domingo, 1 de abril de 2012

Pecados íntimos

clip_image002ASSUNTO
Relações sociais, afetivas e familiares; pedofilia; adultério; sexualidade.
Uma cidade pacata e sua rotina aparente, isso mesmo: Aparente. Logo, me lembrei da frase “De perto ninguém é normal”, nesse caso, ninguém é o que aparenta ser. Muitas reflexões são suscitadas na fita. Além de fazer uma clara crítica à vida social carregada de “verdades próprias”, o filme nos remete as questões de responsabilidade pelas escolhas feitas. Como se fosse possível apagar nossa história, da qual somos produto, e retornar ao mundo infantil, evitando o presente.
A vida aparentemente perfeita pode ser ameaçada por qualquer movimento suspeito. Abrir mão da carreira para cuidar da família é o primeiro tema apresentado. Afinal, quando uma mulher faz essa escolha, o faz por escolha consciente ou deseja seguir a “cartilha” de ser boa mãe? O que é afinal ser boa mãe? Existe uma receita que nos indique o melhor caminho? Escolher a família implica de fato em abrir mão da carreira? Quando a realização profissional faz parte também da identidade da pessoa, é possível ser boa mãe abrindo mão de uma parte de si? Até quando essa ausência de si mesma pode verdadeiramente contribuir para uma relação saudável com a família? São perguntas que não fazemos em nosso cotidiano, existe uma verdade pronta, cultural, local, familiar, que não se discute, a naturalizamos, a tornamos verdade. As verdades sociais podem ser cruéis para a singularidade. Claro que não existe resposta pronta, cada um sabe de si. Claro que o tempo de estar com filhos e família é pessoal e intransferível. Claro que algumas mães fazem um intervalo quando as crianças são pequenas, abrem mão de sua carreira por escolha consciente, sendo muito felizes assim. Mas, quantas não se dão conta que as relações estão sendo contaminadas em consequência de ter aberto mão de uma parte de si? Sarah está incomodada com algo em sua vida perfeita, seu incômodo é visível. Seu marido é viciado em pornografia virtual, o que não favorece a autoestima da esposa. Ela abriu mão de sua carreira e alguns sonhos ao casar e assumir o papel de mãe e esposa. E acaba descobrindo que não quer isso para si.
O medo do amadurecimento e das responsabilidades é outro tema do filme. Alguns personagens são adultos que não conseguem viver com as escolhas que fizeram, que se recusam a assumir as responsabilidades das suas vidas, encontrado nas suas fantasias um escape. Brad também está insatisfeito com o rumo de sua vida. Apesar de estar formado, não mostra qualquer entusiasmo para fazer a prova da Ordem dos Advogados e se tornar um profissional responsável. Tal qual uma criança, cabula as aulas para assistir aos adolescentes em seus skates. Ele e outros adultos vão aos poucos revelando suas inseguranças e desejos de proteção. Sua esposa é o oposto das outras, provedora do lar, pouco tempo tem para o marido. Depois de um longo dia de trabalho, só resta atenção para o filho, que a venera. Na cena que o marido a procura na cama, fica claro que não sobra muito tempo para eles, nem sexo, nem diálogo. Quando surge uma mulher que se revela disponível tanto para o diálogo quanto para o sexo, Brad se entrega, ainda que declare culpa. Quando Sarah pergunta se ele realmente quer ser advogado, ela denuncia a falta de diálogo com sua esposa. De fato, as recomendações em família estão mais para o controle de gastos do que para parceria. Brad, como tantos homens, resistiu ao amadurecimento, e, encontrou no casamento o ambiente favorável ao seu medo. A esposa, por sua vez, indiretamente o protege, tal qual uma criança. A traição, ao contrário, lhe dá espaço para se revelar como homem, desejado, ouvido, respeitado. O exercício o faz sentir-se vivo, como homem, como pessoa. A desobediência às regras transforma a forma de ambos olharem o mundo.
Outro foco é Ronnie, um pervertido que ameaça paz da sociedade local. Todos tem medo dele, exceto sua mãe, que o protege como se ainda fosse criança. Depois de cumprir pena por ter se exibido para uma criança, ele é perseguido por um ex-policial moralista, que também tem seus segredos. A real ameaça de Ronnie está na realidade que não se esconde, não é camuflada em falsas aparências. Ele denuncia imperfeição, é um ser atormentado que não compreende a própria angústia. A violência com que a sociedade moralista e hipócrita projeta suas perversões nele se revela maior do que seus atos. Seu descontrole é pouco perto das perversões apresentadas por outros personagens. O “doente” é quem revela maior empenho em assumir responsabilidade por seus atos, mesmo que de forma insana. Curiosa forma de provocar reflexões sobre a tênue linha que separa o normal do patológico.
Confesso que o final moralista me incomodou a princípio, pois nos remete ao final feliz tão almejado socialmente. Entretanto, foi aí que me peguei refletindo sobre tolerância e a sua ausência. Se os casamentos anteriores ao feminismo eram por demais tolerantes com a tirania da família patriarcal, o que anda acontecendo em nossos dias? Ao contrário das gerações anteriores, a intolerância é evidenciada nas relações contemporâneas. Qualquer tipo de dissonância entre os casais tem sido motivo de divórcio. Certamente, ainda existem casamentos que vivem de aparências. Mas, muitos divórcios acontecem por quase nada. A diferença, tão necessária ao verdadeiro contato, tem sido a alvo da intolerância humana. Não seria esta uma denúncia do filme? Afinal, “Não se pode mudar o passado, Mas o futuro pode ser bem diferente!” é a frase do filme que transparece a questão real dos amantes. Ao sonhar no amanhã e não viver o hoje, eles perdiam a oportunidade de perceber como eram e o que tinham. A ameaça de perda real favorece a consciência de suas vidas e amores verdadeiros, não aparentes, não camuflados, não apenas sonhos. A vida com suas imperfeições é o agora que pode construir um futuro. Só então pude apreciar o desfecho do casal.
