quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Acne

acne ASSUNTOAdolescência, sexualidade, auto-suporte, auto-estima, relações afetivas, familiares e sociais.
Com toques sutis de humor, “Acne” apresenta um drama comum na adolescência trazendo um garoto que, tirando este pequeno ‘problema’ de ser “BV”(Boca virgem – nunca beijou na boca). Rafa (Alejandro Tocar) fuma, bebe, joga cartas e vai no brega satisfazer seus desejos sexuais com frequência, mostrando que as vezes ‘pequenos atos’ como dar um beijo a depender da época podem ser considerados verdadeiras conquistas. Com seu rosto cheio de espinhas, uma família desconjuntada e sua baixa auto-estima, conseguir esse primeiro beijo revela-se mais difícil que o esperado.
O filme se passa ao longo de um ano escolar, contando conto desse jovem e sutilmente lembra-nos todas as dores de crescimento que suportou enquanto nossos corpos se rebelaram e outro foi nada que em nossa juventude e inexperiência poderia fazer sobre ele. O sem pressa, o ritmo da vida real do filme serve para construir o nível de angústia... Leia mais clicando aqui
SINOPSE
Rafael Bregman é um bom menino judeu de Montevidéu, um garoto tímido que aos 13 anos que perde a virgindade num bordel. Mesmo já tendo feito sexo, ele ainda precisa alcançar seu maior objetivo: beijar uma menina. De preferência, Nicole, por quem é apaixonado. A vida de Rafael, no entanto, está longe de ser fácil. Ele tem de lidar com o divórcio dos pais, o tédio da escola, as obrigações do dia-a-dia e, principalmente, as espinhas que invadem seu rosto. Para conquistar a garota de seus sonhos, contudo, Rafael terá de superar todos esses problemas.
TRAILER

Meia noite em Paris

meia noite em paris ASSUNTO
Relações afetivas, sociais, familiares, auto-suporte, sonhos
Mas no decorrer da história, percebi que esse filme é uma arte experimentada. Arte essa que não é só o conhecer como o "expert" Paul falava e sabia sobre tudo. É uma arte de sentir, assim como o protagonista Gil sentia. Sentia cada detalhe... Como o prazer em caminhar na chuva nas ruas de Paris, sentia a música, sentia de maneira sensível a vida por meio da arte. E por isso, talvez quisesse voltar ao tempo, pois, a sua vida atual, a sua noiva, não permitiam que ele vivesse todos os seus instintos de criatividade, sensibilidade. Leia mais..
É então que se percebe que Meia Noite em Paris não quer ser simbólico, metafórico, surrealista ou cheio de leituras (como eu já citei), mas sim só contar essa história, juntar esses personagens nessa história de amor e, no final das contas, ter a certeza de que o presente sempre parece insuficiente para quem não tem limites para sonhar e às vezes perceber que a única coisa necessária é esse momento de chuva sobre Paris que (realmente) acaba deixando-a muito mais bonita. Leia mais, clicando aqui
Enquanto a família é o típico retrato do conservadorismo e do consumismo norte-americano o futuro genro manifesta inquietações com relação a seu trabalho. É um escritor de roteiros para Hollywood, mas sente-se confuso e busca, não necessariamente o sucesso financeiro, mas algo mais denso e com significado em seus escritos. (...) Não se trata, simplesmente, de rejeitar a vida atual e perder-se em um passado supostamente glorioso, trata-se mais de, diante das atribulações do presente, buscar no passado algum tipo de suporte que ofereça inspiração, segurança e simplicidade. É isto que buscamos em nossas fantasias de revivência do passado. (..) Ou corremos atrás de nossos desejos e, portanto, construímos nosso destino, ou continuaremos a nos contentar com marcas e grifes. É um pouco disto do que nos fala o filme de Allen. Clique aqui.
Em resumo, Meia-Noite em Paris é mais uma análise psicológica do ser humano e sua falsa concepção do ideal, sua eterna busca por uma perfeição inalcançável. A diferença, é que nesta nova produção, a percepção de que sempre ambicionaremos algo avulso à nossa realidade (seja a Renascença, os anos 20, La Bella Epóque) enquanto esta, posteriormente, será alvo de desejo de outras gerações, é feita de maneira otimista provando ainda haver no genioso diretor/roteirista/derivados um resquício de amor e admiração por essa irreverente metamorfose que chamamos de vida. Mais aqui
SINOPSE
Gil (Owen Wilson) sempre idolatrou os grandes escritores americanos e quis ser como eles. A vida lhe levou a trabalhar como roteirista em Hollywood, o que se por um lado fez com que fosse muito bem remunerado, por outro lhe rendeu uma boa dose de frustração. Agora ele está prestes a ir a Paris ao lado de sua noiva, Inez (Rachel McAdams), e dos pais dela, John (Kurt Fuller) e Helen (Mimi Kennedy). John irá à cidade para fechar um grande negócio e não se preocupa nem um pouco em esconder sua desaprovação pelo futuro genro. Estar em Paris faz com que Gil volte a se questionar sobre os rumos de sua vida, desencadeando o velho sonho de se tornar um escritor reconhecido.
TRAILER

Dias de abandono

ASSUNTO
diasdeabandono Separação, relações familiares, afetivas, sociais.
O sofrimento de Olga, nos dias subseqüentes ao abandono do marido, que a trocou por uma mulher mais nova, é retratado com profundidade, nos convidando a refletir sobre esta sensação devastadora, que nos confunde, nos assombra e nos remete ao desamparo. É na elaboração desse luto que o enredo se desenvolve, caminhado em direção da reintegração do ser.
Olga é abandonada pelo marido, isto faz com que ela viva uma situação de desequilíbrio emocional. Ao descobrir que foi trocada por uma mulher mais jovem, ela quase chega a agredir o novo casal fisicamente na rua. Segue a vida em dias de abandono, parando de comer e se sentindo chocada com o ocorrido. A súbita ausência do marido faz com que ela mergulhe cada vez mais em um abismo aparentemente sem fim.
O filme é, na verdade, o retrato de uma família desmembrada, na medida em que a deprimida Olga não consegue mais dar atenção aos filhos e estes tampouco têm o devido cuidado do pai, que agora vive um romance e quase não os vê. Entretanto, como os italianos encaram a vida com um certo otimismo e alto astral, assim como alguns brasileiros e bem diferente dos povos nórdicos como os frios holandeses e alemães, Dias de Abandono não é aquele tipo de filme que puxa o espectador “pra baixo” e nem é capaz de funcionar aos deprimidos como um estopim para atitudes suicidas. Leia mais clicando aqui
Pontilhado de toques surrealistas e de música agradável, "Dias de Abandono", do roteirista e diretor Roberto Faenza, tranqüiliza as esposas abandonadas. Leia mais, clicando aqui
SINOPSE
Olga é uma mulher relativamente jovem que, de um dia para o outro, é abandonado pelo marido, que a troca por uma mulher mais jovem. Ela é possuída por um tipo de loucura, fica completamente perdida e transtornada. Sua vida sem o homem que ela via como sendo tão forte torna-se uma série de movimentos mecânicos completamente estranhos a ela, sempre com um viés cômico prestes a eclodir.. Sem saber como lidar com seus filhos, que também sentem falta do pai, Olga se volta contra ela mesma, molestando seu próprio corpo, oferecendo-se em um ato sexual brutal e desesperado com um homem passivo, que mal conhece. Quando Olga finalmente chega ao final de sua jornada e conhece o significado do amor, sabe o preço a se pago e está pronta para encarar.
TRAILER

