domingo, 27 de julho de 2014

Questão de tempo

clip_image002ASSUNTO
Relações familiares, relações afetivas, adolescência, aqui e agora (conteito da abordagem gestáltica).
SINOPSE
Ao completar 21 anos, Tim (Domhnall Gleeson) é surpreendido com a notícia, dada por seu pai (Bill Nighy), de que pertence a uma linhagem de viajantes no tempo. Ou seja, todos os homens da família conseguem viajar para o passado, bastando apenas ir para um local escuro e pensar na época e no local para onde deseja ir. Cético a princípio, Tim logo se empolga com o dom ao ver que seu pai não está mentindo. Sua primeira decisão é usar esta capacidade para conseguir uma namorada, mas logo ele percebe que viajar no tempo e alterar o que já aconteceu pode provocar consequências inesperadas.
TRAILER
image
O OLHAR DA PSICOLOGIA
Primeiro vamos falar sobre Tim, um adolescente como outro qualquer. Ele está inseguro, “sem lugar”, mas tem clareza do desejo mais importante de todo ser humano: encontrar o amor. E, ele não tem vergonha de assumir sua necessidade diante do pai. Partindo desta premissa simples, o filme traz a possibilidade de ter uma “ferramenta especial” para lidar com sua necessidade genuína. QUESTÃO DE TEMPO é de fato uma bela surpresa. Com personagens cativantes, distantes da perfeição, bem próximos da realidade de qualquer um, a trama usa a fantasia de “viajar no tempo” sem com isso tornar-se fantasiosa demais. Ao saber da possibilidade de viajar no tempo, Tim duvida de início, mas não aproveita seu privilégio para ingressar em momentos tão distantes, que possam fugir tanto de sua realidade. Ele tenta seguir as regras básicas, para refazer erros primários de seu cotidiano.

domingo, 20 de julho de 2014

Confissões de adolescente

 
clip_image001ASSUNTO
Adolescência, sexualidade, escolha profissional, relações afetivas, sociais e familiares, bullying.
SINOPSE
Baseado no livro homônimo de Maria Mariana, que também originou a peça teatral e a série televisiva. O filme mostra em 2013, as confissões e confusões de irmãs adolescentes que vivem os amores, dúvidas, decisões e aventuras de sua geração. O difícil rito de passagem dos 13 aos 19 anos. 
TRAILER
O OLHAR DA PSICOLOGIA
Adolescência é um marco de transformação já bastante discutido, entretanto a trama tem como ponto de partida de outra mudança, a da realidade desta família, o que provoca boas oportunidades de novas descobertas para todos. O choque de realidade dá lugar para novas necessidades, tornando possível que novos valores sejam conhecidos. Diante da nova situação, Tina, Bianca e Karina passam o olhar o mundo por outro ângulo. O filme abre um diálogo claro com a garotada jovem, preenchendo uma lacuna onde diversas dúvidas surgem e comumente não encontram espaço para discussão. Sendo assim, temas como sexualidade, busca da profissão, gravidez, aborto, bullying, relações familiares e sociais são explorados na trama. Não há qualquer pretensão de responder às inúmeras questões dos jovens espectadores, ou esclarecer algo para pais e familiares. No entanto, a trama acompanha os ritos de passagem vividos por três irmãs, focando principalmente as escolhas que fazem parte da vida e desenvolvimento do ser humano. O primeiro beijo, o primeiro emprego, a primeira desilusão, o primeiro contato com novas realidades... O filme é mesmo endereçado para jovens, mas não custa nada que adultos abram um pouco sua visão de mundo, podendo encontrar na trama uma forma de aceitar a possibilidade de seus “protegidos” estarem passando por crises semelhantes. Recomendo!






Minhas tardes com Margeritte

clip_image002ASSUNTO
Relações familiares, afetivas e sociais, aprendizagem, amizade, educação.
SINOPSE
Baseado no livro de Marie-Sabine e dirigido por Roger Jean Becker, o filme Minhas Tardes Com Margueritte conta a história de um daqueles improváveis encontros que podem mudar a vida de uma pessoa. A trama se passa em torno de Germain, um cinquentão quase analfabeto, e Margueritte (Gisèle Casadesus), uma senhora apaixonada por livros. Quarenta anos e muitos quilos os separam, mas, por acaso, Germain (Gérard Depardieu) senta ao lado dela em um banco no parque. Ela recita versos em voz alta, dando a ele a chance de descobrir a magia dos livros, que nunca fizeram parte da vida dele. As coisas mudam quando o homem descobre que Margueritte está perdendo a visão e, pelo carinho e afeto que foram criados da relação, ele se esforça para aprender e mostrar que ele poderá ler quando ela não puder mais.
TRAILER
O OLHAR DA PSICOLOGIA
Recentemente, comentei sobre um vídeo que sinalizava sobre uma palavra pouco usada em nossos dias, a “ternura”. Eis que poucos dias depois, me deparo com MINHAS TARDES COM MARGARITTE, um filme delicado, encantador e repleto do mais puro sentido da palavra ternura. Falamos de um enredo simples, sobre um encontro inusitado entre dois personagens antagônicos, que irá retratar o retorno ao que realmente importa, mostrando exemplos de ternura e de prazer que estão inseridos nas pequenas coisas da vida. O filme apresenta um encontro casual de um cinquentão rude e uma senhora de idade extremamente delicada. Não se engane, logo percebemos o contraste entre a pequenez do brutamonte e a grandeza da pequena senhora. A trama nos convida a acompanhar o desdobramento do verdadeiro encontro, que só é possível na diferença, como já bem apontado na literatura gestáltica.

domingo, 22 de junho de 2014

Toda forma de amor

clip_image001
ASSUNTO
Relações familiares, sociais e afetivas, dificuldade em relações afetivas estáveis, luto, doença terminal, depressão e homossexualidade. 

