesar da dificuldade de encontrar críticas sobre o filme, alguns comentários de sites me chamaram muito a atenção, compartilho com vocês os principais, os outros poderão ser lidos no link abaixo destes.
Leonilda Boen disse:
Um homem que vê pessoas e não ideais, religiões, cor ou raça. Me impressionou a cena que ele paga 520 dólares para um jantar com o presidente e ajudar a África. A mulher lhe pergunta se ele é cristão ele diz que é muçulmano ela lhe devolve o dinheiro e diz que ali é só para cristão. Ele responde: " Fique com o dinheiro querida e dê para ajudar os africanos não cristãos".Visão única de um homem que questiona uma humanidade perdida em meio ao ódio, intolerância e violência , um amor e perdão genuínos.
Marcia Girola disse:
"Existe apenas dois tipos de pessoas no mundo, as boas que fazem o bem e as más que fazem mal. Esta é a única diferença." Um filme, uma obra ou uma lição de vida? Lindo, triste, emocionante, cômico ou dramático? Depende dos olhos e da experiência de cada telespectador. Enquanto a maioria vai se encantar com o amor, a questão da humanidade, o preconceito racial e religioso e se questionar sobre sua própria identidade, tirando ou vivenciando com o véu que esconde ou representa sua face, alguns poucos irão notar que um sujeito Asperger é capaz de memorizar os melhores ensinamentos e transpô-los na mais significativa e marcante aprendizagem sobre utra forma de se encantar com o mundo. E assim, criar uma nova esperança de que as pessoas podem mudar. Um Asperger pode não saber expressar seus sentimentos, pode ter manias que as pessoas ao redor podem achar estranhas ou simples loucuras, mas sua forma literal de 'entender' o sistema social pode nos fazer rever nossos pré-conceitos sobre tudo que nos cerca e tornar as vivências subjetivas a principal marca da existência humana. Pois, chorando ou não, as ações valem muito mais do que a tão famosa frase "eu amo você". lINK PARA OUTROS COMENTÁRIOS

20 comentários:

  1. Um Filme para repetir e aprender sempre. (Praticamente obriguei muita gente a ver, e o resultado é que todos gostaram, apesar de que antes não estavam dando nenhuma importância).

    RECOMENDO, Se ainda não viu o filme Indiano (3 idiots - 3 idiotas), «o problema é o sistema»... não gosto de contar um bom filme, apenas recomendo. Se não gostar pode deixar uma mensagem no meu mural no www.facebook.com/ecalandula.

    Grande, e antes que me esqueça Belíssimo Blog (temas e escrita maravilhosa)
    Abraço...

    ResponderExcluir
  2. Querido Emílio Calandula,
    É um privilégio receber comentários tão carinhosos, principalmente de alguém de Angola. Não tinha ideia do alcance de meus posts, Obrigada!
    Seus comentários serão sempre muito bem vindos, além de sugestões de outros filmes que tenham te impactado. Vou procurar o filme recomendado, obrigada!
    Abraços
    Patrícia Simone

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela resposta rápida.
      Eu gostaria imenso de ter visto esta mensagem em resposta ao meu comntario a mais tempo.
      Desde já só tenho a lhe agradecer pela atenção que das a esses temas e retorno que nos dás a nós simples leitores.

      Uma questão ja encontraste o filme que recomendei?
      Fique bem Patricia.

      Excluir
  3. Olá Patrícia,
    Sempre acompanho seu site, acho muito bacana a iniciativa.
    Gostaria que me indicasse algum filme que aborda a fobia social ou agorafobia.

    Abs

    ResponderExcluir
  4. Desculpe a demora, tinha perdido virtualmente o seu comentário, Kátia. Por fim, muitos são os filmes que trabalham a fobia social, entretanto, a maior parte deles está somado outra patologia. Vai depender do aspecto que você deseja abordar sobre o assunto. Verifique filmes como: Rede social, a vida secreta das palavras,A garota ideal, A procura de Eric,filmes sobre Bulying e Medianeiras: Buenos Aires na era do Amor Virtual. No momento são os que lembro. Boa sorte

    ResponderExcluir
  5. Maravilhos este filme.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi a partir deste filme que me interessei pelos filmes indianos e fiz grandes descobertas. Obrigada pela participação!

      Excluir
  6. Esse foi o melhor filme que já assisti até hoje. Me emocionei muito. Vale a pena conferir

    ResponderExcluir
  7. Olá Patricia acabei de conhecer tua página, cheguei aqui através de pesquisa do respectivo filme, vou assistir com certeza e gostaria de super indicar o filme "Como estrelas na terra" indiano, bjusss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rosani,
      Obrigada por sua participação e dica. O filme que você indica entrou ppr dois caminhos no Brasil, e, por isso temos duas traduções (Hollywood e India). O titúlo que está no site é SOMOS TODOS DIFERENTES, e, sim, é imperdível!!!

      Excluir
  8. Excelente Filme! Um dos melhores que já vi. Filme completo que aborda diversos temas que um ser humano deve refletir em sua vida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela participação, volte sempre! devo acrescentar que os filmes indianos podem surpreender, vide "Somos todos diferentes" ou "3 idiotas", recomendo!!
      Abs,

      Excluir
  9. Bom dia!
    Por acaso assisti esse belo e comovente filme principalmente por ter uma sobrinha de 36 anos portadora de paralisia cerebral que ainda sobrevive pela dedicação exclusiva de minha irmã Ceiça!!abraços!

    ResponderExcluir
  10. Recebi a indicação deste filme pelo meu terapeuta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já assistiu? O que achou? Acho o filme excepcional, se também gostar, que tal partilhar conosco sua percepção? Obrigada por sua participação!!

      Excluir
  11. Thiago Parra, Obrigada pela excelente indicação. O QUARTO DE JACK é realmente um filmaço. Eu já assisti e o link para o post é: http://www.psicologiaecinema.com/2016/01/oquarto-de-jack-assunto-relacoes.html

    ResponderExcluir

Sua opinião é muito importante!