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Desejos e Traições

DESEJOS E TRAIÇÕES ASSUNTO
Relações familiares, afetivas, segredos.
Com diálogo denso, o filme aborda os conflitos e segredos familiares, a partir de encontros de seus membros com personagens que fizeram ou fazem parte da história familiar. Homossexualismo, abuso, proteção são parte dos fantasmas que assombram a família.
Desejos e Traições é aquele independente sobre drama familiares, verdades e segredos que permanecem por gerações, e o confronto dos mesmos. Leia mais clicando aqui
SINOPSE
Três irmãs e um irmão tentam se libertar do fantasma do pai e viver num ambiente mais agradável, mas a medida que o tempo vai passando, eles vão se desgarrando das meias-verdades e ninguém que está envolvido sai ileso. Tudo isso ficou escondido, finalmente, começa a aparecer ódio, as traições, o desejo e os amores num filme intenso que faz você pensar, e muitos nas suas relações.
TRAILER

Coisas de família

coisas de família ASSUNTO
Relações familiares e afetivas, segredos.
Sam Kleinman é um sujeito cheio de pequenas manias, um pequeno empreendedor que começou do nada e construiu uma sólida empresa de venda de material de construção em Nova Jersey, que sempre se dedicou muito mais a sustentar a família do que a dar atenção e afeto a ela. Trata-se de um filme simpático, que fala sobre relações familiares, enfatizando a atualização da relação pai-filho, num processo de reconstrução de vínculo. Sem aprofundar muito, o filme apresenta alguns pequenos segredos e formas “cristalizadas” de ver o outro, principalmente quando esse outro nos é “familiar”. Nesse aspecto, vale a pena refletir sobre o quanto acreditamos “conhecer” aqueles que fazem parte de nossa família.
SINOPSE
2005 - Uma trama familiar divertida que revela a crise em que pai (Falk) e filho (Reiser) vivem e as maneiras que encontram de sair dela e permanecerem juntos. O filho é um escritor beberão que precisa partir, ao lado de seu pai, para uma viagem inesperada. Dessa forma, vários segredos de família antigos são revelados, assim ambos vão cada vez descobrindo mais um sobre o outro, e diminuindo o distanciamento que existia entre eles. Juntos, mais do que nunca, os dois se tornarão grandes amigos e vão se divertir muito nessa viagem.
TRAILER

O filho da noiva

o filho da noiva ASSUNTO
Relações familiares, Mal de Alzheimer, relações afetivas, conflito de gerações, terceira idade.
O filme consegue falar de muitos dos dramas comuns a muitas famílias sul-americanas. Fala também sobre a possibilidade de existir um novo olhar sobre todas as coisas que já estavam “naturalizadas”, percebidas como única forma de existir. É também sobre o exercício de “desacelerar” e permitir novas percepções, deixar acontecer, sentir como é apenas. É sair do lugar de “sabermos como é” e descobrir como se tornou, ou melhor, como está sendo, então. É sobre perceber o óbvio.
“O Filho da Noiva” conta à transformação na vida de um homem após um grave problema cardíaco. Rafael Belvedere (interpretado por Ricardo Darín) administra o restaurante do pai, carrega consigo o sentimento de nunca ter sido capaz de agradar a mãe (Norma Aleandro de “A História Oficial”) que sofre de Alzheimer; ele tem um relacionamento amoroso de pouca profundidade com uma bela jovem e mal consegue tempo para inteirar-se da vida da filha. Esse cenário de pressão, de tempo escasso e de instabilidade emocional é o ideal para um ataque de nervos. Rafael não consegue escapar do apelo de seu corpo, e seu espírito atingido pelo baque, pelo sinal de alerta, começa a reavaliar suas prioridades e escolhas. Leia mais clicando aqui
Há o conflito de gerações, há o conflito amoroso, há o conflito entre os excessos do egoísmo e estar aberto aos outros. Mas, são todos equalizados para funcionar nas chaves mais diversas de dramaticidade, e nunca se tornam os únicos conflitos em cena, pois assim é a vida: temos várias bolas no ar, e elas não podem cair. Leia mais...
O segredo da trama de Campanella está no tratamento delicado das relações humanas.(...) Mal de Alzeheimer: (...)A história se baseia na experiência real do diretor, cuja mãe realmente sofre da doença. Quando convidou Norma Aleandro para o difícil papel, a atriz temia não alcançar o ponto certo da interpretação. Campanella levou Norma a um passeio de carro, juntamente com sua mãe. Escondida no banco de trás do automóvel, bastou à atriz alguns momentos para entender a situação. Na tela, o desempenho de Norma surpreende pela segurança. Leia mais...
É da sensibilidade na natureza humana e nossa capacidade de viver o dia a dia que se faz o filme. Como todos os filmes de Campanella traz o problema da crise econômica e a situação atual da Argentina. Mais aqui.
SINOPSE
2002 -Aos 42 anos Rafael Belvedere (Ricardo Darín) está em crise, pois assumiu muitas responsabilidades e não tem mais tempo para qualquer tipo de diversão. Boa parte de seu tempo é gasto no gerenciamento do restaurante fundado por seu pai. Rafael é um quarentão que separou-se da esposa há três anos, e agora tem uma nova namorada. Também possui uma filha, a quem vai ver sempre que possível, com toda liberdade. O restaurante está passando por uma crise, devido à situação econômica na Argentina. Seu pai, um sujeito engraçado, de bem com a vida, tem um único arrependimento: não ter se permitido casar-se na igreja, por questão de crença (ou falta dela). E ele decide que já está na hora de fazer isso. O problema é que sua esposa tem Mal de Alzheimer, e mal pode reconhecer sua família. Junto com seu filho, eles devem apressar-se para realizar a cerimônia antes que a doença avance mais ainda. Por fora, ainda há um velho amigo de infância de Rafael, que reencontra-o depois de muito tempo, e começa a demonstrar interesse em sua namorada....
TRAILER

Aurora Boreal

aurora boreal ASSUNTO
Luto, terceira idade, Mal de Parkinson
Falando da dificuldade de elaboração do luto, conhecemos perspectivas diversas sobre a perda de pai e de um filho. Logo percebemos que a adolescência tardia de Duncan é muito mais uma reação ao luto, do que apenas falta de perspectiva de sua geração. No encontro com seus avôs, o jovem inicia seu processo de reencontro com sua história, enfrentando seu luto conquista o amadurecimento e um novo lugar. Passamos, então, a acompanhar seu encontro com o processo de envelhecimento de seus avós. As angústias do Mal de Parkinson, doença que se agrava em seu avô, são compartilhadas na relação. Neste mágico reencontro aonde ele assiste o inevitável perecimento do avô, o jovem Duncan acorda de seu hibernar juvenil, se apaixona e amadurece.
SINOPSE
Um jovem leva uma vida desregrada depois da morte de seus pais. Ele vive se divertindo nas madrugadas e enchendo a cara ao lado de seus amigos, além de sempre trabalhar em empregos de segunda categoria, e ainda assim poucas vezes consegue se manter muito tempo neles. A saúde de seus avós é precária, e ele não tem muitas perspectivas na vida. Porém tudo pode mudar de figura a partir do momento em que ele conhece uma jovem séria, madura, responsável e que sabe o que quer da vida. Os dois logo se apaixonam e se vêem envolvidos em um grande caso de amor. Mas ela está prestes a mudar para a Califórnia. Para seguir sua vida ao lado dela, ele terá de provar que amadureceu e que a vida pode oferecer muito mais do que bebedeiras com amigos.
TRAILER