Primeiro, a sociedade em que vivem: moralista, hipócrita e preconceituosa, onde o que importa não é o que são, mas sim o que parecem ser; e segundo, os laços interpessoais, os desejos e anseios, com todas as suas esperanças e frustrações, que acabam implicando em suas vidas. (...) Na estória principal, a maior dificuldade que o pedófilo enfrenta para voltar ao convívio com sociedade, é a perseguição, julgamento e sede de justiça (desejo de punição) de Larry, um ex-tira. O tira foi diagnosticado com estresse pós-traumático e afastado da polícia. (...)Um filme sobre a intolerância e suas consequências. (...) Ambos vivem aquilo que a sociedade gostaria para eles. Não muito diferente de nos, seres reais. De pano de fundo temos outras questões sociais, como a reinserção do "pedófilo" na sociedade, o preconceito contra o homem que "cuidam" da casa etc. Leia mais clicando aqui.
É a desconstrução das aparências, do pseudo-moralismo e das falsas inocências. (...) Partindo da premissa onde entre quatro paredes todos os seres humanos expressam suas verdadeiras tônicas, anseios e comportamentos - o filme revela-se perturbador. (...) O filme é pontuado em off por um narrador onisciente, faz com que todos os personagens ganhem sustância e intimidade - além do psicológico ser exposto. (...) Há o universo de Sarah - onde tem que lidar com seu marido viciado em pornografia, um homem que precisa se masturbar com vídeos eróticos e ausenta-se do convívio e da atenção à sua esposa insatisfeita. Leia mais clicando aqui.
Entende-se que a traição não é algo justificável, mas a situação de fragilidade que enfrentam os personagens é evidente. (...) Do outro lado, há a realidade de um homem que tem disfunção sexual e precisa se ajustar a uma sociedade preconceituosa, crítica e predatória. E como conter seus ímpetos perversos sexuais? A proximidade dos personagens é evidenciada por existir, a partir do sexo, a motivação de mudar a condição que eles se encontram. E como o senso de culpa reveste estes indivíduos diante de suas imperfeições. É surpreende a humanização da personalidade psicológica do pedófilo aflito por uma segunda chance.  Leia mais....
Ronnie, diagnosticado com um transtorno psicossexual, não consegue lutar contra seus instintos, mesmo sabendo que precisa evitá-los. O solitário personagem sai num encontro com uma moça que parece sua alma gêmea e salvação, com quem poderia dividir algo doce, mas põe tudo a perder devido a sua impossibilidade de censurar vontades. Masturba-se na frente dela, mostrando que mais triste do que a prisão de grades em que estava antes é sua prisão interior. (...) A maioria dos personagens tem vidas infelizes, condenados a suas próprias prisões. Mesmo os que parecem normais, felizes e até modelos sociais, quando olhados abaixo da superfície, são aberrações maiores do que os assumidamente perdidos. (...) Os personagens aparentemente normais, aqueles que julgam os outros, se mostram um tanto quanto estranhos e contraditórios. Criticam o pervertido por se exibir para crianças, quando uma das esposas do parque conta que seu irmão fazia o mesmo para ela, que nunca reagiu, mostrando uma conivência e até mesmo uma satisfação com as atitudes dele. Condenam a infidelidade de Sarah, quando o que mais sentem é inveja por ela estar com o homem de seus sonhos. (...) Julgam coisas que não fazem de forma muito diferente na intimidade e projetam suas perversões e desejos mórbidos nas figuras mais expostas na sociedade – caso de Ronnie. (...)
Apesar do impacto e do sentimento de desespero provocados pela maior parte do filme, o final traz um otimismo que me fez lembrar da beleza do ser humano e de que talvez sejamos todos milagres mesmo, como acredita a mãe de Ronnie. Clique aqui para ler mais.
SINOPSE
Sarah Pierce (Kate Winslet) é casada com Richard (Gregg Edelman) e vive em uma cidade suburbana dos Estados Unidos. Ela leva regularmente sua filha Lucy (Sadie Goldstein) a um pequeno parque perto de sua casa. Lá Sarah observa e conversa com outras mulheres, que também levam seus filhos para brincar e praticamente dedicam suas vidas a eles. Até que um dia surge Brad Adamson (Patrick Wilson) e seu filho Aaron (Ty Simpkins). Brad já esteve no parque anteriormente e foi apelidado pelas mulheres como "rei do baile", mas Sarah nunca o tinha visto. Elas jamais tiveram coragem de falar com ele e nem mesmo sabem seu nome, mas sonham todos os dias com sua aparição. Brad empurra Aaron no balanço, sem dar atenção às mulheres, até que Lucy pede à mãe que também a empurre. Sarah passa a brincar com a filha e começa a conversar com Brad. É o início de uma amizade entre eles, que envolve um homem frustrado por estar desempregado e uma mulher infeliz com seu casamento e sua própria vida. Logo esta amizade torna-se um caso extra-conjugal, pois Brad também é casado, com Kathy (Jennifer Connelly). Enquanto isso, volta à cidade, depois de cumprir pena, um pervertido, preso por exibir-se para uma criança. Ele mora com a sua preocupada mãe (tão superprotetora quanto às do parquinho). Uma das cenas marcantes do filme é a que muitos moradores da cidade estão na piscina e o rapaz (Jackie Earle Haley, indicado ao Oscar), chega e pais e mães correm para retirar suas crianças da água.
TRAILER

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua opinião é muito importante!