Mostrando postagens com marcador deficiência. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador deficiência. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 22 de abril de 2021

O som do silêncio (Sound of Metal)

ASSUNTO

Deficiência auditiva, relações afetivas, familiares, sociais e de casal, autoconhecimento, aceitação, luto, resiliência.

SINOPSE

Em Sound of Metal, um jovem bateirista teme por seu futuro quando percebe que está gradualmente ficando surdo. Duas paixões estão em jogo: a música e sua namorada, que é integrante da mesma banda de heavy metal que o rapaz. Essa mudança drástica acarreta em muita tensão e angústia na vida do bateirista, atormentado lentamente pelo silêncio. Disponível no Prime vídeo. 

TRAILER

O OLHAR DA PSICOLOGIA

Mais do que esperamos de um filme, O SOM DO SILÊNCIO é uma experiência sensorial fantástica. Para quem não é fã do gênero Heavy Metal, o início do filme pode ser desestimulante.  A intensidade do show, logo na abertura, pode oferecer uma previsibilidade equivocada. Após o primeiro show, acompanhamos uma parte do cotidiano harmônico de Ruben com a namorada. Logo, tudo começa a mudar. Como já citado na sinopse, a perda , não tão gradual, da audição de Ruben é o fio condutor da trama, que nos convida a sentir o mesmo desconforto e angústia do protagonista. Entre sons e silêncios acompanhamos o processo de autoconhecimento e aceitação do protagonista. A perda da audição, como muitas outras, provoca a intensidade de movimentos em direção à recuperação do que foi perdido. O caminho trilhado pode nos transformar, adaptando-nos às novas condições, ampliando nosso potencial. Entretanto, o desapego é um tanto difícil, tal qual o processo de luto. Qualquer perda, ou mudança drástica, pode gerar o mesmo desconforto e a dificuldade no processo de aceitação. O filme estimula os sentidos do público, entre silêncios e sons, alinhavados com diferentes perspectivas. Para além da representatividade de surdos, o filme provoca diferentes reflexões, principalmente, no que se refere ao processo reintegração do ser diante de perdas ou transformações, que são inerentes à vida. Um tema pertinente, diante das mudanças impostas pela pandemia, momento em que a humanidade se depara com mudanças e perdas, que exigem elaboração, criatividade e aceitação. É um filme necessário, imperdível, espetacular! O texto a seguir pode conter spoiler, sugerimos ler após assistir ao filme.

domingo, 2 de dezembro de 2018

Margarita de canudinho


ASSUNTO

Paralisia cerebral, deficiência visual, descoberta da sexualidade, bissexualidade, relações afetivas, familiares e sociais.

SINOPSE

Laila (Kalki Koechelin) é uma adolescente indiana que tem paralisia cerebral. Ela estuda na Universidade de Delhi, escreve poesias e cria sons eletrônicos para uma banda indie da universidade. Laila se apaixona pelo vocalista e fica de coração partido quando é rejeitada. Ao lado de sua mãe (Revathy), ela deixa seu país para estudar na Universidade de Nova York, onde aproveita a oportunidade para exercitar sua independência. Lá, ela conhece uma jovem ativista (Sayani Gupta) em Manhattan e embarca em uma jornada de descobertas.

TRAILER


O OLHAR DA PSICOLOGIA

Que filme delicado, verdadeiro, esclarecedor, simples e inclusivo. A trama não pretende focar nas dificuldades da protagonista ou de outros personagens. Apesar dos obstáculos impostos por sua paralisia cerebral, ou pela deficiência visual da outra personagem, o foco está nas possibilidades de vida, apesar das adversidades. Como qualquer adolescente, Laila enfrenta questões muito comuns aos seus pares. Ela se apaixona, tem desejos, dúvidas, paixões e decepções. As experiências dela são verdadeiras, simplesmente acontecem e ela faz novas descobertas. A sutileza das cenas é incrível, transformando suas descobertas sexuais, desde a masturbação ao ato, em acontecimentos naturais. Não há classificação, exploração ou crítica, eles simplesmente fazem parte da vida. Simples assim. O espectador acompanha gestos sutis, ouve sons, descortina seu desabrochar, sem que sua privacidade seja desrespeitada. Um olhar delicados sobre as questões dela, sejam afetivas ou sexuais, é uma constante no longa, que encanta em sua simplicidade. Outros mundos se revelam para Laila, a cada novo encontro, novos vínculos, novas experiências. Preconceitos e tabus são desnudados na telona, com uma leveza sedutora, delicada e única. Seu encontro com Khanum, uma deficiente visual, ampliam seu mundo.

terça-feira, 12 de julho de 2016

Como eu era antes de você


ASSUNTO
Relações afetivas,  deficiência física, singularidade, livre-arbítrio, e, dos conceitos gestálticos, destacamos: Contato e fronteira de contato.

SINOPSE
Às vezes você encontra o amor onde menos imagina. E às vezes ele te leva onde nunca esperou ir. Louisa "Lou" Clark vive em uma pitoresca cidade de campo inglesa. Sem direção certa em sua vida, a criativa e peculiar garota de 26 anos vai de um emprego a outro para tentar ajudar sua família com as despesas. Seu jeito alegre no entanto é colocado à prova quando enfrenta o novo desafio de sua carreira. Ao aceitar um trabalho no "castelo" da cidade, ela se torna cuidadora e acompanhante de Will Traynor, um banqueiro jovem e rico que se tornou cadeirante após um acidente ocorrido dois anos antes, mudando seu o mundo dramaticamente em um piscar de olhos. Não mais uma alma aventureira, mas o agora cínico Will, está prestes a desistir. Isso até Lou ficar determinada a mostrar a ele que a vida vale ser vivida. Embarcando juntos em uma série de aventuras, Lou e Will irão obter mais do que esperavam e encontrarão suas vidas - e corações - mudando de um jeito que não poderiam ter imaginado.
Rico e bem sucedido, Will (Sam Claflin) leva uma vida repleta de conquistas, viagens e esportes radicais até ser atingido por uma moto, ao atravessar a rua em um dia chuvoso. O acidente o torna tetraplégico, obrigando-o a permanecer em uma cadeira de rodas. A situação o torna depressivo e extremamente cínico, para a preocupação de seus pais (Janet McTeer e Charles Dance). É neste contexto que Louisa Clark (Emilia Clarke) é contratada para cuidar de Will. De origem modesta, com dificuldades financeiras e sem grandes aspirações na vida, ela faz o possível para melhorar o estado de espírito de Will e, aos poucos, acaba se envolvendo com ele.