domingo, 7 de agosto de 2011

VIPs

Vips ASSUNTO
Relações familiares, sociais e afetivas, conflito de identidade.
Baseado em história real, o filme dramatiza, criando a temática psicológica do personagem. Na ficção, Marcelo nos é apresentado como psicologicamente comprometido, e não como um golpista qualquer. Nessa brincadeira, podemos acompanhar sua dificuldade de vários ângulos. Sintomas de fuga da realidade ou alucinação poderiam sugerir algum transtorno psicológico específico, assim como sua estrutura familiar poderia dar pistas de um transtorno de identidade. Entretanto, o filme nos apresenta um ser quase “genial”, bem articulado, inteligente e capaz de elaborar personagens, transformado acontecimentos em grandes oportunidades para seus projetos. No entanto, o filme não nos fornece material suficiente para que um diagnóstico seja construído, isso talvez por ser  ficção, o que faz com que diversas características sejam atribuídas a um único ser. No entanto, mais do que apenas falar de um ser psicologicamente comprometido, o filme retrata nossa sociedade como lugar de aparências, terreno fértil para golpistas
Porque não haveria história sem um conflito, e o de Marcelo é aceitar quem ele realmente é. O roteiro faz de tudo para mascarar as pistas sobre o passado da família(...). Também são bem sacadas as cenas com a mãe de Marcelo, uma cabeleireira, com suas várias fotos de celebridades dos anos 90 coladas do espelho do salão para se inspirar nos penteados. VIPs não se deixa desviar, portanto, dessa ideia de que estamos sempre tentando criar uma persona mais eficiente para nós mesmos. Leia mais clicando aqui.
Uma coisa importante de se citar é que apesar do filme ser baseado em uma história real, alguns acontecimentos e ações foram alterados ou adaptados para a trama, como por exemplo, a alucinação da figura paterna que sempre acompanha o personagem.Leia mais...
Baseado no livro VIPs: Histórias Reais de um Mentiroso, de Mariana Caltabiano, o longa retrata as aventuras e desventuras de uma pessoa que não consegue diferenciar fantasia de realidade. Um prato cheio para psicólogos e para Wagner Moura, que se traveste fisica e psicologicamente a cada ponto de virada do ótimo roteiro de Braulio Mantovani (de Tropa de Elite 1 e 2) e Thiago Dottori, para viver nas telonas os devaneios de Marcelo, seu fascínio pela aviação e o desejo de não ser ele mesmo, como se sentisse preso em seu próprio corpo. Leia mais...
Marcelo é um garoto que ao assumir várias identidades perde o controle da situação, desvencilhando-se de sua própria vida real. (...)Vip's nos apresenta Marcelo, ou melhor dizendo Carrera, ou ainda Denis, Henrique Constantino, Juliano de Souza, etc. um garoto que sofre por Pseudolalia – Doença da mentira, que mente compulsivamente e perde a noção do que é a verdade, não percebendo muitas vezes a consciência da gravidade da doença, tornando-as presas ao seu próprio mundo a sua única personalidade. Leia mais...
Marcelo desde a adolescência, quando o garoto, filho da cabeleireira Sílvia (Gisele Froes), começa a imitar os colegas e professores na escola. Já tem início aí sua inadequação e a rejeição dos outros, que o chamam de “bizarro”. Sem conseguir lidar com essa frustração com tudo e uma certa indiferença da mãe, Marcelo embarca num ônibus – já fingindo ser parente do dono da empresa proprietária. Leia mais...
O roteiro trabalha de maneira sutil o conflito do personagem principal com sua identidade e seus referenciais familiares. Se por vezes nos é apresentado uma figura paterna protetora e idealizada – notem como sempre ele está fardado -, a figura materna é uma grande incógnita. Se o carinho que essa última tem para com seu filho fica gritante em tela, a relação deles é pautada em uma cumplicidade danosa, talvez por um eterno martírio que a mãe carrega. Leia mais...
É certo que Marcelo procura sua personalidade, mas na verdade o que ele mais faz ao buscá-la é se esconder: não é por acaso que o filme mostra o carnaval de Recife e suas máscaras.Leia mais...
SINOPSE
Marcelo (Wagner Moura) não consegue conviver com sua própria identidade, o que faz com que assuma a dos outros. Isto faz com que passe a ter diversos nomes, nos mais variados meios, onde aplica seguidos golpes. Um dos mais conhecidos é quando finge ser Henrique Constantino, filho do dono da aviação Gol, durante um Carnaval em Recife. Ele foi empresário, aviador, líder de facção criminosa, rico e famoso. Vigarista, enganou autoridades, celebridades, jornalistas e até os guardas da prisão de Bangu, usando 15 identidades diferentes. Marcelo
“VIPs” é uma obra de ficção baseada no livro “VIPs – Histórias Reais de um Mentiroso”, da autora Mariana Caltabiano, com roteiro adaptado por Bráulio Mantovani e Thiago Dottori, e conta com Wagner Moura como protagonista.
O livro conta a história do homem que circulou por rodas de famosos ao fingir ser filho do presidente da Gol Linhas Aéreas, Henrique de Oliveira. Mariana reuniu entrevistas feitas em visitas à cadeia onde estava Marcelo ao longo de um ano e apresentou a história ao diretor. Na mão dos roteiristas, no entanto, a vida de Marcelo ganhará ares de ficção.
TRAILER

Desenrola

desenrola ASSUNTO
Adolescência, relações afetivas, sociais e familiares, homossexualidade, sexualidade, virgindade, gravidez.
Discutindo questões pertinentes a esse período tão conturbado chamado adolescência, o filme traz um olhar verdadeiro sobre a realidade dessa faixa etária brasileira. Costumo indicar alguns filmes para adolescentes que o ajudem a compreender tantos acontecimentos novos, principalmente no que se refere às mudanças hormonais, sexualidade, relações afetivas, etc. “Formiga nas calças” é um filme que costumo indicar para os meninos, pois fala das mudanças que ocorrem com os meninos de forma divertida. “Desenrola” tem um olhar feminino, sem perder a complexidade de qualquer adolescente. Em linguagem jovem o filme não aprofunda os temas, no entanto propõe de forma leve temas que pode ser “reconhecidos”, discutidos e elaborados posteriormente. Vale a pena conferir que o filme brasileiro está caminhando em ótima direção!
Por outro, lado, mesmo sem esse peso todo, o roteiro, pelo menos faz um ótimo trabalho na hora de costurar tudo isso, mais um par de discussões pertinentes para qualquer filme adolescente (como homossexualidade, amizade, gravidez, sexo seguro e fidelidade) e uma história coerente. Ainda que no começo tudo pareça episódico demais, acaba ganhando uma linha narrativa que segue bem seu caminho e, pelo menos, não vai fazer ninguém reclamar daquela falta de sentido. Leia mais clicando aqui.
A temática do sexo na adolescência está sempre presente durante todo o roteiro, mas sempre de uma forma diferente. Como é o caso dos amigos Boca (Lucas Salles) e Amaral (Vitor Thiré). Eles são os típicos jovens que adoram dizer que dormiram com "fulana" ou "ciclana". Eles têm sempre ideias voltadas para o lado sexual, que deixam o filme com muito mais humor - mesmo quem está bem crescidinho dará boas risadas. Aliás, quem nunca teve seus dezesseis anos? Leia mais...
 
Priscila ainda tem um admirador (Boca, interpretado por Lucas Salles) bastante estabanado na forma como demonstra seus sentimentos, que parece dizer sempre a coisa errada na hora errada. O modo com que ele aborda uma colega para fazer uma pesquisa é hilária e ilustra bem a sutileza que tanto falta para meninos nessa idade.
Desenrola consegue falar a língua dos adolescentes e flertar com praticamente todas as questões sexuais que povoam a mente da galera dessa faixa etária, ora falando da virgindade, ora do uso da camisinha, ora sobre homossexualidade, ora sobre aborto tudo de uma forma leve e nem por isso superficial. Com certeza você vai se identificar com isso, pois mesmo que já não seja um adolescente o roteiro teve outra grande sacada que foi trazer referências dos anos 80 para mostrar o quanto esse tema é atemporal, a diferença está em como encarar. Leia mais clicando aqui.
 
