domingo, 10 de novembro de 2013

O presente

clip_image002ASSUNTO
Relações afetivas, familiares e sociais, valores, perdas, luto, auto-conhecimento, amizade, segredos, amor, compreensão, empatia, mudanças.
SINOPSE
Jason acabou de perder o avô bilionário que sempre odiou e estava certo de que não herdaria nada. Mas se enganou: "Red" Stevens (James Garner) deixou 12 tarefas para Jason, ao fim das quais ele será avaliado e, se merecer, terá direito ao que Red chama de "o maior de todos os presentes". Cada uma dessas tarefas tem o objetivo de promover alguma mudança em Jason, mas nenhuma terá tanta força quanto o encontro casual com a pequena Emily (Abigail Breslin).
TRAILER


O OLHAR DA PSICOLOGIA
Indicado por um seguidor, o filme é de fato um presente. A trama, ainda que não pretenda retratar fatos reais, pois dificilmente seria possível realizar tal plano de forma tão bem amarrada, termina por provocar boas reflexões. Trata-se de um drama de 2006 que exemplifica a importância da experiência vivida para nosso desenvolvimento. Conselhos podem ser bem vindos, mas pouco ou nada valem diante da experiência vivenciada. Na abordagem gestáltica, priorizamos a experiência, ou melhor, o experimento, exatamente por alcançar melhor resultado no que se refere à possibilidade de mudanças. Assim também pensa o avô de Jason, que através de sua proposta promove  diversas experiências que irão transformar sua vidade Jason para sempre. Até então, o neto era apenas um “payboy” sem noção de alguns valores que são essenciais para o ser humano. Sua vida era resumida em prazeres financeiramente dispendiosos, atividades fúteis e relações vazias. Apesar de ser bem instrído, o rapaz não tinha em seu universo qualquer aplicação para tudo que aprendeu em sua formação. Todo conhecimento adquirido era desperdiçado, pois desconhecia a palavra necessidade, fosse de produção ou de vontade de brigar por algo. O fato de tudo estar disponível, todo o tempo, fez com que Jason perdesse contato com seus sentidos.
No desenrolar da trama, vamos conhecendo um pouco mais sobre sua infância, época na qual as emoções eram possíveis, promovendo verdadeiros “sentidos” à sua existência. Aos poucos, a trama sugere que a perda do pai foi um divisor de águas, não só em suja forma de encarar a vida, mas também foi quando o conflito com seu avô foi iniciado. Parece que foi a partir de então, que ele se defendeu das perdas e dores, vivendo num mundo de prazeres superficiais. O restante da família só comparece ao funeral por interesses financeiros, o que os revela também como pessoas desprovidas de quaisquer outros valores, a não ser o financeiro. No início, Jason pretende declinar da proposta, não só por achá-la esquisita, mas principalmente por manter o avô como alvo de desafeto. Atiçada sua curiosidade em relação ao que poderia ser O PRESENTE, o neto inicia o processo que irá se desdobrar em 12 tarefas, que serão descritas a seguir. Por ora, quero destacar a importância de enfrentarmos cada desafio de forma completa, como ensina nossa pequena Emily. Enfrentar a possibilidade de morte eminente é o que faz com que seus dias sejam vividos com tamanha intensidade e autenticidade. Fica a lição. As tarefas, ou presentes, são: O TRABALHO – revelando a importância e o valor da própria produção, não só no valor financeiro, mas principalmente na capacidade de realização. Pessoas que nada precisam fazer para ganhar algo se tornam inseguras, por se acharem incapazes de realização não sabem o próprio valor. O DINHEIRO – O verdadeiro valor que só pode ser conhecido em sua ausência, que também pode definir as verdadeiras relações que nos circundam. A AMIZADE – Ocorre sem a intermediação financeira, ou seja, na dificuldade é que conhecemos os verdadeiros amigos. Ao conhecer a doce Emily, Jason tenta conquistar sua amizade da forma que conhece, tentando comprá-la. Mas é exatamente quando nada promete, é que descobre o valor da verdadeira amizade, que compartilha, trocando o que é possível. Assim, ele quem é o amigo conquistado pela pureza da menina. CONHECIMENTO ou APRENDIZAGEM– este item me fez lembrar de um trecho filme ALÉM DA VIDDA, no qual Sócrates afirma que conhecimento é diferente de sabedoria, pois acumular conhecimento sem aplicabilidade é apenas conhecimento, enquanto a ação prática deste o transforma em sabedoria. Quando ele encontra o estado deplorável da biblioteca fundada por seu pai, o herdeiro faz nova descoberta sobre si mesmo e sobre o mundo. Segundo Perls, o fundador da abordagem gestáltica, aprendizagem é descoberta, nada tem a ver com a reprodução de conhecimentos. Descobrir é revelar algo antes encoberto, e, é assim que Jason aprende: fazendo, realizando, praticando. OS PROBLEMAS – “Você não começa a viver até perder tudo o que tem”. Os problemas são apresentados como ponto de partida para novas conquistas, crise é sinônimo de oportunidade. É a partir do vazio, de nada ter, é que o neto descobre o real valor das coisas. A FAMÍLIA – Aqui, a parte que mais gostei foi quando ele percebe outra forma de funcionamento familiar, onde o valor está no afeto, suporte e aconchego, independente dos conflitos possíveis ou laços de sangue. RISO – a alegria de poder soltar gargalhadas autênticas, que pouco tem a ver com as regras sociais impostas. Poder rir de si mesmo e ter humor para lidar com as tempestades ao longo de nossas vidas, se revela como parte importante de seu aprendizado. SONHO – A importância de não deixarmos nunca de sonhar, parte necessária para que a vida tenha sentido. Buscar a realização de sonhos é parte essencial de nossas vidas. DOAÇÃO – Doar dinheiro ou trabalho é compartilhar energia, parece que faz parte do equilíbrio universal, pois quanto mais doamos mais conquistamos. A sensação de plenitude é indescritível nessas oportunidades, algo um tanto maior do que a sensação de dever cumprido. Muitas vezes, ao doar algo, temos a sensação de que fomos feitos para isso! A GRATIDÃO – Ser grato ao que recebemos é também aprender a receber, seja um presente ou a gratidão daqueles que ajudamos sem com isso pretender retorno. O DIA – Valorizar o dia como único, perfeito, estar integrado na experiência com todo o seu ser, envolvido com tudo que acontece a sua volta. É possível assim transformar qualquer dia em dia perfeito, basta estar presente nele com todo o seu ser. O AMOR – O maior de todos os presentes se revela no final, como forma de expressar/contatar as verdadeiras emoções. Não há sensação melhor no mundo, pois ao nos arriscarmos no amor, somos agraciados com a aceitação das imperfeições que configuram o que há de mais humano em nós. Sensações de perda, saudade, dor e tristeza só existem porque um dia vivemos intensidades inesquecíveis, ou ainda viveremos.


2 comentários:

Sua opinião é muito importante!