quinta-feira, 19 de agosto de 2010

A vida secreta das palavras


a v sec das palav

ASSUNTO


Segredos – Violência, solidão, deficiência auditiva, relação cuidador e cuidado, abuso. estupro

SINOPSE

A Vida Secreta das Palavras conta a história de Hanna, uma mulher solitária e com um passado misterioso. Funcionária exemplar, ela é obrigada a tirar férias. Numa plataforma petrolífera onde só trabalham homens, num lugar isolado no meio do mar, houve um acidente. Sem ter o que fazer e nem para onde ir, Hanna é voluntária para cuidar de Josef, um homem que ficou temporariamente cego. Hannah é introvertida, solitária e parcialmente surda. Entre eles cria-se uma estranha intimidade que se vai aprofundando, laços cheios de segredos, verdades, mentiras, humor e dor que mudarão as suas vidas para sempre.


TRAILER


O OLHAR DA PSICOLOGIA
É um filme sobre a solidão, sobrevivência, sobre a (in)capacidade de seguir em frente. O passado de Hanna não é revelado no início do filme, não há uma só informação sobre ela, além de seu sotaque do leste europeu e a necessidade de uso de um aparelho de surdez (que é desligado quando ela quer ficar sozinha). Hanna não falta ao trabalho, não se relaciona com os colegas e come todos os dias arroz, frango e maçãs. Mas essa vida sem sal, sem sabores (a culinária, não por acaso, será uma grande metáfora adiante), esconde um segredo, que demora a ser revelado, mas é catártico. 

A razão do meu afeto

a razão do meu afeto ASSUNTO
Homossexualidade, sexualidade
É um filme para adultos, abordando relações sexuais hetero e homossexuais num contexto urbano. As circunstâncias têm características aparentemente banais, no entanto, as questões suscitadas merecem reflexão profunda, por suas implicações individuais e sociais. As decisões afetam o cotidiano de pessoas diferentes que, às vezes, precisam se conhecer melhor, juntamente com a sua atitude de compreender o próximo.

SINOPSE
Nina (Jennifer Aniston) é uma encantadora e independente assistente social que cai na pior armadilha para uma mulher: apaixona-se perdidamente pelo homem errado. Depois de levar um fora, George (Paul Rudd) um professor super charmoso e completamente irresistível decide dividir o apartamento com Nina. O que começou como uma inocente amizade transforma-se em algo extraordinário. Vivendo momentos inesquecíveis de total ternura, ela se deixa levar pelo fascínio de George. E é exatamente aí que começam seus problemas. A Razão Do Meu Afeto é uma comédia romântica que traz com muita sensibilidade e emoção o limite que separa o sexo do amor e da amizade!
Trailer (inglês)

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Preciosa

preciosa ASSUNTO
Racismo, pobreza, injustiça social, violência doméstica, abuso sexual, boderline
O filme é um drama pesado e realista, provavelmente não vai agradar a todos. Não é o tipo de filme que você sai leve do cinema; não, é o tipo de filme que, ao terminar a sessão, você sente que levou um soco no estômago. Preciosa é negra, pobre, morbidamente obesa e disléxica. Adolescente, é maltratada pela mãe, que passa o dia inteiro vendo TV, dependendo da caridade do governo e pouco se importando com a filha, a não ser para manter o seu benefício. Precious é fechada, sem amigos, sendo que seu único escape são alguns sonhos/devaneios, onde ela é famosa, tem um namorado branco e rico, etc. Algumas cenas no filme demonstram a fuga da realidade, um mecanismo de defesa que nega acontecimentos tão traumáticos. Com olhar perdido, voz marcante e ar de quem não sabe o que está fazendo neste mundo, a garota dá à sua personagem um incrível senso de alienação que mais tarde perceberemos não ser exatamente um descaso diante da vida, mas sim um escudo, uma crosta criada pelas feridas do mundo. No decorrer da trama, seu personagem cresce, ganha autoestima. E, nos momentos de sonho, a atriz se transmuta totalmente. Vira outra, bem diante dos nossos olhos. Ao resignificar a sua vida ela conseguiu não naturalizar a violência que sofria, a professora teve uma escuta ativa e a amou, sentimento esse nunca vivenciado por ela. O amor de pais nunca teve, o que teve no lugar deste amor nunca caracterizou algo de bom para Preciosa. Sua mãe com características boderline, traços característicos de psicose, é um destaque.
SINOPSE
Ela tem 16 anos, é uma gorda com obesidade mórbida e negra. Mora no Harlem. Seu pai lhe engravidou duas vezes, na 2ª gravidez é expulsa da escola que não lhe ensinou a escrever nem a se comunicar. Teve sua primeira filha aos 12 anos, ela é chamada de “Mongo” em referência à Síndrome de Donwn da qual é portadora, a criança é criada pela avó. Sua mãe é algo que só vendo para saber, mas recebe os cheques da Assistência Social. Ela sonha ter um namorado mas os meninos a odeiam. Sua vida é um inferno e algo acontece quando vai para uma escola alternativa onde conhece Blu Rain (Paula Patton). Além das estrelas Mariah Carey despida do invólucro de diva glamurosa, de um belo Lenny Kravitz e do show de falta de humor daquela que aprendemos a ver fazendo humor, Mo’Nique (Mary, a mãe infeliz de tanta infelicidade) temos muito o que perceber neste longa de temas indigestos e baseado em história real.
TRAILER