Priscila ainda é virgem e seu objeto de desejo, Rafa, não faz nada com ela por esse motivo. Outras meninas tem questões sexuais também e o roteiro aproveita para instruir com o uso da camisinha e os problemas de gravidez indesejada. Interessante que eles não tocam no assunto de doenças. Há ainda o trabalho de escola (do professor Bial), onde os meninos irão fazer uma estatística sobre as meninas que ainda são virgens no ensino médio. A pesquisa e os depoimentos traçam um pouco o perfil do jovem atual, no filme é o elenco quem fala, mas nos créditos vários vídeos caseiros são apresentados, reforçando a questão participativa da trama.Leia mais...
” estão longe de serem novidades, a única coisa um pouco fora do comum aqui é termos uma menina protagonizando cenas de “corrida” em busca da primeira relação sexual. O grande trunfo do filme é falar deste temas com uma linguagem e roupagem atual, da forma como os adolescentes vivem e se comunicam atualmente. Leia mais...
Uma série de temas complexos estão presentes e são abordados sem enrolação e com muita graça. A abordagem de tabus na nossa sociedade, como o divórcio, a perda da virgindade, gravidez na adolescência, orientação sexual, pegação e aborto é feita de forma leve e coerente. Leia mais...
SINOPSE
Priscila (Olívia Torres) tem 16 anos e se acha uma garota normal demais, principalmente, quando repara em suas amigas. Quando sua mãe viaja a trabalho e ela fica sozinha em casa, decide que vai dar um jeito na sua caretice e vai fundo nessa ideia. Entre as muitas mudanças que pretende promover na sua vida, a virgindade parece ser uma das prioridades, mas sera que a hora certa é agora? Embora esteja decidida em investir no “mais galinha da turma” (Kayky Brito) para viver sua primeira experiência sexual, um trabalho em grupo na escola e uma viagem com amigos, podem mudar para sempre as suas expectativas porque ela descobre que nem tudo é exatamente como dizem e a verdade pode ser bem diferente da realidade.
TRAILER

A Árvore

a arvore ASSUNTO
Relações afetivas, familiares, sociais, depressão, luto.
O processo de luto de toda família vai se desdobrando aos olhos do espectador. A árvore se tona alvo de projeção de todo um processo doloroso de elaboração do luto. No início, é Simone quem personifica a presença do Pai na grande árvore. A mãe, no início em depressão, é convidada a partilhar do “segredo de Simone. Aos poucos a família vai recuperando o cotidiano e elaborando seu luto através da árvore, dá natureza e dos novos acontecimentos que os convidam a continuar.
Simone (Morgana Davies), de apenas oito anos, que, demonstrando maturidade e coragem incomuns em crianças da sua idade, tenta encarar a perda de maneira positiva. Deixando o luto de lado, a pequena resolve se aventurar nas alturas da imensa árvoredo jardim da casa e acredita ouvir a voz de seu pai saindo de dentro do tronco. "O espírito do meu pai entrou na árvore". (...)Este fato inusitado dá vida nova à menina e a árvore que dá título ao filme se torna uma metáfora da relação da família O'Neil. O convívio e os conflitos familiares são sempre expostos tendo alguma conexão com a árvore ou com a natureza. (...) A força que protege e une a família tem raízes fortes e profundas e os laços do passado ainda  se mantêm fortemente amarrados. Será possível seguir em frente sem deixá-los para trás? Leia mais clicando aqui.
... o espectador não só vai ter contato com a tristeza do luto, como também vai tomar ciência de como é difícil domar a força da natureza. Leia mais...
Respeitando o ritmo da dor, a narrativa é ao mesmo tempo segura e envolvente, sem deixar de lado seu cerne emocional. Leia mais...
SINOPSE
Em uma pequena aldeia na Austrália, um casal vive com seus quatro filhos. Logo no início da trama, uma tragédia: o pai morre bem diante da filha menor, Simone. Cada um deles busca sobreviver ao seu modo. Em meio à depressão que se segue, Simone consegue apoio numa fuga para enganar a tristeza: ela passa a acreditar que o espírito de seu pai encarnou na enorme figueira ao lado de sua casa..Simone (Morgana Davies), de apenas 8 anos, se recusa a ficar de luto e prefere subir regularmente na figueira do jardim. Ela fica horas no local, sentindo a presença do pai na árvore. Dawn (Charlotte Gainsbourg), sua mãe, acompanha a afeição crescente da filha pela árvore, ao mesmo tempo que, aos poucos, retoma sua vida normal.
TRAILER

Reencontrando a Felicidade

reencontrandoa felicidade ASSUNTO
Luto,  Casal e família, psicoterapia de grupo, relações afetivas e familiares.
Qual o tamanho da dor quando se perde um filho? Tragédia inesperada na vida do ser humano, tem uma dimensão impensável para qualquer um de nós. A forma de superar isso? Cada um tem a sua. O que ocorre com a família, como cada um tenta superar tal perda, é o que pretende “Encontrando a felicidade”. Formas diferentes de lidar com a tragédia, a crise na relação do casal e suas conseqüências fazem parte da trama.
Seria um equívoco pensar que esta é apenas uma história triste e pessimista, pois nela há um caminho que segue em direção para valorização das relações humanas, é delas que vem a força para conviver com essa dor, que nunca será esquecida.Leia mais clicando aqui
Oito meses após a morte por atropelamento do único filho, de 4 anos, Becca (Nicole) e Howie (Eckhart) freqüentam grupos de apoio psicológico. Partem, então, em busca de novas formas de superação: ele se envolvendo com uma colega de terapia (Sandra) e ela procurando o rapaz (Teller) que matou o garotinho. Leia mais clicando aqui
É interessante ver o progresso no conflito interno/emocional que o casal passa e como lidam, separadamente, com seus próprios problemas. Becca faz o impossível, de todas as maneiras, afastar as pessoas que tentam lhe ajudar a superar a morte do filho, preferindo o absoluto isolamento da sociedade. Ela também aposta no desapego material das coisas de Danny esperando amenizar a dor, mas a única coisa que consegue é eternizá-la em suas memórias. Becca também não suporta a idéia de sua irmã, completamente desprovida de noção e bom-senso, ter engravidado enquanto seu filho é tirado dela. Várias vezes a personagem se desentende com sua mãe alegando que não deve comparar a morte de seu irmão com a de Danny, já que um era um viciado e outro era uma criança, deixando claro que Becca ainda não entende que um filho, por mais problemático que tenha sido, continua sendo uma pessoa amada pela mãe. As coisas só começam a melhorar para a personagem quando ela começa uma amizade secreta com Jason encontrando um alívio e uma fuga para sua dor, visto que os dois estão muito abalados com o ocorrido mesmo que tenham passado oito meses. É nessa bela relação de perdão e ajuda mutua que o roteiro faz uma das mais belas e delicadas metáforas sobre o tema explicando o confuso título “rabbit hole”. Mesmo assim, a personagem vê a vida que seu filho não teve a oportunidade de ter através de Jason como se formar e ingressar na faculdade. Howie é um personagem tão complexo quanto Becca. Ao invés de se isolar do mundo como sua esposa faz para atenuar o sofrimento, busca desesperadamente pelo contato humano que o console. Ele se enfia em grupos de terapia – os quais sua mulher não suporta alegando que as pessoas usam desculpas fajutas para justificar a perda de seus filhos fugindo para um aspecto religioso – com casais que passaram pela mesma experiência traumatizante. Às vezes, foge para o uso de drogas meio para também tentar amenizar a dor, sendo que descobre o verdadeiro significado do amor por Becca em uma dessas passagens. Ele apresenta muita carência afetiva já que Becca não faz esforço para ajuda-lo a superar essa fase difícil que estão passando. Ela sempre assume uma relação egoísta no caso, jogando a culpa para si e tomando várias decisões sem consultar Howie, explicitado pela briga clímax entre os personagens. Quando se perde alguém querido, não há como progredir e se recuperar em um piscar de olhos. Isso foi uma característica muito inteligente do texto, porque assim o tema não foge da abordagem realista que propõe. Leia mais...
Luto e como as pessoas lidam com ele, este é o tema de "Reencontrando a Felicidade", mais uma infeliz adaptação de título de filme em inglês para o português a partir do nome original "Rabbit Hole" (Buraco do Coelho). A história gira em torno de um casal Becca (Nicole Kidman) e Howie (Aaron Eckhart) que recentemente perdeu o filho de apenas quatro anos de idade, atropelado na frente de casa por um adolescente.Leia mais...
SINOPSE
Becca (Nicole Kidman) e Howie Corbett (Aaron Eckhart) formavam uma família feliz, mas suas vidas viraram do avesso após a morte do filho, Danny (Phoenix List), num acidente de carro. Depois de largar a carreira de executiva para virar dona de casa, ela tenta redefinir sua vida se cercando dos familiares e pessoas bem intencionadas para ajudar a superar a dor da perda. Enquanto dá início a uma "estranha" amizade com o jovem Jason (Miles Teller), motorista do carro no fatídico acidente, seu marido mergulha no passado, buscando apoio em estranhos que poderiam oferecer algo que a esposa não consegue. Assim, perdidos em seu sofrimento, os Corbett fazem escolhas surpreendentes para seu futuro.
TRAILER