TRAILER


O OLHAR DA PSICOLOGIA

Um filme que difere de outros romances, não só por seu desdobramento, mas também por pequenos detalhes que fazem diferença. Por exemplo, o início mostra o “mocinho” antes e durante o acidente, que o tornará tetraplégico. No momento do atropelamento, Will estava distraído no celular. A cena pode passar despercebida, mas não deixa de retratar uma realidade da nossa era, portanto, trata-se de um alerta ou de uma crítica sutil. Por outro lado, temos personagens fortes, capazes de nos provocar reflexões. Louise é dedicada, atrapalhada, quase caricata, mas não há dúvida que tratamos de uma pessoa capaz de realizar verdadeiros contatos. Se por um lado, a mesma se vira para atender às necessidades do próximo, sua identidade fica bem definida em seu comportamento autêntico.  Na abordagem Gestáltica a fronteira é ao mesmo tempo o lugar de contato e de imite, é o lugar da tensão e do acontecimento, da diferença e do crescimento. Poucos personagens apresentam a fronteira tão flexível quanto à da “mocinha”, que nos encanta com sua forma de funcionar no mundo. Ela não abre mão de suas roupas estranhamente simpáticas, que marcam sua presença. No entanto, abre mão de si mesma para dar lugar ao outro querido, seja um familiar ou qualquer pessoa que evidencie alguma necessidade pessoal. É uma personagem ímpar! Will é alguém que não suporta ver o mundo de outra perspectiva. O acidente o obriga a visitar outros olhares, ele se recusa. Após sua nova condição, Will apresenta sintomas depressivos, um mau humor constante, um desprezo pela vida. A luz de Lou pode tornar o mundo menos cinza e apresentar encantamento ao rapaz, mas não é suficiente para que ele desista de seu plano. Ainda assim, somos convidados a assistir uma relação de contato entre ambos, que sendo afetados por aquele contato autêntico, se transformam. O afeto é oque afeta e se arrisca a ser afetado, o que, de fato, transforma. Ampliados em sua forma singular de existir, ambos crescem através daquele contato.

quinta-feira, 24 de março de 2016

A linguagem do coração

ASSUNTO
Deficiência auditiva e visual, limite, relação terapêutica,familiar, afetiva e aprendizagem.

SINOPSE
Final do século XIX, França. Marie Heurtin (Ariana Rivoire) é uma moça que nasceu cega e surda. Vivendo em seu próprio mundo, sem conseguir se comunicar, o pai dela a manda para um convento que cuida de crianças surdas. Entretanto, devido à falta de condições para tratá-la, a madre superiora (Brigitte Catillon) a recusa. Graças à insistência da freira Marie Margueritte (Isabelle Carré), que diz que pode cuidar dela apesar de seu problema de saúde, a madre superiora volta atrás em sua decisão. Só que fazer com que Marie aprenda questões básicas de higiene e convívio com outras pessoas não é uma tarefa nem um pouco fácil.

TRAILER

O OLHAR DA PSICOLOGIA
Logo, o filme “Helen Keller e o Milagre de Anne Sullivan” foi lembrado, pois em ambos há a relação entre a criança com deficiência visual/auditiva com alguém que se disponibiliza a conectá-la ao seu entorno. Entretanto, o contexto familiar difere muito. Enquanto Helen tinha uma família que colaborava para seu isolamento, Marie tem outro contexto. Diante da situação de isolamento da filha, é o pai quem tem a iniciativa de buscar ajuda para socializá-la. A família tem consciência da necessidade de inserir a filha no universo social e na aprendizagem. Aqui, falamos de uma criança igualmente isolada, com um mundo próprio e um comportamento arredio, muitas vezes “animalesco”. Baseado em uma história real do final do século XIX, o longa apresenta a irmã Marie Margueritte, que embora tenha problemas de saúde, encontra naquela criança uma oportunidade de sua frágil vida ganhar sentido.  Socializar e educar aquela criança passa a ser um desafio para a religiosa, que enfrenta a madre superiora e as reações agressivas da menina, sem esmorecer. As cenas de confronto durante o processo trazem, a cada dia, um novo desafio, muitas vezes tornando sua tarefa um projeto aparentemente inviável. Ainda assim, apesar de todos os obstáculos e as repetidas reações agressivas, a irmã não desiste. Durante o processo de adaptação, a trama ressalta a importância do aprendizado da linguagem para o desenvolvimento do ser humano. A diferença aqui é que além do campo afetuoso da relação, temos também o aspecto religioso na construção da relação que liberta Marie do isolamento. A grandiosidade das cenas está na exploração dos sentidos, particularmente do tato, que aos poucos se torna um meio de comunicação primordial para ambas. Sim, Margueritte também aprende no encontro. Um dos aspectos mais bonitos na construção da relação entre ambas é a curiosidade da irmã em relação ao universo da criança. Ela tenta compreender como seria viver sem ouvir e sem ver, para partir de onde está a criança, de que lugar ela percebe o mundo. A empatia necessária para a criação do vinculo fica evidente. Tal aspecto torna a relação bastante terapêutica”, pois não há possibilidade de obter êxito numa relação psicoterapêutica, por exemplo, se o ponto de partida não for o lugar de onde a cliente se encontra no momento terapêutico. A incapacidade do profissional de perceber este lugar pode inviabilizar o processo terapêutico. A criança percebe o mundo desconhecido como hostil, tornar o universo social algo acessível e possível, ampliar o universo da criança (por consequência, também o seu), torna-se objetivo para a irmã.

sábado, 22 de agosto de 2015

Um momento pode mudar tudo

clip_image002ASSUNTO
Esclerose lateral amiotrófica (ELA), relações familiares, afetivas e sociais, polaridades.
SINOPSE
Kate (Hilary Swank) é uma pianista clássica sofisticada, casada, extremamente bem-sucedida e recém-diagnosticada com ELA (esclerose lateral amiotrófica, também conhecida como doença de Lou Gehrig). Bec (Emmy Rossum) é uma estudante impertinente e aspirante a cantora de rock que mal consegue dar conta caos que é a sua vida, tanto no aspecto romântico quanto em outras áreas. Conforme a doença de kate avança, seu casamento com Evan (Josh Duhamel) se deteriora. Quando Bec consegue o emprego para dar assistência a Kate, ambas passam a se apoiar em algo que se torna um laço não convencional. Como está sem objetivo, Bec está determinada a se tornar uma sombra íntima de Kate, passando por situações confusas e embaraçosamente cômicas. À medida que a cautelosa e voluntariosa Kate começa a se contagiar com o turbilhão e o espírito livre que é Bec – e vice versa – ambas acabam encarando arrependimentos, explorando novos territórios e expandindo suas ideias sobre quem realmente querem ser.
TRAILER