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Amor além da vida

amor alem da vida ASSUNTO
Luto, depressão, relações familiares, afetivas, casal e família, auto-suporte, empatia, espiritual.
O filme, considerado e debatido por muitos a partir dos fundamentos da doutrina espírita, é acima de tudo uma obra-prima. Recheado de diálogos sublimes e fotografias belíssimas, o filme desperta reflexões com diversas perspectivas. Eu, particularmente, fui afetada em vários aspectos. Destaco, porém, algo relacionado ao trabalho na abordagem Gestáltica. Principalmente nas cenas que acontecem no deslumbrante cenário do após-vida de Chris com diálogos esplendorosos. “Viagem a fantasia” é uma técnica utilizada como ferramenta de trabalho na abordagem gestáltica. Essas cenas me transportaram para “sonhar acordado”, “presentificar sonhos” e outras possibilidades dessa ferramenta. Apresento abaixo diversos olhares e alguns trechos do filme:
“Na mitologia grega, Orfeu era um poeta e músico que a todos encantava com sua música. Apaixonado por Eurídice, sofreu a dor de sua morte após ela ser picada por uma cobra. Transtornado, Orfeu viajou até o Mundo dos Mortos para reaver sua amada.A história foi levada diversas vezes para o cinema (...). A depressão domina o ambos, mas Annie tem maiores dificuldades para superá-la. (...) Annie é incapaz de prosseguir sua viva só e superar a solidão. Comete suicídio. O após-vida de Chris é repleto de cores e reflete as pinturas de sua esposa em seus momentos de felicidade. (...) Annie, por outro lado, como suicida, é condenada a uma existência oposta, um ambiente estéril, sem vida, desprovido de cor e amor. A cada um, seu inferno particular.” Leia mais clicando aqui
“Toda a história é envolta por símbolos e cores visando que o expectador perceba os movimentos e emoções de cada personagem.” Leia mais clicando aqui
As paisagens – quadros convertidos em realidade – são de uma beleza improvável e indescritível. (...) É como se Rembrandt, Renoir e Dante Alighieri tivessem emprestado sua visão de paraíso e inferno à direção de arte do filme(...) As situações, os diálogos e as interpretações são de uma riqueza humana que, apesar de momentos de extrema dramaticidade, nunca é piegas. As mensagens otimistas também soam naturais. Fala-se do amor de (...) pais e filhos, de mestres e aprendizes, e sentimentos (...) Mostra-se que as aparências e preconceitos não existem para os que enxergam com a alma(...) É um filme que mescla tristeza e alegria, e agonia e êxtase, com equilíbrio e maestria raramente encontrados no cinema atual. “Pesa” quando é preciso, mas nos deixa leves, no final.” Leia mais clicando aqui 
SINOPSE
Chris Nielsen (Robin Williams), Annie (Annabella Sciorra), sua esposa, e os filhos do casal fazem uma família feliz. Mas os jovens morrem em um acidente e o casal é bastante afetado, principalmente Annie. No entanto, eles superam a morte dos filhos e conseguem levar suas vidas adiante, mas quatro anos depois é a vez de Chris morrer em um acidente e ser mandado para o Paraíso. Mas não um Céu com arcanjos e harpas, pois lá cada um tem um universo particular e o dele é uma pintura (sua mulher coordenava uma galeria de arte). Enquanto tenta entender o Paraíso, onde tudo pode acontecer, bastando que apenas deseje realmente, Chris fica sabendo que Annie, dominada pela dor, comete suicídio. Assim, ele nunca poderá encontrá-la, pois os suicidas são mandados para outro lugar. Mesmo assim decide tentar achá-la, apesar de ser avisado que mesmo que a encontre, ela nunca o reconhecerá.
Resumo ilustrado, clique aqui
VÍDEOS:
Clipe 1, clique aqui
Clipe: apaixone-se, clique aqui
TRAILER:
Alguns trechos em vídeo:
(…)“não precisa se destruir para amar alguém”. ASSITA:
(…) O que é o eu?( ...).você tem consciência de que existe, então existe.”
. Assista:

Don Juan de Marco

Don juan de marco ASSUNTO
Esquizofrenia, relações afetivas, familiares e terapêutica
O jovem criou um mundo para si, onde buscava esquecer os acontecimentos traumáticos da sua vida, principalmente relacionados à sua mãe, que, ao que parece, foi uma mulher adúltera. Para se proteger , O “Dom Juan” se utiliza de vários mecanismos de defesa. Ele nega a sua realidade o tempo todo, porque aquilo lhe provoca uma angústia insuportável. O personagem busca assumir a identidade de Dom Juan, evitando assim o reconhecimento das suas próprias inadequações. Ele preferiu isolar os pensamentos que lhe remetiam a fatos desagradáveis da sua vida, desvinculando de outras idéias, para que esses fatos viessem a ficar “esquecidos”, com pouco acesso por ele próprio, evitando as fortes emoções Apesar de apresentar todo esse quadro, o rapaz também se mostrava o tempo inteiro consciente da sua fantasia. Ele sabia que aquela sua estória não era real, conhecia a sua realidade, apenas criou para si, um mundo no qual ele pudesse liberar seus desejos, suas fantasias. Utilizáva-se da máscara justificando esconder sua vergonha por ter sido o estopim da morte de seu pai. Ele conseguia manter uma capacidade de alternância entre a realidade e a fantasia. Estava extremamente consciente de sua vida, de que estava em um hospital psiquiátrico e etc., porém preferia encarar a situação daquela forma fantasiosa, porque lhe era menos desgostoso. O psiquiatra, ao invés de bombardeá-lo com medicamentos, resolveu ouvir sua história e embarcar no seu devaneio, e acabou por envolver-se por completo. Na relação ambos são afetados. O médico, então, passa a ter um comportamento diferente, começa a querer resgatar o romantismo no seu casamento. O delírio de Don Juan é extremamente apaixonante, pois trata de uma forma suprema e graciosíssima das questões do amor e da sexualidade. Uma história que nos leva a refletir sobre nossas visões limitadas de encarar o amor em todas as idades e épocas. É preciso ver através das máscaras.
Dom Juan DeMarco, sob a direção de Francis F. Copolla, mostra um jovem ( J. Deep), que afirma ser Dom Juan DeMarco, um conquistador de mulheres que usa a máscar, se veste como um cavalheiro e ameaça suicídio do alto de um prédio, deprimido pela perda de seu amor. Um psiquiatra,Jack Micller(Marlon Brando) é indicado para tratá-lo.Durante a primeira sessão, o rapaz pede-lhe que ele não lhe dope,que ele lhe contará sua vida. O diretor insiste  que o rapaz é um lunático e que seja tratado como tal.O psiquiatra pede-lhe um tempo, para que possa tratá-lo sem o uso de remédios, o diretor mesmo a contragosto concorda.Nas sessões seguintes, o jovem fala-lhe de sua vida na ilha onde cresceu, cercado de amor  e da paixão dos pais, de sua vida amorosa. Fala-lhe de uma maneira , tão envolvente, que o médico não sabe até onde é realidade ou fantasia.Apartir daí, o psiquiatra passa ter uma visão da vida e dos relacionamentos pessoais.Revigorado, passsa a tratar a mulher Marilyn( Faye Dunaway) , mais atenciosamente com uma paixão  jovial que há muito deixara de existir no relacionamento deles.Tornam-se companheiros e amantes. Quando se encerra o prazo dado pelo diretor,pede a Dom Juan que  fale perante a junta médico quem ele era, um jovem com problemas e que já estava curado. E asim ele recebe alta. O psiquiatra, que estava próximo de se aposentar,  vai para a ilha de Dom Juan , com a mulher e lá passa a viver feliz.
VÍDEOS:
Diálogo - Fantasia e realidade:
TRAILER:

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Mary e Max

mary e max ASSUNTO
Saúde mental, exclusão social, compulsão alimentar, autismo, alcoolismo, Síndrome de Asperger, obesidade, gênero, amizade
É uma animação para adultos do diretor australiano Adam Elliot, que versa sobre a solidão e a vulnerabilidade humana, usando a comédia e a tragédia como tempero da sua narrativa. É uma animação que consegue falar poeticamente sobre questões sociais e de saúde mental: trabalho alienado, exclusão social, marginalidade conferida aos doentes mentais, compulsão alimentar, alcoolismo, síndrome de aspenger, suicídio; e do quanto essas questões acabam promovendo ao indivíduo uma sensação de isolamento social. Mary e Max é viagem que explora a amizade, o autismo, o alcoolismo, de onde vêm os bebês, a obesidade, a cleptomania, a diferença sexual, a confiança, diferenças religiosas e muito mais. Mary é uma garotinha australiana de oito anos, que não tem atenção dos pais, um pai taxidermista nas horas vagas e uma mãe alcoólatra. Max é um senhor judeu de 44 anos, que frequenta uma espécie de "comedores compulsivos anônimos", solitário e meio autista (na verdade, descobrimos mais tarde que ele tem Síndrome de Asperger). Daí, dessas duas almas solitárias (exceto pelo galo de estimação e pelo amigo invisível de Max), nasce uma amizade baseada na troca de cartas (e de presentinhos juntos). Mary e Max é um drama adulto, que tem seus momentos de alívio cômico, mas que é basicamente, um drama. E até meio depressivo. Apesar do clima bastante depressivo em várias partes (como quando Mary se vê no fundo do poço), o filme consegue não se tornar maçante com um clima pesado demais. Além dos diálogos (via cartas) serem muito bons, há ainda diversos alívios cômicos espalhados, o que quebram um pouco o ritmo sombrio e não deixam o filme ser apenas lágrimas. O filme critica a sociedade-do-pouco-contato em que vivemos, mostrando os vícios e as fobias dos personagens, não só dos protagonistas como também dos coadjuvantes, como a mãe e o vizinho de Mary; a vizinha e os cidadãos que Max observa. Uma frase, aparentemente simples, dita pelo médico de Max, Dr Hazelhof, resume o filme: “a vida de todo mundo é como uma longa calçada. Algumas são bem pavimentadas, outras (…) têm fendas, cascas de banana e bitucas de cigarro”.