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Minha vida cor de rosa

ASSUNTO
Sexualidade, diferença, relações afetivas, familiares e sociais.
Muito tem se falado sobre sexualidade e suas diferenças. O filme em questão parece falara de transsexualidade, que é diferente de homossexualidade, pois: Homossexualidade – A orientação do desejo (sexual e/ou afetivo) está direcionada para o mesmo sexo, são homens e mulheres satisfeitos com o próprio corpo. A transexualidade refere-se a pessoas que se identificam com um sexo diferente daquele com que nasceram. Esse parece ser o caso de nossa protagonista, que acredita ser uma menina, muito antes de descobrir a orientação do seu desejo. Ludovic cresce imaginando que nasceu no corpo errado: na verdade, acredita ser uma menina. O filme fala também de diferenças e da dificuldade do convívio em sociedade quando se tem algo “diferente” do que esperam de nós.
(Sexualidade) como condição inata, retirando a conotação de perversão e mostrando que não se trata de uma opção, uma escolha consciente, mas sim uma característica da pessoa, independente da sua vontade. Leia mais...
Esta aparente transexualidade, apresentada de maneira tão clara ainda na infância, não tem  característica de perversão sexual. Como bem descreve Félix López Sánches em seu livro HOMOSSEXUALIDADE E FAMÍLIA-NOVAS ESTRUTURAS, pág.30 “... os transexuais vivem, no entanto, uma situação difícil, porque estão convencidos de que seu corpo é um erro, já que, realmente, possuem uma identidade sexual distinta da identidade biológica. Sendo biologicamente homens – em todos os aspectos – essas pessoas sentem-se e acreditam ser mulheres...”.
A ingenuidade de Ludovic, aliada a sua inocência e doçura, demonstram que não houve nenhuma opção ou escolha voluntária: independentemente de sua própria vontade e/ou da vontade de sua família, ele simplesmente é assim. Clique aqui para ler mais...
O filme (...)um enfoque engraçado e acaba traindo uma mensagem edificante de convivência com as diferenças. Leia mais clicando aqui.
SINOPSE
Ludovic de 7 anos vive com seus pais e irmãos e acha que é um menino-menina e que vai se transformar em menina a qualquer momento. A criança como protagonista levanta a questão da homossexualidade (neste caso, transexualidade) como condição inata, retira a perversão, opção e escolha consciente, elucidando ser apenas uma característica da pessoa, alheia à sua vontade. Ludovic, inocente e de uma doçura ímpar que nos conquista com seu sorriso e olhar verdadeiros, sofre preconceito e rejeição causados pela intolerância e obtusidade da vizinhança, apenas por ser quem ele é, sem fazer mal a ninguém. Um filme especial, no tom certo, que fará com que pessoas com um mínimo se sensibilidade repensem alguns de seus preconceitos. Recebeu 1 Globo de Ouro, 11 outros prêmios e 5 indicações.
TRAILER

Vinte centímetros

20 cm ASSUNTO
Relações afetivas e sociais, transsexualidade, homossexualidade.
O dilema de Marieta ilustra bem a diferença entre transsexualidade e travestis. O travesti, ainda que esteja travestido, não tem qualquer incomodo no corpo em que vive. Ao contrário de nosso personagem, que denota ojeriza aos 20 centímetros que a separam do sexo que acredita ser. A escolha por sua identidade feminina sobrepõe qualquer promessa de felicidade, ela não consegue vislumbrar alternativa que não considere a si como se sente: como mulher. E, tudo que possa afastá-la do propósito de sentir-se plena, estará fadado ao fracasso.
Um olhar irreverente e desregrado sobre o submundo urbano e os outcasts que o habitam, onde subsistir está longe de ser uma garantia e os sonhos de prosperidade dificilmente se tornarão realidade. Embora ofereça um retrato seco e realista do meio em que se centra, é frequentemente contaminado por delirantes e imprevisíveis momentos onde as sequências oníricas da protagonista se salientam, gerando interlúdios musicais e cómicos que fornecem alguma réstia de esperança aos ambientes de negrume presentes em grande parte do filme. Focando a obstinação de Marieta em se livrar dos 20 centímetros que a impedem de se tornar a mulher que sonha ser, o filme recupera alguns traços do cinema de Pedro Almodóvar, recorrendo a uma saudável combinação de melodrama e humor negro centrando-se nas experiências dos rejeitados e desprezados pela sociedade. Longe de ser um filme para todos os gostos, é uma obra suficientemente inventiva para figurar entre as boas surpresas de 2005, até porque, convenhamos, não haverá muitas películas protagonizadas por uma prostituta travesti narcoléptica e por uma série de personagens secundárias não menos peculiares.Qual é o tamanho da felicidade? Leia mais clicando aqui.
SINOPSE
Marieta é um travesti que gostaria de se ver livre dos 20 centímetros que a separam de ser a fascinante mulher com que sonha, quando sucumbe às crises de narcolepsia. Nos seus sonhos coloridos, ela é a atração principal de variados, surpreendentes e suntuosos números musicais, onde tem a capacidade de cantar maravilhosamente e falar diferentes línguas. Qual É O Tamanho Da Felicidade?
TRAILER OFICIAL