O OLHAR DA PSICOLOGIA
O título em inglês You're Not You (Você não é você), o que nos remete a ideia de não haver uma definição precisa sobre quem ou o que pensamos ser, sobre a transitoriedade da vida,que acontece num “vir a ser” constante. A doença de Kate se torna um marco para reflexão sobre sua existência, que não corresponde mais a um simples rótulo. Já em português, o título parece enfatizar a ruptura ocorrida na vida de Kate após ser diagnosticada com Esclerose Lateral Amiotrófica - (ELA) - uma doença degenerativa do sistema nervoso, que acarreta paralisia motora progressiva, irreversível, de maneira limitante. Quando os primeiros sintomas surgem, Kate vivencia o sonho de consumo de muitos, ela é bem casada e bem sucedida, tanto profissional como afetivamente. A vida estava sob controle até então. Ela perde sua autonomia, dependendo de outro para os pequenos movimentos, o que compromete também sua capacidade de escolha. Após serem apresentados os primeiros sintomas, o filme retrata um tempo depois, momento no qual ela se vê dependente do marido para quase tudo. Logo, é possível constatar sua dificuldade em aceitar a doença.

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Helen Keller e o Milagre de Anne Sullivan

 
clip_image001ASSUNTO
Deficiência auditiva e visual, limite, relações familiares, afetivas e aprendizagem.
SINOPSE
A incansável tarefa de Anne Sullivan, uma professora, ao tentar fazer com que Helen Keller, uma garota cega, surda e muda, se adapte e entenda (pelo menos em parte) as coisas que a cercam. Para isto entra em confronto com os pais da menina, que sempre sentiram pena da filha e a mimaram, sem nunca terem lhe ensinado algo nem lhe tratado como qualquer criança.
O filme The Miracle Worker (sem distribuição no Brasil, produzido para TV em 2000 nos EUA, dirigido por Nadia Tass) é um "remake" de dois filmes sobre o mesmo tema: "The Miracle Worker", produzido em 1962, dirigido por Arthur Penn, distribuído no Brasil com o título O Milagre de Anne Sullivan; e "The Miracle Worker", também produzido para TV em 1979, dirigido por Paul Aaron, que em 1984 teve ainda uma sequencia com o título "Helen Keller, The Miracle Continues".
TRAILER
image
O OLHAR DA PSICOLOGIA
O filme retrata uu período da história de vida de uma menina cega e surda. O nome dela era é Helen Keller, de sete anos, filha de proprietários de terras. Ela não sabia o que era mundo e não sabia como interpretá-lo, e apesar disso tudo, ela precisava muito se expressar. A trama retrata uma parte da história da menina, depois dela já ter perdido a visão e a audição. A família, por sua vez, após tê-la quase perdido, faz todas as vontades que pensam ser dela. Hellen, por sua vez, se parecia com um animal agressivo, ela chutava, mordia, cuspia, sem conseguir se comunicar. Foi o desespero, o limite diante dos espetáculos grotesco da criança, que favoreceu a descoberta de Anne Sullivan, a professora de métodos pouco convencionais, que surge para disciplinar, domesticar e educar a menina. Ela foi cega (fez nove cirurgias nos olhos) e usa óculos escuros para proteger-se do sol. Ao se deparar com Helen, entende que ali está o maior desafio da sua vida: o desafio de explicar a uma menina como viver no mundo e como entende-lo. Para isto entra em confronto com os pais da menina, que sempre sentiram pena da filha e a mimaram.

domingo, 21 de setembro de 2014

Hoje eu quero voltar sozinho

clip_image001ASSUNTO
Adolescência, Deficiência visual, sexualidade, homossexualidade, autoconhecimento, amor, relações afetivas e familiares.
SINOPSE
Leonardo (Guilherme Lobo), um adolescente cego, tenta lidar com a mãe superprotetora ao mesmo tempo em que busca sua independência. Quando Gabriel (Fabio Audi) chega na cidade, novos sentimentos começam a surgir em Leonardo, fazendo com que ele descubra mais sobre si mesmo e sua sexualidade.
TRAILER
image
O OLHAR DA PSICOLOGIA
O filme ultrapassa os temas homossexualidade e deficiência visual, ao tratar de um assunto comum ao ser humano: o primeiro amor. Entretanto, a adolescência já é um momento difícil, no qual os conflitos estão presentes nas pequenas coisas. Assim, como qualquer adolescente, que sente a necessidade de se autoafirmar, Leonardo encontra obstáculos dentro e fora de casa. Os afetos e desafetos são retratados com suavidade, clareza e naturalidade. Poucos adolescentes não sentem, em algum momento, o peso da diferença (ou diferenciação) em confronto com a necessidade de “pares”, durante o processo de construção da própria identidade. Sua mãe é superprotetora, seu desejo é evitar o sofrimento do filho. Quantas mães fazem o mesmo, muitas vezes prejudicando a autonomia do filho? Muitas vezes, por diversas razões, os pais limitam ou tentam limitar o desenvolvimento dos filhos, sem que percebam onde, de fato, é o limite. Não é preciso ter uma deficiência física. Faz parte do processo, o filho descobrir onde é seu limite no conflito, na tensão. Não há crescimento sem confronto. A descoberta da própria sexualidade de Leo acontece naturalmente, junto a outras situações previstas neste rito de passagem. O mais interessante, é a capacidade que a trama tem de tratar de tabus como a deficiência visual e o homossexualismo sem ceder lugar ao preconceito. Até o bullying é mostrado sem alarde, o foco continua a ser a descoberta do amor, da amizade, das emoções que emergem nas relações. De forma simples, gentil, delicada e terna, a trama encanta aos espectadores de todas as idades. A suavidade com que trata dos temas propostos é encantadora, sem polemizar nenhum dos assuntos, as coisas apenas são o que são, simples assim! Não se trata de um drama, nenhuma polêmica, apenas a vida como ela é, sendo vista através de um olhar terno. Talvez, uma das peculiaridades mais charmosas do filme, esteja na descoberta do amor sem a visão, há apenas o sentir. É inegável a intensidade do contato com as próprias sensações. É claro que Gabriel também faz contato com suas sensações de forma intensa. E a cena que evidencia o inicio para ele acontece através da visão. Ele se contém ao ver seu amigo com outros olhos, ele se afasta e talvez fique aliviado por não ser visto. Doce, confuso, inseguro, ambíguo. No final das contas, é apenas amor, o amor é o que importa, toda e qualquer forma de amor.







sábado, 26 de abril de 2014

Os melhores dias de nossas vidas

clip_image001ASSUNTO
Relações sociais, afetivas e familiares. Distrofia Muscular de Ducchene, paralisia cerebral, intolerância, diferenças, cuidador e alguns conceitos da abordagem Gestáltica.