SINOPSE
Mary e Max é uma animação stop motion feita com massa de modelar, ou a popular massinha. Filme australiano, aconta a emocionante história (baseada em uma história real) de dois solitários muito diferentes, que por um acaso, acabam se tornando amigos através de cartas (algo que hoje equivaleria a você adicionar/seguir alguém sem conhecê-lo "ao vivo"). Uma história de amizade entre duas pessoas muito diferentes: Mary, uma menina gordinha e solitária, de oito anos, que vive nos subúrbios de Melbourne, e Max Horovitz, um homem de 44 anos, obeso e judeu que vive com Síndrome de Asperger no caos de Nova York. Alcançando 20 anos e 2 continentes, a amizade de Mary e Max sobrevive muito além dos altos e baixos da vida.
Leia mais clicando AQUI
Trailer oficial

Temple Grandin

temple

ASSUNTO

Autismo, inclusão, superação

SINOPSE

Dirigido por Mick Jackson e com Claire Danes como Temple, o filme conta a história e a trajetória de uma das autistas mais conhecidas no mundo. Mostrando de forma intensa e detalhada como foi difícil o caminho desde o inicio do diagnostico  até receber o titulo de mestre em psicologia, o filme emociona e encoraja.Outro ponto forte do filme é mostrar como funciona a mente e a percepção visual de Temple.


TRAILER


O OLHAR DA PSICOLOGIA

O autismo é um distúrbio do desenvolvimento. Uma deficiência nos sistemas que processam a informação sensorial recebida faz a criança reagir a alguns estímulos de maneira excessiva, enquanto a outros reage debilmente.  O autismo é uma anomalia da infância que isola a criança de relações interpessoais. Ela deixa de explorar o mundo à sua volta, permanecendo em vez disso em seu universo interior. Os sintomas parecem surgir nos primeiros meses de vida. O bebê não responde da mesma forma que os demais. Não é surdo, pois reage aos sons. Mas suas reações a outros estímulos sensoriais são inconsistentes. O perfume de uma rosa recém-colhida no jardim pode provocar um ataque na criança – ou fazê-la recolher-se a seu mundo interior. Outros sintomas do autismo são esquivar-se ao toque alheio, ausência de fala com significado, comportamentos repetitivos, acessos de raiva, sensibilidade a barulhos altos ou incomuns e falta de contato emocional com as outras pessoas. Temple foi diagnosticada   aos 4 anos de idade. Na escola era chamada de "gravador", por repetir o que era dito sem parar. Dizer que uma criança autista não apresenta reação absolutamente nenhuma às outras pessoas é um equívoco, uma criança autista pode apresentar reações sociais numa determinada situação, mas não em outra. As crianças autistas manifestam tanta variação de talentos, Inteligência, gostos e atrativos sociais quanto as crianças ditas “normais”. Temple Grandim é um exemplo de que o diagnóstico não restringe o ser!

Tempo de despertar

ASSUNTO
Neuropsicologia, reabilitação, relação terapêutica
Mount Carmel era um hospital para doentes crônicos, onde estavam confinados aproximadamente 80 pacientes pós-encefalíticos que teriam sobrevivido à grande epidemia de doença do sono (encefalite letárgica) que ocorreu após a I Guerra. Sacks esteve pela primeira vez em Mount Carmel em 1966 e, nessa época, os médicos consideravam que hospitais ou asilos para doentes crônicos eram lugares desinteressantes, onde breves visitas aos doentes confinados nestes hospitais eram mais do que suficientes. Clinicar em Mount Carmel foi uma decisão autentica tomada por Sacks, conforme cita em seu livro "Tempo de despertar" (que forneceu material para o filme), onde revela porque decidiu estudar a doença do sono: “O que me instigou na época foi o espetáculo de uma doença que nunca era a mesma em dois pacientes, uma doença que podia assumir qualquer forma possível — denominada corretamente fantasmagoria pelos que primeiro a estudaram”. Em 1969, Sacks começou a ministrar a droga que teria permitido o despertar de seus pacientes e resultado numa experiência fascinante, reveladora de efeitos e comportamentos absolutamente inesperados. Na época, a L-dopa (levodihidroxifenilalanina), um medicamento desenvolvido para sanar a carência do neuro transmissor dopamina, era considerada uma droga experimental e a sua utilização estava condicionada a supervisão do FDA (Food and Drug Administration). A experiência que Sacks teve com os seus pacientes foi critica para o desenvolvimento de uma nova visão sobre a medicina. A questão não se resume a uma elaboração conceitual: Sacks experimentou uma profunda empatia com seus pacientes e foi capaz de observar e reconhecer que os efeitos provocados pela dosagem da L-dopa eram complexos e imprevisíveis.
SINOPSE
Bronx, 1969. Malcolm Sayer (Robin Williams) é um neurologista que conseguiu emprego em um hospital psiquiátrico. Lá ele encontra vários pacientes que aparentemente estão catatônicos, mas Sayer sente que eles estão só "adormecidos" e que se forem medicados da maneira certa poderão ser despertados. Assim pesquisa bem o assunto e chega à conclusão de que a L-DOPA, uma nova droga que já estava sendo usada para pacientes com o Mal de Parkinson, deve ser o medicamento ideal para este casos. No entanto, ao levar o assunto para o diretor, ele autoriza que apenas um paciente seja submetido ao tratamento. Imediatamente Sayer escolhe Leonard Lowe (Robert De Niro), que há décadas estava "adormecido". Gradualmente Lowe se recupera e isto encoraja Sayer em administrar L-DOPA nos outros pacientes, sob sua supervisão. Logo os pacientes mostram sinais de melhora e também mostram-se ansiosos em recuperar o tempo perdido. Mas, infelizmente, Lowe começa a apresentar estranhos e perigosos efeitos colaterais.
“Infelizmente os resultados do remédio duram pouco tempo, mas o suficiente para o médico descobrir que, atrás daqueles corpos aparentemente vazios, continuava a existir seres humanos completos, com sentimentos, alegrias e paixões.”  Trecho dos comentários de Pedro, um menino muito especial que vocês vão amar Leia mais Clicando aqui