domingo, 31 de julho de 2011

Sybil

Sybil ASSUNTO
Psicodiagnóstico, Relações afetivas, familiares, abuso, violência, saúde mental.
Lembro de ter lido esse livro quando ainda estava no segundo grau, isso faz muito, muito tempo. Já na ocasião, fiquei encantada, e, acredito ter sido uma das motivações para que estudasse psicologia. Encontrei na internet essa versão filmada e resolvi assistir. Não foi menos impactante, certamente. No entanto, diversas reflexões foram estimuladas. Não só por ser psicóloga, mas também por ter como referência a abordagem gestáltica, foi possível ampliar consideravelmente minha visão. Sem desconsiderar as diversas conjecturas a respeito do diagnóstico, fiquei me perguntando quantas partes de nós são dissociadas em situações conflituosas. Questionei sobre as neuroses leves ou não. Pensei sobre o processo terapêutico e seu objetivo, que na maior parte das vezes é de nos “integrar” como PESSOA. E, de alguma forma, “juntar nossas partes” em um único ser, integrado e capaz de fazer novas escolhas. Um ser “inteiro” capaz de enfrentar novos conflitos, que certamente ainda surgirão. Pois, o processo terapêutico não pretende tornar o mundo mais fácil, menos conflituoso. Ao contrário, o objetivo é nos integrar de tal forma que possamos enfrentar novos desafios do mundo, fazer novas escolhas, ampliar nossa capacidade de responder com habilidade a novos desafios. O ser responsável por suas escolhas, este é o nosso objetivo. Então, foi lindo perceber que além do transtorno psiquiátrico tão óbvio no filme, podemos refletir a respeito de nossas “pequenas defesas” ou “respostas automáticas” que foram construídas em situações insuportáveis. Aprendemos a evitar novas situações ameaçadoras com a mesma resposta. Nós crescemos, amadurecemos, mas em qualquer situação que nos pareça ameaçadora, lá vamos nós, ligamos o “automático” e respondemos da mesma forma a diferentes estímulos. Aprendemos assim a evitar a possível “dor” ou “ameaça”. Aprendemos assim a evitar o agora. Não seria tudo isso algo semelhante às tantas personalidades de Sybil? Tudo o que buscamos na terapia não poderia ser resumido em “atualizar” nossa nova condição de ser? Não seria “reviver” nossos medos, enfrentá-los no presente e percebermos que já não somos mais tão indefesos?
Sybil teve uma infância repleta de episódios violentos, com o pai omisso e a mãe esquizofrênica, a menina sofreu todo tipo de abuso, agressão, violência.  Indefesa, sem condições de enfrentar as situações, sufocou emoções, e, sobreviveu através de novas personalidades. A partir da relação entre a Sybil e sua psiquiatra, o filme apresenta trechos importantes do processo terapêutico que durou 11 anos. Seus relatos são traduzidos em imagens que nos convidam a partilhar suas dores de forma impactante. É na relação doentia com sua mãe que a doença se instala. Mas, também é na relação que Sybil encontra a saúde, só que dessa vez,  em outra relação, na relação terapêutica. É no encontro autêntico com sua psiquiatra que Sybil se “integra”, atualizando sua forma de “ser no mundo”.
O filme nos faz refletir sobre cada uma das nossas partes, nossos “pedaços” do passado que insistem em nos impedir de viver o nosso presente de forma fluída e saudável. No final, quando todas as personalidades dão as mãos, e até a mais sofrida e machucada, sente-se abraçada, não pude deixar de observar que cada um de nós precisa disso: se abraçar, se integrar, se aceitar como é. O psicodiagnóstico, nossa “classificação” ou “rótulo” só nos fala da intensidade de nossa “dissociação” ou de nossa forma pessoal de divisão. Pois, o filme é uma bela metáfora da vida de todos nós… apenas  humanos.
Sybil conta a história verídica da paciente psiquiátrica Sybil Isabel Dorsett, que sofria de Transtorno Dissociativo de Identidade (também conhecido como MPD – Multiple Personality Disorder ou Transtorno de Múltiplas Personalidades, e que passou a ser oficialmente chamado de DID - Dissociative Identity Disorder a partir de 1994). Ao longo do tratamento, foram identificadas 16 personalidades de Sybil (incluindo a personalidade atuante, e várias personalidades femininas e masculinas, de diversas idades).
Controvérsia

O livro e o filme foram muito bem recebidos, e o Transtorno Dissociativo de Identidade, que era relativamente raro antes do caso Sybil, teve um grande aumento no número de casos diagnosticados, especialmente nos anos 80 e 90; nos anos de 1953-54, quando Sybil foi diagnosticada, havia apenas 11 casos documentados de personalidades múltiplas, e nenhum com tantas personalidades como Sybil. O único outro caso documentado de paciente com personalidades múltiplas viva naquela época era “Eve” (cuja história foi contada em As Três Faces de Eva). Na época da publicação de “Sybil”, em 1973, havia cerca de 75 casos documentados de MPD (Transtorno de Múltiplas Personalidades); nos 25 anos seguintes, foram diagnosticados cerca de 40.000 casos, quase todos nos Estados Unidos; especialistas começaram a duvidar da validade de tais diagnósticos, e culpam o livro por incentivar a indústria de charlatães especializados no tratamento de vítimas de abusos, dos quais o paciente nem mesmo se recorda. Pesquisadores tentam agora analisar o caso que começou tudo isto, e separar o que é realidade do que é ficção. Leia mais clicando aqui.

O filme mostra as torturas e repressões causadas pela mãe esquizofrênica, o pai ausente, o avô fanático religioso e a morte prematura da avó, único ponto de afeto e aceitação na vida da criança, e a conseqüente fragmentação da personalidade da paciente, numa tentativa de suportar os abusos sofridos
Fonte: Clique aqui
SINOPSE
Nova York. Sybil Dorsett (Sally Field) é uma jovem mulher que desenvolveu várias personalidades, como mecanismo de defesa para os abusos que sofreu nas mãos da sua mãe, Hattie (Martine Bartlett). Assim Sybil criou personalidades bem distintas: a agressiva Peggy Lou, a potencialmente suicida Mary, o bebê Sybil Ann e muitas outras, totalizando mais de dez. Uma psicanalista, Cornelia Wilbur (Joanne Woodward), diagnostica a condição de Sybil e tenta ajudá-la, apesar de saber que está lidando com um caso único.
TRECHOS DO FILME

sábado, 30 de julho de 2011

A vida começa aos 40

a vida começa aos 40 ASSUNTO

Relações familiares, relações sociais e afetivas, amizade, separação.

Não podemos esquecer que o contexto é sueco, portanto, o filme apresenta questões muito particulares, de acordo com a cultura do país, que muito se distancia de nossas questões sociais e culturais. Entretanto, ainda que de forma superficial, o filme aborda questões comuns às mulheres nessa faixa etária de forma leve e divertida, além de abordar a mudança de posição na sexualidade e as respectivas descobertas. As desilusões amorosas de duas quarentonas e o desejo de ambas (cada uma na sua proporção) de viver uma vida nova vão sendo exploradas na fita. Assim, a ginecologista Elisabeth (Helena Bergström) e a guarda municipal Gudrun (Maria Lundqvist) vão extravasar suas emoções, vivendo situações insólitas dentro e fora de uma boate, a HeartBreak Hotel, que é o título original do filme. As novas descobertas rendem bons momentos, como o "amigo" eletrônico de Gudrun, por exemplo, e os conflitos vividos por elas, alguns clichês, é verdade, também são dignos de reflexões interessantes. A proposta da fita é distrair e os conhecidos clichês das comédias dão alicerce a momentos previsíveis e engraçados, levando o espectador a torcer para que realmente a vida para elas comece aos 40.

SINOPSE

No caminho para o casamento de seu filho, Elisabeth (Helena Bergström), que está se divorciando do marido Henrik (Johan Rabaeus), tem uma grande discussão com a policial de trânsito Gudrun (Maria Lundqvist), que termina com uma troca de palavrões entre as duas. Gudrun vive com a filha adolescente Liselotte (Erica Braun), que tenta convencer a mãe a sair da frente da TV e procurar viver a vida. Quando Gudrun se queixa de dores no estômago, Liselotte marca uma consulta com sua ginecologista. Que, no caso, é Elisabeth. O encontro das duas começa tenso, mas pouco a pouco, elas começam a simpatizar. Elisabeth leva Gudrun para uma danceteria, Heartbreak Hotel, onde ela é popular. Depois de um tempo, Gudrun começa a se animar a sair sempre a noite. Encontros com homens e mulheres se sucedem, alguns divertidos, outros menos. Mas todos ajudam as duas a se tornarem mais amigas. Todavia, Henrik quer voltar para Elisabeth e o ex-marido de Gudrun reaparece depois de muitos anos, o que provoca ciúmes em Elisabeth