SINOPSE
Rory (James McAvoy) é um jovem rebelde, bem-humorado, que fala o que pensa, não liga para as convenções sociais, nem para nada, nem para ninguém. Seu oposto é Michael (Steven Robertson), que sempre levou uma vida completamente sem graça e enfadonha. O que estas duas pessoas tão diferentes poderiam ter em comum? A resposta é cruel: Rory é tetraplégico e Michael tem paralisia cerebral. Descontentes com as 'regras da vida', estes dois amigos inusitados planejam deixar a instituição onde estão internados com a ajuda de Siobhan (Romola Garai) para que eles finalmente atinjam seus objetivos: viver a vida em toda sua intensidade. Mas quais as surpresas que o mundo fora dos portões da instituição irão revelar aos dois rapazes.
TRAILER
 
O OLHAR DA PSICOLOGIA
clip_image003Um dos aspectos mais interessantes do filme é a oportunidade que ele oferece de refletirmos sobre os rótulos que usamos nas pessoas. É comum pensarmos em pessoas com necessidades especiais como pessoas “deficientes”, com tendência a esquecermos da parte “pessoa”. Uma pessoa com necessidades especiais é antes de tudo uma pessoa! Como tantas outras, a pessoa em questão têm diversas outras necessidades, desejos, funcionalidades e formas que vão compor sua personalidade. Falando em personalidade, isso é o que não falta em Rory, um rapaz rebelde que é portador de “Distrofia Muscular de Duchene”. Ele não é tetraplégico, trata-se de uma doença genética que afeta somente ao sexo masculino. O portador desta doença tem uma degeneração muscular durante a vida, o que levou Rori para a cadeira de rodas. Falaremos mais sobre a doença depois, agora, voltemos ao filme. Rori é desprendido, audacioso, quer curtir a vida, como e enquanto for possível, ele não aceita ser limitado além do que a própria doença impõe. Ao ser internado em uma instituição para pessoas com necessidades especiais, ele conhece Michael, um rapaz introvertido com paralisia cerebral. Ao contrário de Roni, Michael é quieto, conformado com a vida que tem levado. Até então, o que fazia parte de seu mundo era o seu cotidiano enfadonho, repetitivo e limitado. Sua dificuldade em se comunicar fazia com que vivesse ainda mais isolado de que o necessário. Suas dores não tinham espaço além do silêncio e o conformismo diante daquilo que conhecia como vida.

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Khamoshi

clip_image001

ASSUNTO
Deficiencia auditiva, relações afetivas, familiares e sociais, preconceito.
SINOPSE
1996 -Khamoshi conta a história de uma família dividida entre o silêncio e a música. Joseph (Nana Patekar) e Flavy (Seema Biswas) são um casal de surdo-mudos, e sua filha Annie(Manisha Koirala) é uma cantora talentosa e apaixonada por música que tem que cuidar dos pais. Após conhecer o compositor musical Raj (Salman Khan) ela se vê dividida entre dois mundos diferentes.
TRAILER
O OLHAR DA PSICOLOGIA
Depois de seduzida e surpreendida por alguns filmes indianos, como TODA CRIANÇA É ESPECIAL, 3 IDIOTAS e MEU NOME É KHAN, descobri alguns sites e/ou páginas de Orkut que disponibilizam alguns filmes indianos para baixar. Assim, tenho obtido novas surpresas, de filmes velhos ou novos, brindando essa forma peculiar indiana de fazer filmes. Ainda que não consiga imaginar a variedade de temas discutidos em seus filmes e os diversos estúdios de filmes indianos que nos são negados, opto por compartilhar aqueles que considero interessantes, no que tange a psicologia. Kamoshi é um filme sensível que compartilha as angústias e conquistas de Annie, a filha de dois surdo-mundos. Seus pais vivem em Goa, superando obstáculos e dificuldades sociais para formarem sua família. O casal conta com a ajuda de Maria, a avó, que não só auxilia na educação das crianças, Annie e Sun, como também os apresenta o universo da música. Ainda jovem, Annie perde o irmão e a avó, o que faz com que ela se torne a voz dos pais, se afastando da música por muito tempo. Já adulta, ao se apaixonar, Annie faz as pazes com a música através de Raj. Ainda que seus pais tenham se afastado da igreja desde a morte do filho, Annie mantém sua ligação e tenta fazer uma ponte entre o universo silencioso de seus pais e o mundo de sons e melodias capazes de tocar o coração. Os dramas dessa família envolve não apenas as dificuldades devido a deficiência auditiva dos pais, mas, principalmente, do isolamento causado pelo desrespeito às diferenças. A trama tem um toque indiano, ao apresentar romance, drama, musical, e, até comédia em um único filme, sem que nenhum dos estilos predomine ou torne a experiência cansativa. É um filme emocionante, sensível e rico, que discute o preconceito sob diferentes perspectivas, além de falar de intolerância com as diferenças, e, a sobrecarga emocional que pais podem delegar aos filhos, quando querem impor sua forma pessoal de ver o mundo aos seus.



domingo, 2 de junho de 2013

Em frente da classe/O líder da classe/O primeiro da classe

ASSUNTO
Síndrome de Tourette, educação/ensino, diferenças, Abordagem Gestáltica (Teoria Paradoxal da mudança), Superação e preconceito.
SINOPSE
2008 - O filme (Front of the Class - O líder da Classe ou O Primeiro da Classe) mostra o preconceito que Brad Cohen (Jimmy Wolk) sofreu por toda a sua vida por fazer esses "barulhos" estranhos devido a Sindrome de Tourette. As pessoas não entendiam, achavam que era uma brincadeira de mal gosto e o desprezavam e o castigavam por isso (inclusive o seu próprio pai o maltratava). Mas ele não se deixou abater e mostrou que era superior a qualquer tipo de preconceito e então resolveu dar aulas para crianças, coisa que ele amava e sempre sonhou em fazer. E se tornou o professor mais amado entre seus alunos. Esse filme narra a história de vida de Brad Cohen(Jimmy Wolk),que tem Síndrome de Tourette(é um distúrbio neurológico que faz com que o corpo perca o controle e a pessoa com essa doença tem tiques nervosos) e mesmo assim ele não deixa que essa deficiência o vença. Desde os 6 anos,ele tem esse problemas, mas sua mãe sempre o incentivou a ter uma vida como a de todo mundo, não é por conta do Tourette que ele não podia ter uma vida comum. Foi um diretor que o fez ser aceito na escola e pela ignorância dos professores que ele teve na vida, decidiu o ser o professor que ele nunca tinha tido. Ele adora ensinar o mais importante: que nada nunca o impediu de viver. Baseado em fatos reais,hoje em dia o verdadeiro Brad é casado com Nancy, fez seu mestrado e faz o que ele ama fazer: dar aulas.
TRAILER