terça-feira, 10 de agosto de 2010

As confissões de Schmidt

as confissões de scimidt ASSUNTO
Depressão, terceira idade, luto, Relações familiares, afetivas e sociais, aposentadoria
“A visão depressiva da vida de Schmidt é uma das melhores análises da sociedade americana e das relações familiares cada vez mais frágeis. Optou-se por um maior aprofundamento na vida de um único personagem e de suas relações com as outras pessoas. O distanciamento entre pais e filhos, um dos enfoques do filme, é uma reflexão sobre a importância dada ao sucesso individual exaltado pelos americanos. E a busca de Schmidt por um sentido para sua vida é altamente filosófica” .
“As Confissões de Schmidt é um filme sobre personagens com vidas comuns em situações comuns, que nos mostra, de maneira bem depressiva, a busca de Schmidt pelo famoso “sentido da vida”. Schmidt está se aposentando. Vive em um bairro de classe média em uma (mais uma) dessas cidadezinhas pequenas e anônimas do interior dos Estados Unidos. Sua vida é monótona ao extremo. Ele considera seus amigos desinteressantes, mesmo amando eles.(...) A cena inicial é magistral: Schmidt, como um robô, encara o relógio até este apontar o exato segundo para ele ir embora, no último dia de trabalho antes da aposentadoria. Essa cena é a síntese do filme, explicando que o que virá pela frente é uma história de tédio, rotina, e depressão. Não é um filme fácil. Muita gente pode sair do cinema deprimida, como o personagem de Nicholson. A história é apenas um pano-de-fundo para a realização do auto-conhecimento, e da busca pelo tal sentido da vida de Schmidt. Ele está ajudando um garotinho órfão na África, enviando-lhe cheques para comida e cartas para se corresponder com o garotinho. Nessas cartas (que servem também para analisarmos e descobrirmos como funciona a cabeça e os sentimentos de Schmidt) ele solta toda sua raiva e dúvida em relação à vida que está levando e às pessoas que o cercam. Profissional em estatísticas, ele sabe que tem 73% de chance de morrer nos próximos nove anos. Não há mais tempo a perder.”  Clique aqui para ler mais...

SINOPSE
2002 -Warren Schmidt é o típico cidadão classe média americano cuja vida baseia-se em dois pilares: trabalho e família. Funcionário há décadas de uma companhia de seguros e casado há 42 anos, de repente, Schmidt se vê aposentado e viúvo. Para piorar, sua única filha vai se casar com um vendedor de colchões medíocre. Agora, sem trabalho e sem família, Warren se pergunta: o que fazer da vida? Em busca de uma resposta, Schmidt embarca no trailer que comprou para viajar com sua esposa e pega a estrada decidido a impedir que sua filha passe a integrar aquela família estranha com gente esquisita Engraçadas e comoventes são as situações que Warren experimenta nessa sua jornada, todas relatadas em cartas destinadas a um garotinho africano que ele nem conhece, mas decidiu adotar à distância na esperança de dar algum sentido a sua vida. O filme conta a estória de um Homem depressivo, pós morte da esposa, o Homem de meia-idade, ao tentar controlar a vida de sua filha, se dá conta que não tem controle nem sobre sua própria existência.
TRALER