TRAILER

sexta-feira, 29 de julho de 2011

Encontrando Forrester

encontrando forresteer ASSUNTO

Pré-conceitos, relações sociais, afetivas, familiares, auto-suporte, identidade

Algumas questões educacionais podem ser observadas no filme, trechos sobre a relação aducador/educando, família/aluno, escola/família, são explorados em diálogos ricos. Muitos sites de educação comentam trechos do filme, indicando o funcionamento da escola e dos professores, muitas vezes, no sentido inverso ao esperado. A fita inspira, então, reflexões sobre a prática educacional e os atores envolvidos no processo. Entretanto, não é o único assunto do filme. Podemos encontrar preconceito racial e social, metodologia de escrita, e, principalmente: relações: sociais, afetivas e familiares. O processo de construção da identidade do adolescente é apresentado no filme, transitando entre suas necessidades e o entorno ao qual está inserido. A família, seus amigos, novos contextos, novos grupos, pré-conceitos, enfim, encontros e desencontros que vão orientando a transformação e crescimento significativo do personagem. Percebemos no desenrolar da fita, o grupo adolescente, tão comum na adolescência, e sua escolha em se manter na “média” como forma de fazer parte desse grupo – privilegiando o esporte em detrimento de sua atuação intelectual. Também é possível refletir a respeito da importância da família nesse processo. Fica claro que sua família estimula as potencialidades e respeita a singularidade de seus membros. Então, quando a oportunidade surge, suas habilidades o permitem seguir rumo a outros mundos, outros grupos, outros encontros. Mudanças não são fáceis, nem sempre tão facilitadoras e o filme mostra seus conflitos. Pupilo e Mentor se conhecem num encontro acidental e tempestuoso no início, evoluindo para um encontro autentico e capaz de transformar a ambos, desenvolvendo suas potencialidades até então adormecidas. Forrester orienta Jamal a lidar com as adversidades do relacionamento com o infeliz professor, ao mesmo tempo em que o corrige na produção de seus textos. Jamal, interessado pela história deste homem, descobre alguns indícios de que o escritor teria vivido uma enorme perda e talvez por isto estivesse num estado tão melancólico. Jamal, por sua vez, auxilia Forrester no resgate de uma força de vida, se valendo das próprias palavras dele no seu único e famoso livro: O descanso daqueles que se foram antes de nós não pode firmar a inquietude daqueles que ficaram.(...) O que as pessoas temem é o que elas não entendem. Assim, o escritor sai de sua clausura e o jovem segue arriscando novos papéis. Esse encontro torna-se facilitador, sim, do desenvolvimento das potencialidades de Jamal, em contra-partida, nosso mentor Forrester, antes fechado para o mundo, reencontra-se através desse outro, provocando seu retorno ao mundo, seja das idéias (quando escreve seu livro) ou do entorno, que se expande quando também parte para novos rumos. As palavras de Jamil descrevem bem a importância dessas relações: Perder a família nos força a encontrar a nossa família. Nem sempre a família que é nosso sangue, mas a família que pode a vir se tornar nosso sangue. E, se formos sábios para abrir nossa porta a esta família nova, descobriremos que os desejos e esperanças que outrora tivemos para o pai que uma vez nos guiou, para o irmão que uma vez nos inspirou, esses desejos estarão lá, mais uma vez, para nós ..."

SINOPSE

Sean Connery é William Forrester, um famoso escritor que há quarenta anos ganhou um prêmio Pulitzer por um romance e, desde então, nunca mais se ouviu falar dele. Mas, certo dia, Jamal Wallace (Rob Brown), um jovem negro de 16 anos que sonha em ser escritor, invade o apartamento de Forrester e acidentalmente esquece sua mochila com seus textos dentro. Forrester, que até então era um homem recluso, fechado em seu solitário apartamento, descobre os escritos geniais do garoto e decide tornar-se seu mentor. A partir daí, a vida deles nunca mais será a mesma. Jamal, então, inscreve-se no concurso literário de sua escola. Contudo, a integridade de Jamal e a amizade entre os dois são postas à prova quando o Professor Crowford (F. Murray Abraham) levanta uma acusação de plágio contra o jovem escritor. Jamal se vê obrigado a decidir entre seguir seu sonho ou trair um amigo, enquanto Forrester deve optar se volta à ativa ou permanece recluso, fechado para o mundo. O filme trata da relação entre duas pessoas que traspassa a amizade; duas pessoas que se tornam uma família e que devem, juntas, enfrentar as intempéries que a vida lhes impõe.

TRECHOS DO FILME

TRAILER

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Ensina-me a viver

ensina-me a viver ASSUNTO
Relações familiares, afetivas e sociais, auto-suporte, adolescência, terceira idade.
Uma colega me chama no face book, ainda extasiada com o filme que tinha visto na véspera. Recomendando “Ensina-me a viver”, relata a experiência deliciosa de contatar a película. Imediatamente assisto e sou tomada por diversas emoções. Ela tinha razão, o filme é imperdível, extremamente atual, ainda que seja de 1971. O filme fala de pessoas, relações, vida e morte, de uma maneira humana e profundamente real. Contrastando Morbidez X vivacidade, Burguesia x anarquia, dependência e liberdade, vida, identidade, e muito mais. O filme nos agracia com perspectivas divertidas e emocionadas provocando-nos questionamentos sobre nossas certezas, conceitos e pré-conceitos. Vale a pena conferir!
O contraste é a marca principal do filme. Afinal, a abordagem da vida e da morte é feita de uma maneira diferente, apresentando comicamente o drama psicológico através do relacionamento entre gerações normalmente conflitantes. Maude acredita que pode lhe mostrar seu direito à liberdade, tão prejudicado pelo autoritarismo da mãe. A rebeldia de Harold é demonstrada por sua hilária obsessão pela morbidez. Impregnando-se de um inconfundível humor-negro, o jovem termina por fazer coisas inusitadas
Na época foi considerado uma comédia de humor negro. Porém, é um filme existencialista, meio sartreano, considerado cult pelos críticos: Harold é a morte, Maude é a vida – simples assim. Como pano de fundo, a guerra do Vietnã, que já era considerada sem sentido, contrastando com a 2ª Grande Guerra representada pela personagem de Maude – intenção do diretor.Uma comédia romântica que não tem pieguice nem grandes arroubos de paixão – ao contrário: os personagens vão se desenvolvendo com a naturalidade dos esquecidos, dos que não se encaixam na “normalidade”, dos párias que se juntam, se aquecem, se auxiliam e a ligação está feita. Para quem gosta de humor negro, é diversão garantida. Entretanto, é um filme que fala da alteridade de cada um – e sua unicidade consequente. Pura ternura, puro aprendizado, delicadeza na mão de um diretor que sabia o que estava fazendo.Leia mais clicando aqui
"Ensina-me a viver" é uma cativante lição de vida, narrada com a alegria bizarra de uma comédia negra. Harold é um jovem de vinte anos que tem uma paixão macabra pela morte e todas as suas formas de manifestação. Diverte-se fingindo suicídios cujas encenações não conseguem atrair a atenção de uma mãe distante. Gosta de assistir a funerais bem como a outras formas terminais de destruição, como a demolição de prédios. (...) A cena de abertura é hilariante, quando a mãe entra na sala e, com uma indiferença perturbadora, ignora o filho que jazia suspenso no ar, enforcado, fazendo o seu telefonema sem alterar a postura. Ela já conhecia a arte do filho, mas nós não, era o nosso primeiro encontro e todo aquele ritual de preparação do suicídio parecia-nos demasiado real, para ser interrompido assim, tão levianamente. (...). No psiquiatra, Harold deita-se no divã como um morto no seu caixão, a ouvir as palavras inconsequentes do especialista. (...). A solução da carreira militar ficou comprometida após a encenação com a cúmplice, Maude, de uma peça em que ele demonstrava perante o tio todo o seu desejo entusiasta de combater para poder dar largas à sua veia de carrasco inquisitorial. O tio assustou-se com tanta dedicação. Mas, falta falar de Maude... Maude é uma velha senhora de 79 anos que, ao contrário de Harold, nutria uma paixão sem limites pela vida. As suas histórias cruzaram-se durante uma das cerimónias fúnebres que os dois frequentavam assiduamente, embora por motivos diferentes. (...) Para ela, a morte era encarada com a alegria natural de quem já gozou o máximo. É esta alegria que ela vai transmitir a Harold, o desejo de viver, de ganhar asas e aproveitar a curta passagem por este mundo... Estas duas excêntricas personagens vão acabar por cimentar uma forte amizade. Maude ensina a Harold a ver a vida através dos seus olhos apaixonados e ele acaba por descobrir que a amava (à vida e a Maude). (...) No dia em que completava 80 anos, Maude decide concretizar o que um dia se propusera: a vida tem beleza enquanto há energia para desfrutá-la; 80 anos era uma bonita idade para completar em glória esta aventura. Tomou comprimidos suficientes para não voltar a acordar e partiu... Harold guia o carro descontrolado em direcção a um precipício. Um carro num mergulho mortal caicom estrondo pelas encostas escarpadas. Lá em cima uma silhueta toma forma até vermos Harold que, pela última vez, simulou um suicídio. Ele abandona a cena a tocar o banjo que Maude lhe dera.
Fonte: Leia mais clicando aqui
Outra qualidade de Ensina-me a viver: o filme não é apenas uma comédia, também consegue fazer um painel social muito eficiente, principalmente da sede de sangue do tio, do passeio no hospital (reparem o doente caindo, sem ninguém socorrê-lo), dos conselhos imbecis, do psiquiatra (que afinal faz a piada inevitável –“nesta sociedade freudiana espera-se que os rapazes se apaixonem pela mãe, mas você foi apaixonar-se por sua avó”) e principalmente de um grande momento de estupidez - o discurso do padre (em que o ator consegue passar toda a hipocrisia). Como comédia social, o filme está somente a um passo de Pequenos Assassinatos (Little Murders, 1971, de Alan Arkin, baseado em peça de Jules Feiffer). Como psicológica, é igualmente funcional. Explica o comportamento suicida de Harold apenas com discrição, sem exageros ou clichês. Leia mais clicando aqui
CRÍTICA

