sábado, 5 de novembro de 2016

Requisitos para ser uma pessoa normal


ASSUNTO

Amizade, relações afetivas, sociais e familiares, autoestima, amor.

SINOPSE

Filme espanhol, escrito e dirigido por Leticia Dolera, a qual também atua como personagem central do longa, Maria de las Montañas. Maria tem 30 anos, é uma pessoa peculiar e tem um objetivo: se tornar uma pessoa normal. Mas antes de tudo ela deve descobrir o que é exatamente isso. Que tipo de pessoa que ela é? Ela é uma pessoa normal? O que exatamente isso significa? Essa questão é mais profunda em sua mente. Depois que ela lista todos os requisitos, ela se propõe alcançá-los. Nesse percurso ela vai encontrar a ajuda de seu irmão, Alex, um rapaz de 25 anos com problemas mentais e que atinge todas as necessidades da lista. Ela conhece Borja, um garoto obcecado com dietas e perder peso. Eles vão fazer um pacto curioso: ela o ajuda a viver uma vida ativa e saudável, e ele a ajuda a encontrar seu objetivo: se tornar uma pessoa normal.

TRAILER


O OLHAR DA PSICOLOGIA

Conquistando o prêmio de fotografia do Festival de Málaga do cinema espanhol, o filme supera as expectativas, se revelando uma comédia encantadora e charmosa, que não deixa de apontar alguns temas para reflexão. Sucintamente falando, REQUISITOS PARA SER UMA PESSOA NORMAL conta a estória de duas pessoas deslocadas, que não se encaixando nos padrões, tentam encontrar seu lugar. Durante uma entrevista de emprego, Maria percebe que não atende aos requisitos de normalidade, de uma lista que ela mesma criou, a saber; ter emprego, casa, namorado, vida social, vida familiar, hobbies e ser feliz. Na busca por atender tais requisitos, ela encontra Borja, um gordinho fofo, que tem buscado emagrecer sem sucesso. Eles combinam de ajudar um ao outro, tornando hilárias as situações entre ambos. Alex, o irmão de Maria é seu oposto, portador de síndrome de Down, desde cedo assumiu ser gay, tem um emprego e não tem a menor pretensão de ser “normal”. Afinal, o que é ser normal?
Durante o processo de ajuda mútua, ambos irão descobrir muito mais sobre as próprias necessidades, sobre a dificuldade de tentar “caber” na caixinha imaginada ou supostamente imposta pela sociedade e a respeito de como é complicado seguir “receitas”. Sim, muitos adolescentes da contemporaneidade não aceitam sua forma de ser, imaginando seguir alguma lista grandiosa para se chegar ao caminho, que alguém teria trilhado para ser feliz. Geralmente, são autocríticos, embora não se encaixem no padrão imaginado. Sentem-se desajustados e sofrem tentando seguir alguma “receita” de comportamento para ser feliz. Os conceitos de “normal”, os rótulos, ajustes, desajustes, felicidade, aceitação e idealização são temas sutilmente discutidos na comédia. O desenrolar da trama é leve e inesperado, permitindo ainda tocar e temas mais delicados, como as relações familiares, a violência doméstica e sobre a importância da autoestima. Afinal, qual a necessidade de nos “moldarmos” ao que achamos que os outros esperam de nósAssim seríamos aceitos? Aceitos por quem, tendo em vista que não descobrimos quem de fato somos, desejamos e precisamos? Gracioso, sensível, leve e encantador, o filme atende a quem procura um programa divertido e atual, que tanmbém tem algo mais a transmitir. Trata-se de um filme sobre o difícil processo de buscar a si mesmo, sobre aceitação e busca de autosuporte. Destaque para a cena doa balões, que além de colorir o céu, nos remete a um momento de leve reflexão. Recomendo.👏

 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua opinião é muito importante!