Camile Claudel

camile cvlaudel ASSUNTO
Esquizofrenia. relações afetivas, de casal e familiares
O filme relata os primeiros anos de sua vida até a maturidade, o encontro com Rodin, mestre e amante, o desespero diante de dificuldades materiais intransponíveis e a separação de Rodin. Após tal separação, o ódio pelo amante e a dor do abandono unia-se à relação hostil e tensa com a mãe e à frustração com seu papel de mulher na época.  Sua internação forçada num asilo em precárias condições e suas cartas pungentes retratam uma personalidade complexa, lúcida e afetiva apesar dos surtos delirantes. A loucura aparece, em parte, como uma tentativa desesperada de se proteger de conflitos insolúveis nos quais aspectos pessoais e culturais se entrelaçam. A grandiosidade de sua obra é abordada, com interpretações simbólicas sobre sensibilidade, esperança, pureza, feminilidade, graça, desejo amoroso, tristeza, criatividade, reveladas pela destreza ímpar de artesã e permeando as relações humanas com sua beleza e seu drama inerentes.
SINOPSE
Em Paris, em 1885, a jovem escultora Camille Claudel entra em conflito com sua família burguesa ao tornar-se aprendiz e, depois, assistente do famoso Auguste Rodin. Quando ela se transforma em amante do mestre (que já era casado), cai em desgraça junto à sociedade parisiense, embora tenha amigos do porte do compositor Claude Debussy. Depois de quinze anos de tortuoso relacionamento com Rodin, Camille rompe o romance e mergulha cada vez mais na solidão e na loucura. Por iniciativa de seu irmão mais novo, o escritor Paul Claudel, é internada em 1912 num manicômio.
Na historia da arte - por uma psicóloga  - clique aqui
TRAILER

Cama de gato

cama de gato ASSUNTO
Abuso sexual, violência

O filme é uma produção nacional que tratou especificamente das questões de jovens brasileiros. Narrada como perdida, "metida" em uma espécie de vácuo de valores e referências, a juventude retratada no filme ilustra a dificuldade dos jovens da atualidade em encarregar-se dos efeitos de seus atos. As experiências mostradas seguem um ritmo alucinado, no qual parece não sobrar muito espaço para a reflexão, tampouco para o silêncio. Em nome do prazer e da diversão - fala que se repete ao longo do filme, - o trio de calouros universitários comete atos cujos efeitos são realmente fatais.
SINOPSE
O filme retrata a vida de três amigos, colegas do colegial de uma escola particular de São Paulo. Representantes da classe média-alta, estes garotos vivem dilemas próprios da juventude dos anos 90: a necessidade de se divertir, aliada a uma preocupação de se estabelecer em uma sociedade baseada na economia global que oferece cada vez menos oportunidades e onde a crescente desigualdade social aparece como consequência natural do sistema. A diversão confunde-se com a violência. Na tentativa de se divertirem a "qualquer custo", acabam matando pessoas e passam a tentar encobrir os crimes sem deixar nenhuma pista que possa envolvê-los nos assassinatos. Quanto mais eles tentam resolver os problemas que criaram, mais eles se complicam. Porém, o limite entre complicação e diversão torna-se bastante tênue.

As Pontes de Madison

as pontes de madison ASSUNTO
Relações afetivas, famiares, relações sociais e de casal
O filme conta a história de uma mulher que sacrifica sua grande paixão para não deixar a família. É uma história que muitas vezes se vive na vida real, mas que infelizmente quando conhecemos o amor verdadeiro já temos a nossa vida construída ao lado de outra pessoa e o medo, o preconceito são mais fortes para nos deixarem libertar desses grilhões que a sociedade nos impõe. O filme retrata de forma delicada, o amor na maturidade da vida. É daquelas histórias que, se já não aconteceu a todos que assistem ao filme, pelo menos desperta o desejo e a esperança de que um dia acontecerá. É o amor marcando de forma indelével a vida do ser humano. O amor envolvido pela paixão, que depois de realizado, deixa as suas lembranças para os que sobreviveram a ele.

SINOPSE
Robert Kincaid (Clint Eastwood) é um fotógrafo profissional contratado pela revista National Geographic para tirar fotos das belas pontes do condado de Madison, Iowa. Perdido, ele pede informações na fazenda dos Johnsons. Francesca Johnson (Meryl Streep - indicada ao OSCAR em 1996 por este filme), é uma dona de casa, casada há quinze anos e com dois filhos adolescentes. Duas vidas unidas pelas estradas do destino. Dois mundos completamente diferentes. Tentando resistir a um inesperado romance. Robert e Francesca. Uma paixão que surge apenas uma vez na vida. Talvez, a única chance de viver um grande amor...mesmo que seja impossível durar para sempre! O filme assumiu prontamente um carácter romântico desembocando no âmago da decepcção. A relação amorosa entre um jornalista da National Geographic, interpretado por Clint Eastwood (Robert Kincaid) e uma dona de casa, Meryl Streep (Francesca Johnson), é vivencida em todo o seu esplendor.Francesca com estatuto de mulher casada é constantemente sobressaltada por uma dualidade: deixar a família e viver esse grande amor ou ficar e ter medo de errar e descobrir que afinal enganou-se. Robert abre-lhe para um mundo diferente: com muitas emoções e sentimentos ao rubro, momentos de verdadeira conexão espiritual e emocional. Durante algum tempo, os dois esquecem-se de tudo o que lhes rodeiam e vivem sem preconceitos um verdadeiro amor. Infelizmente, Francesca, decide que não abandonará a sua família e ficará na sua terra, optando ficar com a recordação daqueles dias imemoráveis vividos ao lado de Robert.
Trecho do filme