O OLHAR DA PSICOLOGIA
O filme conta a história de Brad Cohen, um professor dos Estados Unidos que "sofreu" muito mais com o preconceito, do que com a síndrome de Tourette, um transtorno neuropsiquiátrico que o acompanhou desde os seis anos. Sobre a doença, Brad insiste em dizer que foi sua companheira desde os seis anos, e, também a principal responsável por ele se tornar um professor “de verdade”. A história dele não se distancia muito das de outras pessoas com formas “diferentes” de ser. Aqui falamos de diversas formas de funcionar no mundo, seja por aquilo que chamamos de doença, ou sexualidade, cor, crença, etc. Neste aspecto, o filme é uma lição de vida, pois nos alerta sobre o perigo de qualquer tipo de preconceito ou estigma. De fato, o enredo nos chama a atenção sobre o quanto a reação social às diferenças podem provocar o agravamento de “doenças”, e, em alguns casos, até resultando em distúrbios até então inexistentes. A obra é um presente que nos conduz a discussões e reflexões importantes sobre relações familiares, afetivas, sociais,  professor/aluno, diferenças, preconceitos, relação terapêutica e Abordagem Gestáltica.

quarta-feira, 1 de maio de 2013

Ferrugem e osso

 

clip_image002ASSUNTO

Relações afetivas, familiares e sociais, superação, auto-suporte, resiliência.

SINOPSE

De repente, ALI (Matthias Schoenaerts) se vê tendo que cuidar sozinho de uma criança de cinco anos. Ele mal conhece o seu filho SAM (Armand Verdure). Sem casa, sem dinheiro e sem amigos, Ali vai morar com sua irmã ANNA (Corinne Masiero) em Antibes, no sul da França. Tudo começa a melhorar imediatamente. A irmã hospeda os dois na garagem, ela cuida do sobrinho e a temperatura é magnífica. Ali, um homem alto e forte, vai trabalhar como leão de chácara em uma boate. Durante uma briga, ele ajuda Stéphanie (Marion Cotillard). Distante e linda, Stéphanie parece inatingível, mas Ali, franco e direto, consegue deixar o seu número de telefone com ela. Stéphanie é treinadora de baleias orca, em Marineland. Quando uma apresentação termina em tragédia, um telefonema os junta mais uma vez. Quando Ali volta a se encontrar com Stéphanie, ela está presa a uma cadeira de rodas, por ter perdido ambas as pernas e algumas ilusões. Stéphanie passa a depender da força física de Ali e ele, por sua vez, passa a admirar a força de vontade de Stéphanie. E Stéphanie volta a querer viver. À medida que a história de vida dos dois começa a se encontrar e a se separar, eles entram em um universo onde a beleza, a juventude e o sangue são considerados produtos, mas no qual a confiança, a verdade, a lealdade e o amor não podem ser comprados ou vendidos e a coragem aparece de várias formas.

TRAILER

Existe a possibilidade de assitir online, mas tenha cuidado, contém cenas de sexo explícito, é indicado para maiores.  Se você  é maior de idade, clique aqui para assitir.

O OLHAR DA PSICOLOGIA

Eu já o tinha em minha fila de filmes para assistir, quando a colega Renata Rodrigues postou no meu face: “Ferrugem e Osso é um filme belíssimo e apresenta com profundidade duas almas perturbadas procurando por salvação e aprendendo a sobreviver. É tocante ver o quanto pode nascer algo sincero entre duas pessoas destruídas pelas circunstâncias impostas pela vida e pelas escolhas que elas abraçaram, encontrando um no outro a compreensão que o mundo não lhes ofereceu. É um filme denso e complexo, doloroso justamente por ser sensível. Não é um filme de fácil digestão, contudo, ele merece ser visto por todos... Ultra recomendado!”. Então, duplamente indicado, não tive outra alternativa, escolhi assistir logo. Logo, o que mais me chamou atenção foi um termo muito difundido na psicologia: resiliência. Este conceito psicológico, emprestado da física, é a capacidade que um indivíduo ou uma população apresenta, após momento de adversidade, conseguindo se adaptar ou evoluir positivamente frente à situação. O conceito surgiu na física e nada mais é do que a capacidade de alguns materiais voltarem ao estado natural depois de terem passado por uma tensão extrema. Ou seja, é a capacidade de o indivíduo lidar com problemas, superar obstáculos ou resistir à pressão de situações adversas - choque, estresse etc. A capacidade de resiliência envolve uma tomada de decisão, é quando alguém depara com um contexto entre a tensão do ambiente e a vontade de vencer. Essas decisões propiciam forças na pessoa para enfrentar a adversidade. Assim entendido, pode-se considerar que a resiliência é uma combinação de fatores que propiciam ao ser humano condições para enfrentar e superar problemas e adversidades. Durante o processo terapêutico, um dos objetivos é despertar a capacidade de resiliência do cliente.

