sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019

A favorita


ASSUNTO

Jogos de poder da realeza, relações sociais e afetivas.

SINOPSE.

Na Inglaterra do século XVIII, Sarah Churchill, a Duquesa de Marlborough (Rachel Weisz) exerce sua influência na corte como confidente, conselheira e amante secreta da Rainha Ana (Olivia Colman). Seu posto privilegiado, no entanto, é ameaçado pela chegada de Abigail (Emma Stone), nova criada que logo se torna a queridinha da majestade e agarra com unhas e dentes à oportunidade única.


TRAILER


O OLHAR DA PSICOLOGIA

Fofocas e intrigas da corte habitam a trama, que baseada em fatos reais, passeia pelo mundo dos detentores do poder, em uma época em que a realeza decidia o rumo da história, mesmo sem a menor condição de fazê-lo. Um jogo cruel e manipulador de interesses políticos e pessoais são explorados no filme, evidenciando a força da influência feminina. Falamos da disputa entre duas mulheres que servem a rainha, através da amizade e de favores sexuais, ambas manipulam suas decisões, seja por interesse pessoal ou político. Em forma de sátira, o Longa faz uma crítica aos jogos sórdidos do poder, explorando as possibilidades e impossibilidades dessas relações. A rainha, louca e com tendências homossexuais, é,  por sua vez,  retratada como mimada. É possível perceber que ela é falha, humanamente imperfeita, como todos podem ser. Apesar de ocupar um cargo de liderança, tudo que ela quer é o lado bom da vida. Usufruir de todas as possibilidades prazerosas, sem que seja necessário tomar decisões e ser julgada por isso, que é desejável. Abrir mão da responsabilidade por suas escolhas é um desejo comum nos mais diversos quadros patológicos.  Por isso, ela se tornava alvo para a disputa daquelas mulheres, a estrategista e a alpinista social, que rápido aprende a usar as mesmas armas.
As três mulheres se envolvem em um jogo cruel, de comportamentos questionáveis, numa sátira provocante e incômoda. Por outro lado, o sistema e as ferramentas disponíveis, convidam o espectador a se perguntar sobre semelhanças e diferenças de atitude, em diferentes situações de poder. A sátira sobre a realeza evidencia a podridão dos poderosos, passeando entre os túneis escuros e passagens secretas do castelo, ou da mente. Riqueza, ostentação e poder contrastam com a pobreza de espírito e o comportamento doente, fisicamente evidenciado no corpo contaminado. Retratando a decadência da realeza, a sátira pode desagradar a muitos, mas, sem dúvida, tem seu aspecto cinematográfico impecável, razão pela qual é forte candidato ao Oscar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua opinião é muito importante!