Afinidades eletivas

Afinidades eletivas ASSUNTO

RELAÇÕES AFETIVAS – CONFLITOS : EXISTENCIAIS, FAMILIARES e CONJUGAIS

Já maduro, com 60 anos, Goethe retoma o tema da paixão avassaladora com todas as suas implicações e conseqüências escrevendo “As Afinidades Eletivas”. Utilizando-se do princípio químico pelo qual dois elementos agregados se separam para unirem-se a dois outros elementos, Goethe constrói uma alegoria para demonstrar a determinação das forças da natureza no tocante à atração irrefreável que junta as pessoas. O título do livro foi extraído das Ciências Naturais; trata-se de uma expressão attractionibus electivis, usada para designar a atração entre dois elementos químicos diferentes, mas afins. Coincidentemente a personagem feminina principal também se chama Charlotte. O filme narra a trágica história de um casal da Toscana do século 18, que abriga em sua casa no campo um amigo em comum e uma jovem afilhada da mulher. Aos poucos os anfitriões entram em crise quando se apaixonam por seus hóspedes, atraídos pelas afinidades que não têm entre si.  Nessa paisagem bucólica, o jovem casal, Edoardo e Carlotta, recebe a visita de Ottone e Ottilia. Juntos fazem experiências que demonstram que certos elementos possuem Afinidades Eletivas, ou seja, uma atração especial um pelo outro. Dessas experiências nascem novas relações amorosas entre esses casais. Mas suas culpas e as imposições sociais os levam a um triste e trágico final. Trata-se de um filme muito delicado e bonito, sem moralismos nem melodrama, que apenas reflete sobre o imponderável e o inesperado nas relações amorosas. O título vem de um princípio da química que diz que certas substâncias são por natureza destinadas a se combinarem com outras.  Na convivência diária as afinidades entre as pessoas vão se tornando mais evidentes e com o passar do tempo uma paixão irresistível irrompe desestruturando a vida do casal. O filme coloca muita coisas em questão: a fidelidade, o casamento e o significado do amor. A par disso, a mulher aparece no romance não como símbolo ou joguete nas mãos dos homens, mas na condição de interlocutora dotada de inteligência e de vontade. 

SINOPSE
Baseado no romance homônimo do escritor romântico alemão Johann Wolfgang Goethe (1749-1832), As Afinidades Eletivas é um dos mais belos filmes de Paolo e Vittorio Taviani.Toscana, final do século XVIII. Numa casa de campo, o jovem casal Eduardo e Carlotta recebe a visita de Ottone e Ottilia. Juntos fazem experiências que demonstram que certos elementos possuem afinidades eletivas, ou seja, uma atração especial um pelo outro. Das experiências, nascem novas relações amorosas entre os casais.  Com excelente ambientação de época, As Afinidades Eletivas tem como destaque ótimas interpretações de Isabelle Huppert (A Professora de Piano) e Jean-Hughes Anglade (A Rainha Margot), além de estupenda fotografia.

À Procura de Mr. Goodbar

a procura de mr gooldbar ASSUNTO
Deficiencia auditiva, compulsão sexual
O filme é baseado na história real de uma professora de deficientes auditivos, uma mulher reprimida sexualmente que de dia dá aulas como professora de crianças surdas, e à noite procura o prazer nos braços de homens desconhecidos. A procura de Mr. Goodbar mostra o lado mais escuro de encontros ocasionais em busca de sexo. Nem sempre os compulsivos sexuais conseguem manter o anonimato, já que têm um problema que pode atingir qualquer pessoa, independentemente de idade, sexo ou classe social. Pode acontecer com engenheiros, advogados, comerciantes, desempregados, médicos, professores e até artistas famosos e presidentes. Um dos exemplos mais ilustrativos de que não há pistas para identificar um compulsivo sexual na rua é o caso da dedicada professora primária Roseann Quinn,  americana de 28 anos que inspirou o drama. Durante o dia, a fervorosa católica dava aula para crianças surdas, e era considerada um modelo de bom comportamento. A noite, a moça assumia sua compulsão por sexo, frequentando bares de Nova York em busca de parceiros. Voltava para casa sempre acompanhada de um homem diferente, um dos quais seria o responsável por seu trágico assassinato. O caso chocou os Estados Unidos, na década de 70, e serviu de inspiração para o enredo de um livro e filme de mesmo título.

SINOPSE
Baseado no best seller de Judith Rossner, "A procura de Mr. Goodbar" tem como atriz principal Diane Keaton, que faz o papel de uma mulher reprimida sexualmente. O romance foi baseado num fato real. "Mr. Goodbar" era o nome de um bar, em Nova York, no qual Roseann Quinn, professora irlandesa de 28 anos, encontrou seu último cliente. Ela morava sozinha no apartamento em que foi brutalmente assassinada. Trabalhava de dia numa escola de surdos e à noite saía com homens que encontrava em antros de perdição, levando uma vida de desespero existencial, que desembocava nos habituais exageros de álcool, drogas e sexo sem sentido. Pela noite, a comportada professora de surdos Theresa vira uma caçadora e satisfaz seus desejos com os mais diferentes homens que encontra pelos single bars da cidade. Na vida profissional, a professora Theresa é reconhecida pelos seus trabalhos com crianças deficientes auditivas. Já sua vida sentimental não está nada bem, principalmente depois de dois relacionamentos problemáticos consecutivos. Sem rumo, se envolve nas perigosas e agitadas noites da cidade. O filme conta o longo declínio auto-destrutivo de Theresa Dunn, Já perto do final, há uma revelação que tenta justificar o comportamento negativo de Theresa diante da vida.