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Intocáveis

clip_image001 ASSUNTO
Amizade, superação, inclusão social, relação terapêutica, relações afetivas, familiares e sociais.
SINOPSE
Philippe (François Cluzet) é um aristocrata rico que, após sofrer um grave acidente, fica tetraplégico. Precisando de um assistente, ele decide contratar Driss (Omar Sy), um jovem problemático que não tem a menor experiência em cuidar de pessoas no seu estado. Aos poucos ele aprende a função, apesar das diversas gafes que comete. Philippe, por sua vez, se afeiçoa cada vez mais a Driss por ele não tratá-lo como um pobre coitado. Aos poucos a amizade entre eles se estabelece, com cada um conhecendo melhor o mundo do outro.
TRAILER
O OLHAR DA PSICOLOGIA
O filme é de-li-ci-o-so! Fiquei refletindo sobre o início do filme e a tal da “primeira impressão”. Será mesmo boa essa coisa de “a primeira impressão é a que fica”? Pois é, definitivamente, não!
 Em Gestalt-terapia, nós estamos muito atentos ao contexto do cliente. Quando falamos em “contexto” e em “aqui-e-agora”, poucos são capazes de compreender tais conceitos. A cena inicial do filme apresenta dois personagens que sem contexto nos parecem irresponsáveis, dando a impressão de que assistiremos um filme de ação, tipo dupla de anti-heróis que irão aprontar muito.
Um deles é tetraplégico e o outro um jovem claramente habituado com as malandragens das ruas, nos favorecendo a ideia de que um é o cérebro e o outro a ação de muitas aventuras eletrizantes que estão por vir.. Ledo engano. O contexto é muito mais do que parece num primeiro olhar. De fato, falamos de um aristocrata tetraplégico e um ex-presidiário, mas o contexto nos oferece muito mais.

quinta-feira, 7 de junho de 2012

Benny & Joon - Corações em Conflito

clip_image001 ASSUNTO
Autismo, relações afetivas, relações familiares, potencialidade, diferença.

SINOPSE
Joon (Mary Stuart Masterson) é irmã mais nova de Benny (Aidan Quinn), quando eram crianças seus pais morreram, isso foi um trauma para Joon, que é portadora de problemas psicológicos. O filme começa com os dois já adultos, Benny cuida de Joon, evitando ao máximo a ideia de enviá-la para um hospital especializado, mas Joon não colabora, fazendo com que nenhuma governanta pare na casa. Quando Benny perde uma aposta, ele tem que fazer um favor a um amigo e trazer o excêntrico Sam para a sua casa. Sam (Johnny Depp) não é muito comum, mas acaba funcionando como “governanta” da casa, mesmo que seja de seu jeito torto. Sendo fascinado por filmes antigos, ele acaba virando o par perfeito para Joon. Sam e Joon se apaixonam e, pela primeira vez, Benny se vê com ciúme da irmã, com medo de perdê-la, mas tendo que aceitar que ela pode querer ter a sua própria vida.
TRAILER
O OLHAR DA PSICOLOGIA

Desde quando iniciei Psicologia & Cinema, venho me surpreendendo com alguns atores .que trazem em sua bagagem mais filmes com temáticas psicológicas do que eu poderia imaginar. Johnny Depp é um deles. Neste filme, Deep faz Sam, um jovem sensível e pouco convencional, que traz para o mundo real seu encanto pelos personagens do cinema mudo. O filme não é muito conhecido, mas nem por isso menos importante. A relação dos irmãos é o ponto de partida o desenvolvimento da trama. Desde a morte dos pais, Benny cuida de sua irmã Joon, portadora de um transtorno psicológico que requer maiores cuidados. Joon apresenta alguns sintomas que sugerem o diagnóstico de autismo. Independente do psicodiagnóstico, o que se revela como destaque é, de fato, a importância das relações. Para Benny, é difícil imaginar que sua irmã possa ter alguma autonomia.

sexta-feira, 18 de março de 2011

Simples como amar

simples como amar ASSUNTO
Relações familiares, afetivas, sociais, sexualidade, deficiência.
Carla Tate é a "outra irmã" ,do título original de Simples Como Amar . O filme trata de questões corriqueiras na vida e de pessoas especiais (em todos os sentidos da palavra), fala de preconceito, de relações entre pais e filhos, de super-proteção da família, de sexualidade, de diferenças... Somos sim todos diferentes. Mas também temos muita coisa em comum. A Carla quer as mesmas coisas que todos os jovens querem. Quer autonomia, quer independência, quer se descobrir, quer superar seus limites. E todos têm limitações, cada um tem a sua. Há uma ligação entre a super-proteção da mãe e o preconceito dela em relação às filhas. Ela não aprova nem concorda com as escolhas das filhas, é preconceito? Elas estão recebendo críticas exatamente de onde deveria vir suporte. Ela sufoca a filha porque acha que ela é incapaz, não acredita no potencial da filha. E o que dizer da filha homossexual...
A mãe Elizabeth se martiriza por ter afastado Carla por tanto tempo da família, mas insiste em adequá-la às convenções da alta sociedade. Torna-se uma presença insuportável (também para o espectador), tentando histericamente proteger a filha dos males do mundo, enquanto o pai Bradley (tenta conciliar as coisas. As outras irmãs são estereótipos bem marcados, a bem casada, acomodada e a lésbica, sempre prontas a defender a irmã contra a rigidez materna. Carla enfrenta a mão, não aceita seus moldes e se constitui como ser em sua singularidade. O filme nos toca como filhos e pais de uma forma leve, nos fazendo refletir sobre amor e seus limites na relação com o outro, independente do quão especial esse outro é. Afinal, a singularidade de cada um é que o torna especial!
SINOPSE
1999 - Após passar alguns anos em uma escola especial, Carla Tate (Juliette Lewis) foi "graduada" e poderá voltar para casa de seus pais em São Francisco. Carla voltou para casa, cheia de planos e sonhos. O problema é sua superprotetora mãe (Keaton), que é incapaz de aceitar a sua liberdade. E mesmo que Carla tenha crescido e superado as dificuldades, sua mãe entra em estado de choque quando a garota conhece Danny (Ribisi) e se apaixona pela primeira vez! Mas, apesar de ser intelectualmente limitada, Carla planeja morar sozinha, ter uma vida independente e também se libertar da presença da mãe, que a vigia de forma sufocante. Este desejo de ter seu próprio apartamento é aumentado quando conhece Danny McMann (Giovanni Ribisi), um jovem que como ela é mentalmente "lento", mas mora sozinho. Em pouco tempo Carla e Danny estão namorando e já pensam em se casar.
TRECHOS DO FILME
O inicio do namoro
O primeiro encontro

domingo, 21 de novembro de 2010

O oitavo dia

o oitavo dia ASSUNTO
Síndrome de Down, Relações afetivas, familiares e sociais.
Seu argumento trata da negação da humanidade frente àquele que não é a nossa imagem. No filme, esse susto no espelho é representado por um portador da Síndrome de Down. O filme aborda, pela primeira vez no cinema, o mundo construído a partir do ponto de vista de alguém que é visto como limitado e rude pela cultura ocidental: o portador de deficiência mental. O encontro desse mundo com o mundo empresarial, representado por um alto executivo da área de recursos humanos, setor de vendas, coloca em choque todo o sistema de vida deste (e, portanto, de nossa escala de valores ocidental) e serve de ponto de partida para uma exposição de situações diversas decorrentes do fechamento psicológico ao insólito e a tentativa, tão ocidental, de formatação do ser humano. O presente filme nos remete a várias questões que permeiam o universo das pessoas portadoras de necessidades especiais bem como de seus familiares, sem nos esquecermos é claro, da sociedade que o “acolhe”.
SINOPSE
Harry (Daniel Auteuil) é um empresário estressado, que trabalha no departamento comercial de um banco belga e foi abandonado por sua esposa e filhas há pouco tempo. Deprimido, ele se dedica ao trabalho durante os 7 dias da semana. Até que um dia ele decide vagar pelas estradas da França, sem rumo definido. Após quase atropelar Georges (Pascal Duquennes), o encontro acontece: Um homem com Síndrome de Down cuja mãe morreu e um ocupado homem de negócios, divorciado e sem a posse dos filhos, que não querem mais lhe ver. Os dois acabam desenvolvendo uma amizade especial.
CENAS DO FILME