SINOPSE
O relacionamento entre um rapaz de 20 anos com obsessão pela morte, que passa seu tempo indo a funerais ou simulando suicídios, e uma senhora de 79 anos encantada com a vida. Eles passam muito tempo juntos e, durante esta convivência, ela expõe a beleza da vida. Ele decide se casar com ela, mas no entanto uma surpresa o aguarda, que mudará sua vida para sempre.
Órfão de pai, Harold tem 19 anos, uma mãe controladora ao extremo, um tio no exército e pertence a uma família americana rica e tradicional. Faz análise, é católico, já tentou o suicídio 15 vezes. Como diversão, vai a funerais e até dirige um carro funerário. Faz tudo isto para chamar a atenção da mãe, que é uma socialite fútil, mas só consegue fazê-la reagir com impaciência ou indiferença. Harold é parte de uma sociedade onde não tem lá muita importância e existencialmente não tem muito significado.Maude é uma senhorinha de 79 anos, austríaca, sobrevivente de um campo de concentração, viúva, que mora atualmente na América e adora funerais. Diz que 80 anos é a idade ideal para morrer – “75 é ainda muito jovem e 85 é perda de tempo”. Acredita que a vida deve ser vivida dia a dia por inteiro, sem restrições, sem tristezas. Vive uma vida cheia de significado e faz suas escolhas deliberadamente. Ela fará 80 anos na próxima semana.Esses dois seres se encontram em um funeral e daí nasce um relacionamento importante: ela o ensina a apreciar a vida e a ser liberto, a usar o tempo para fazer o melhor para si, o prazer da música e de cantar, a tocar banjo, a apreciar a arte. Enquanto isto, sua mãe o coloca em um programa nacional para arranjar-lhe uma noiva.Tornar-se mais próximo de Maude o faz querer casar-se com ela. Prepara então uma festa surpresa para o seu aniversário, quando pretende pedir-lhe em casamento. Enquanto dançam, Maude diz que tomou uma overdose de pílulas e que, por volta de meia noite, estará morta, reafirmando que 80 anos é a idade ideal para morrer. Leia mais clicando aqui
TRAILER

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Jantar com amigos

jantar com amigos ASSUNTO
Relacionamento casal, relações afetivas, sexualidade no casamento.
A grande sacada do filme é fazer de uma situação informal (o jantar) o ponto de partida e o eixo principal de onde se desenrola toda a trama. Um casal serve de suporte psicológico para que o outro se analise. Interessante perceber no filme que cada qual ficou do lado de seu amigo em particular. Karen saiu em defesa de Beth e Gabe de Tom. E, esta forma instintiva e intuitiva de cada qual defender o próprio amigo, suscitou a útil oportunidade de ambos fazerem uma avaliação em seu papel de marido e mulher dentro do casamento. Infelizmente, com o passar dos anos, a tendência de marido e mulher é se tornarem, no casamento, mais amiguinhos do que amantes. Quando isso ocorre, há um esfriamento no aspecto sexual e afetivo. O que abre brechas para se tentar suprir estas carências fora da relação conjugal Dificuldades no casamento sempre existiram, separações estão ocorrendo a todo instante, mas, saber lidar com as crises e buscar ajuda para tentar recuperar o que se perdeu ou, pelo menos, preparar-se para a tomada de decisões sérias de maneira melhor embasada é o que nem sempre se vê. O filme contribui de forma muito positiva a se fazer uma auto-avaliação da relação conjugal e como cada parceiro tem sido afetado pelo peso do tempo na relação. A intensidade do amor, do sexo, das brincadeiras, do lazer, vai rareando com o tempo e o casal nem sempre se dá conta de que está faltando alguma coisa, embora, na prática, o relacionamento esteja mudado. Na análise da situação conflitante e desestabilizadora por que passam Tom e Beth, o filme propicia bons momentos para se avaliar a questão da afetividade entre um casal, a questão dos filhos, a questão da busca de um novo parceiro, os fatores motivadores de uma separação e como problemas não resolvidos, emoções não verbalizadas são acumuladas vindo a tornar-se explosivas em algum momento da relação. Na verdade, Gabe e Karen constituíam um casal normal, que amadureceu, envolveu-se com o trabalho, cuidou da educação dos filhos, fazia excelentes refeições, mas que afastaram-se afetivamente um do outro. No auge da avaliação, deitados na cama, entre a leitura ou outra de um parágrafo de livro que cada qual lia, ela desabafa sua decepção com o relacionamento dos dois do ponto de vista da sexualidade: “Não tem saudades de mim? Não sente mais falta de mim?” E conclui não compreender que milagre os mantivera unidos: “Não sei como não nos perdemos também!” É neste instante que Gabe se recorda do seu velho jogo de sedução e cortejo, da velha fórmula de flertar com a namorada e a põe em prática. O filme termina de forma bem romântica, sinalizando que nunca é tarde para redescobrir o que se perdeu no caminho e ajustar o casamento pondo em prática o perdão, a busca, o encontro e que nunca se é velho demais para experimentar a alegria do amor entre um casal que verdadeiramente decidiu construir uma vida a dois. Leia mais clicando aqui...
SINOPSE
Baseado na peça vencedora do Prêmio Pulitzer de Donald Margulies, Jantar Com Amigos é um filme honesto e muitas vezes engraçado que explora o lado doce e ao mesmo tempo amargo da amizade. Gabe e Karen formam um casal feliz. Há anos têm como melhores amigos Tom e Beth. Certa noite, quando preparam o jantar, recebem a notícia da separação, Tom trocara Beth por outra e estão se divorciando. Logo se sentem obrigados a tomar partido nesta batalha e à medida que a separação vai acontecendo, novos relacionamentos se formam e os dois resolvem fazer um balanço do próprio casamento e já não tem tanta certeza que são felizes com o que descobrem.
TRAILER (Inglês)