A letra escarlate

ASSUNTO
Gênero, sexualidade, fanatismo religioso, relações sociais e afetivas.
A letra escarlate, Hawthorne, recriou, entre o real e o imaginário, o ambiente de uma comunidade puritana no século XVII. Ofereceu uma imagem da condição da mulher naquele contexto, a partir do preconceito, intolerância e violência da sociedade contra Hester Prynne, a protagonista da história, em decorrência de adultério e gravidez fora do casamento.  O filme retrata uma época em que as mulheres não tinham voz ativa e deveriam sempre se submeter às regras sociais e machistas. Nessa época aparece uma mulher que foge destes padrões e tem um comportamento oposto ao esperado, é independente, autônoma e não tem medo de lutar pelo o que acredita, contudo a sociedade não a aceita e ela terá que sofrer as conseqüências do próprio comportamento. As mulheres dessa época não apenas aceitavam as condições de sujeição a que estavam sendo submetidas como procuravam manter essa relação, discriminando qualquer outro tipo de comportamento. Os homens pensavam que uma mulher liberada que chocava a sociedade por pensar por conta própria, só poderia ser alguém sem respeito, vista apenas como objeto de prazer sexual. Essa atitude masculina pode ser exemplificada na cena em que um dos homens respeitados da sociedade tenta beijar a força a personagem principal. Dessa maneira, não precisou de muito tempo para que Hester percebesse que o Novo Mundo não era tão diferente do Velho. As pessoas que ali chegaram, trouxeram consigo todos os antigos preconceitos e regras. O Estado e a religião confundiam-se. A intolerância parecia coisa natural. Havia um conflito entre homens brancos e índios. As autoridades políticas e religiosas aguardavam um sinal de Deus para tomar uma atitude. Hester Prynne deu-lhes o que precisavam. Assim, seu “pecado tornou-se a principal razão dos males que assolavam a sociedade o que justificou atitudes de discriminação, preconceito, injustiça e intolerância. havia todo um contexto que corroborava para a discriminação da mulher nos séculos passados. Romper com esse paradigma foi algo muito valoroso e demandou muito tempo. Hoje, na sociedade ocidental, usufruímos direitos e deveres que nos garantem a igualdade. Mulheres, como a personagem Hester Prynne e muitas outras não identificadas mas reais, pagaram um preço alto para isso. Porém, ainda há Estados laicos, como alguns países muçulmanos, cujo tratamento dado às mulheres em muito se assemelha ao exemplificado no filme. Pode-se ver, então, que a luta das mulheres ainda não acabou. A Letra Escarlate, Nathaniel Hawthorne faz o confronto mais íntimo no homem com a sociedade puritana é o tema do “romance psicológico” (como o autor o classificava, em um tempo em que o mundo ainda não cogitava de psicologia na literatura). É a história de três pecadores e de tudo o que decorreu de seus erros. Todos os personagens carregam muita dor e vivem deprimidos. O romance é uma mistura de alegoria e romance histórico e é considerado por muitos críticos o maior romance da literatura norte-americana.

SINOPSE
Em 1666, A Inglaterra se encontrava sob o domínio do rei Carlos II. Navios apinhados de gente aportavam a todo o momento no Novo Mundo. Pessoas vinham em busca de liberdade, fugindo da perseguição religiosa da terra natal, é sob esse momento histórico-cultural que se passa o filme que mostra em detalhes a situação da mulher na sociedade vigente. Em Massachussetts, Bay Colony, uma bela mulher (Demi Moore) casada com um médico (Robert Duvall) chega na localidade na frente do marido, com a incumbência de providenciar um lar para o casal. Mulher determinada, forte, destemida, moderna. Com essas características, a senhora Prynne chocava a sociedade local. Não se preocupava em esconder a cabeça ou o colo. Possuía conhecimento “de homem”, argumentava com qualquer um que tentasse impor-lhe regras descabidas. Essas atitudes escandalizavam os outros moradores da pequena cidade que olhavam-na com reprovação. Mas ela fica apaixonada por um reverendo (Gary Oldman), que tem por ela os mesmos sentimentos. No entanto, eles reprimem tais emoções pelo fato dela ser casada, mas quando ela supõe que seu marido foi morto pelos índios ela se sente livre e acaba ficando grávida do reverendo. Mas, como apesar de ficar presa e socialmente marginalizada ela se recusa a dizer o nome do pai da criança, passa então a portar um "A" de adúltera bordado em cores vermelhas em suas roupas, como símbolo de sua vergonha perante a sociedade local. O filme apresenta-se como um clássico da literatura estadunidense, a respeito de uma sociedade fortemente influenciada pelos ideais vitorianos ingleses de moral e sexualidade, com uma dose paradoxal de relativização e tolerância.  o fanatismo desenfreado da religiosidade daquele povo e o puritanismo exagerado da época. É um romance psicológico histórico que trata da interpretação da alma humana, características típicas do romantismo que apresenta marcas de uma época.
Trailer