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Meu pé esquerdo

Ameu pé esquerdo SSUNTO
Deficiência física, superação, preconceito, inclusão.
Não há como deixar de aprender com histórias como a de Brown, que as condições de adversidade representadas por uma paralisia cerebral ou pelo atrofiamento de um dos membros são impedimentos apenas em nossa própria cabeça e que, esforço, dedicação e solidariedade são elementos que podem promover autênticos milagres. O filme não é só mais uma história de auto-superação, é um clássico desses que ensinam e ao mesmo tempo constrangem, pois que dotados de alta dose de sensibilidade, verdade e genialidade. Entretanto, com muito esforço e persistência, unindo a vontade de viver com necessidade de se expressar, ele consegue atingir seu principal objetivo, ser visto e tratado com igualdade.A arte foi para ele, a forma mais coerente de se expressar, de transmitir seus sentimentos e de provar sua autonomia para todos que o viam como um “pobre vegetal”, pois foi através da literatura e da pintura, principalmente dessa última, que ele se revelou e conseguiu atingir o interior das pessoas, conseguiu também, transpor preconceitos, propalar seu drama e além de conquistar o respeito da comunidade encontrou um meio para sobreviver financeiramente.
SINOPSE
No papel em que merecidamente ganhou o Oscar® , Daniel Day-Lewis* tem uma interpretação "inteligente, engraçada e leve" (Los Angeles Times) no papel de Christy Brown, escritor, poeta, pintor... e vítima de paralisia cerebral. Em uma história que "explode com paixão, humildade e vida", Meu Pé Esquerdo revela-se uma "conquista de enormes proporções" (Rex Reed)!
O 10º de um total de 22 filhos de uma família pobre irlandesa, Christy sofre de paralisia cerebral tão grave que por vários anos ele é considerado um "tonto". Mas em uma luta apaixonada, ele utiliza o único membro sobre o qual conseguiu algum controle - seu pé esquerdo - para escrever um apelo para a única pessoa que pode ajudá-lo a conseguir desenvolver seu potencial: "Mãe". Essa é a primeira de muitas palavras - e trabalhos - que Christy irá utilizar para superar sua amarga solidão, raiva e sexualidade reprimida para assombrar o mundo com o talento sem paralelo - e felizmente revelado - de um verdadeiro artista. .
TRAILER

Meu nome é Rádio

meu nome e radio ASSUNTO
Deficiência mental, intelectual, inclusão
O filme retrata as dificuldades que um portador de deficiência passa no seu dia a dia, na tentativa de integração ao meio social. O autor denuncia antes de tudo a exclusão social que faz com que as pessoas que apresentam necessidades especiais fiquem à margem da sociedade e sejam vistas como alguém que tem uma doença contagiosa, ou que cometeu um crime hediondo ou ainda que não tem a menor importância e capacidade. A trama expõe o lado discriminador de todos nós. A abordagem ocorre em torno da incapacidade humana de compreender o seu próximo, respeitá-lo e verdadeiramente apoiá-lo para que consiga ter uma convivência saudável com aqueles que o rodeiam. Este é um filme que trata da questão da diversidade, com o foco não da tolerância – que implica em uma postura de cima para baixo, mas da convivência respeitosa, que acaba por enriquecer a todos. O filme faz-nos refletir sobre a necessidade do ser humano de viver em sociedade, de ter amizades e oportunidade de se desenvolver na convivência com seus semelhantes apesar das diferenças, dificuldades e deficiências que todos temos.Mostra-nos também que através da compreensão, da ajuda, da amizade incondicional e da aceitação as pessoas podem se tornar melhores e serão plenamente capazes de se desenvolverem. O filme também aborda a necessidade de estabelecer prioridades na vida e de perceber que aqueles que nos cercam, principalmente a nossa família, devem vir em primeiro lugar, antes da busca pelo sucesso, pelo poder; a nossa dedicação primeira deve ser o SER e não o TER, isso faz-se presente na tomada de consciência do técnico Jones quando o mesmo percebe que estava deixando as pessoas que amava em segundo plano e através do desenvolvimento de RÁDIO o técnico pode concluir que vale a pena se dedicar a quem amamos. Indicado para pais, jovens e educadores. É uma história sensível e edificante.
SINOPSE
Anderson, Carolina do Sul, 1976, na escola secundária T. L. Hanna. Harold é o treinador local de futebol americano, que fica tão envolvido em preparar o time que raramente passa algum tempo com sua filha, Mary Helen, ou sua esposa, Linda. Jones conhece um jovem "lento", James Robert Kennedy, mas Jones nem ninguém sabiam o nome dele, pois ele não falava e só perambulava em volta do campo de treinamento. Jones se preocupa com o jovem quando alguns dos jogadores da equipe fazem uma "brincadeira" de péssimo gosto, que deixou James apavorado. Tentando compensar o que tinham feito com o jovem, Jones o coloca sob sua proteção, além de lhe dar uma ocupação. Como ainda não sabia o nome dele e pelo fato dele gostar de rádios, passou a se chamá-lo de Radio. Mas ninguém sabia que, pelo menos em parte, a razão da preocupação de Jones é que tentava não repetir uma omissão que cometera, quando era um garoto.
TRAILER

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

De porta em porta

porta em porta ASSUNTO
Paralisia Cerebral, Adultério, homossexualidade, inclusão, empatia, motivação
Seu enredo versa sobre diferenças, indiferenças e acertos. Retrata uma pequena família composta por mãe e seu único filho: Bill Potter. Este vai em busca de emprego e tem sua mãe como motivadora essencial. Bill se auto-motiva mesmo sendo rejeitado devido à sua “condição diferente”, pois na infância teve paralisia cerebral que o deixou com algumas seqüelas. Assistimos a um festival de superação por parte de Bill, pois geralmente é visto pelos outros como incapaz, medonho pela forma de andar e falar, sendo, muitas vezes, ignorado. Contudo, não desiste e percebe que há grandes potencialidades em si e que vai exercitar a paciência, a amizade e, claro, o diálogo e a ouvida do outro para fazer-se ouvir também. Na sequência a mãe de Bill passa por uma “doença degenerativa” que a faz perder a memória a cada dia, fazendo com que Bill se torne ativo no processo de resignificar a situação de "quem cuida de quem”. O filme nos transmite a capacidade de acreditar em si, não importando os limites sociais e estruturais e que todos nós podemos ser agentes de transformação.

SINOPSE
Portland, Oregon, 1955. Apesar de ter nascido com uma paralisia cerebral, que cria limitações na sua fala e movimentos, Bill Porter (William H. Macy) tem todo o apoio da sua mãe para obter um emprego como vendedor na Watkins Company. Bill consegue o emprego, apesar de certa relutância devido às suas limitações, pois teria que ir de porta em porta oferecendo os produtos da companhia. Bill só conseguiu o emprego quando disse para lhe darem a pior rota. Primeiramente Bill é rejeitado pela pessoas "normais", mas ao fazer sua 1ª venda para uma alcóolatra reclusa, Gladys Sullivan (Kathy Baker), ele literalmente não parou mais. Por mais de 40 anos Bill caminhou 16 quilômetros por dia e, para ajudá-lo nesta trajetória, além da sua mãe e Gladys, surgiu Shelly Soomky Brady (Kyra Sedgwick).
TRAILER

terça-feira, 10 de agosto de 2010

À Procura de Mr. Goodbar

a procura de mr gooldbar ASSUNTO
Deficiencia auditiva, compulsão sexual
O filme é baseado na história real de uma professora de deficientes auditivos, uma mulher reprimida sexualmente que de dia dá aulas como professora de crianças surdas, e à noite procura o prazer nos braços de homens desconhecidos. A procura de Mr. Goodbar mostra o lado mais escuro de encontros ocasionais em busca de sexo. Nem sempre os compulsivos sexuais conseguem manter o anonimato, já que têm um problema que pode atingir qualquer pessoa, independentemente de idade, sexo ou classe social. Pode acontecer com engenheiros, advogados, comerciantes, desempregados, médicos, professores e até artistas famosos e presidentes. Um dos exemplos mais ilustrativos de que não há pistas para identificar um compulsivo sexual na rua é o caso da dedicada professora primária Roseann Quinn,  americana de 28 anos que inspirou o drama. Durante o dia, a fervorosa católica dava aula para crianças surdas, e era considerada um modelo de bom comportamento. A noite, a moça assumia sua compulsão por sexo, frequentando bares de Nova York em busca de parceiros. Voltava para casa sempre acompanhada de um homem diferente, um dos quais seria o responsável por seu trágico assassinato. O caso chocou os Estados Unidos, na década de 70, e serviu de inspiração para o enredo de um livro e filme de mesmo título.

SINOPSE
Baseado no best seller de Judith Rossner, "A procura de Mr. Goodbar" tem como atriz principal Diane Keaton, que faz o papel de uma mulher reprimida sexualmente. O romance foi baseado num fato real. "Mr. Goodbar" era o nome de um bar, em Nova York, no qual Roseann Quinn, professora irlandesa de 28 anos, encontrou seu último cliente. Ela morava sozinha no apartamento em que foi brutalmente assassinada. Trabalhava de dia numa escola de surdos e à noite saía com homens que encontrava em antros de perdição, levando uma vida de desespero existencial, que desembocava nos habituais exageros de álcool, drogas e sexo sem sentido. Pela noite, a comportada professora de surdos Theresa vira uma caçadora e satisfaz seus desejos com os mais diferentes homens que encontra pelos single bars da cidade. Na vida profissional, a professora Theresa é reconhecida pelos seus trabalhos com crianças deficientes auditivas. Já sua vida sentimental não está nada bem, principalmente depois de dois relacionamentos problemáticos consecutivos. Sem rumo, se envolve nas perigosas e agitadas noites da cidade. O filme conta o longo declínio auto-destrutivo de Theresa Dunn, Já perto do final, há uma revelação que tenta justificar o comportamento negativo de Theresa diante da vida.

segunda-feira, 19 de julho de 2010

A cor do paraíso

a cor do paraiso ASSUNTO
Deficiência Visual, preconceito, relações familiares
Trata-se do drama de um menininho cego (o excelente Mohsen Ramezani, cego de verdade) rejeitado pelo pai. Se o documentário brasileiro Janela da Alma é um filme sobre deficientes visuais que se vale mais da palavra do que da imagem, no iraniano A Cor do Paraíso acontece justamente o contrário. O diretor faz uso do belo cenário natural e da exploração sensorial dos sons para tentar mostrar que a vida pode ser percebida de outras maneiras. E que o paraíso pode estar bem ali, no meio do inferno - basta querer vê-lo. Um filhote de passarinho esperando para ser colocado de volta ao ninho; o toc-toc-toc dos pica-paus; o colorido dos campos onde o menino cego brinca com as irmãs; a superioridade que ele demonstra na leitura em braile durante uma classe com crianças "normais": cada um desses pequenos momentos carrega em si grande significado. “A Cor do Paraíso" possui quase todos os elementos de uma tragédia grega, um personagem com a falha trágica (o pai de Mohamad), a vontade dos deuses (neste caso de Alá) que rege todas as coisas, uma série de eventos relacionados que conduz à epifania e ao final catártico.
SINOPSE
A Cor do Paraíso narra a comovente história de Mohammad, um menino cego que mora numa escola para deficientes. Com a chegada das férias, ele espera passar algum tempo com as irmãs, a avó e o pai no vilarejo onde mora a família. Viúvo, o pai encontra-se com dois problemas em relação ao filho: não tem mais condições de mantê-lo na escola especial, e pretende se casar novamente e o menino deficiente é como um obstáculo para isso. Por isso, não quer que ele passe as férias em casa, mas junto a um marceneiro cego que pode tomar o menino como aprendiz. O filme gira em torno desta delicada relação entre pai e filho, dos laços de família e da sensibilidade do menino cego. Mohammad é um garoto muito vivo, que tem uma enorme sensibilidade. Seu jeito simples de "ver o mundo" é uma lição de vida.
Trailer