SINOPSE
Oliver Fields (Ewan McGregor) é um sujeito de vida pacata como artista gráfico que perdeu a mãe há cinco anos. Ele sofre um novo abalo ao receber duas notícias vindas de seu pai, Hal (Christopher Plummer), que anuncia ter câncer e ser homossexual. Oliver embarca em um relacionamento com a atriz francesa Anna (Mélanie Laurent) e espera que as experiências passadas em seu núcleo familiar, ainda que inusitadas, o auxiliem na construção de sua vida amorosa.

TRAILER

O OLHAR DA PSICOLOGIA
Estamos diante de um tema bastante atual que atinge pessoas de diversas idades: A dificuldade em estabelecer uma relação afetiva estável. A trama acompanha as reflexões e enfrentamentos de Oliver, um sujeito deprimido que se encontra em momento de luto, vagando em pensamentos que insistem em prendê-lo ao passado. As lembranças de Oliver surgem em flashbacks e vão costurando a trama, retratando momentos de sua vida. Em suas lembranças de infância há somente a presença mãe, indicando a ausência paterna durante longo tempo. O pai se torna mais presente após a morte da mãe, quando se revela gay aos 75 anos, momento em que revela também ter câncer – situação pouco compreendida pelo filho. O título original Begginers já sugere a ideia central, que pretende mostrar o quanto somos todos iniciantes em matéria de relacionamentos afetivos.

Malévola

ASSUNTO
Relações afetivas, conflitos existenciais, amor.

SINOPSE
Baseado no conto da Bela Adormecida, o filme conta a história de Malévola (Angelina Jolie), a protetora do reino dos Moors. Desde pequena, esta garota com chifres e asas mantém a paz entre dois reinos diferentes, até se apaixonar pelo garoto Stefan (Sharlto Copley). Os dois iniciam um romance, mas Stefan tem a ambição de se tornar líder do reino vizinho, e abandona Malévola para conquistar seus planos. A garota torna-se uma mulher vingativa e amarga, que decide amaldiçoar a filha recém-nascida de Stefan, Aurora (Elle Fanning). Aos poucos, no entanto, Malévola começa a desenvolver sentimentos de amizade em relação à jovem e pura Aurora.


TRAILER

O OLHAR DA PSICOLOGIA
 
clip_image002A mais encantadora das criaturas se chama Malévola, uma fada-menina linda que tem chifres, asas e mora no reino encantado de Moors, repleto de criaturas mágicas, encantadoras, estranhas e diferentes do que os humanos podem considerar belo. A harmonia com a natureza é marca deste lugar que não tem rei. Há entre os habitantes respeito mútuo, o que garante a harmonia. Muito próximo há outro reino, que habitado por humanos, tem um rei e está repleto de sentimentos “demasiadamente humanos”, como ganância, disputa pelo poder, inveja, intolerância, etc. Malévola, por ser a mais poderosa das fadas, assume o lugar de protetora de seu reino, pois a harmonia com a natureza e a boa convivência com as diferenças se tornam alvo de incompreensão e inveja do reino vizinho. Assim começa a história daquela que se transformou em uma das vilãs mais conhecidas dos contos de fadas. A grande diferença está em apresentar um novo ângulo.

Terapia do sexo


ASSUNTO
Sexualidade, compulsão, relações sociais, afetivas, terapêuticas e familiares.

SINOPSE
Adam (Mark Ruffalo) e Phoebe (Gwyneth Paltrow) iniciam um relacionamento, só que quando ela quer apimentar um pouco as coisas ele hesita, pois não está pronto para contar a verdade: de que está passando por um tratamento contra o vício por sexo. Ao lado de Mike (Tim Robbins), Neil (Josh Gad) e Dede (a cantora Pink), Adam faz uma terapia de 12 passos contra essa dependência e compartilha frequentemente seus desafios, medos e confusões sobre o que está passando.

TRAILER

O OLHAR DA PSICOLOGIA
Com o título original THANKS FOR SHARING (Obrigada por compartilhar), a trama retrata as dores e angústias vividas por diferentes participantes de uma sala de autoajuda para viciados em sexo. Eles estão em diferentes estágios de uma mesma dependência: Adam é um solteirão, consultor ambiental, que mantém uma abstinência de cinco anos; Mike é um construtor civil de meia idade, desde sempre casado com a sua namorada do colegial e visto por todos como o guia do grupo; e Neil um jovem médico de urgências, em fase de negação, e, Dede, a mais nova integrante do grupo. Enquanto mostra as dificuldades enfrentadas por eles, a trama aborda também conflitos familiares, particularmente na relação de Mike com seu filho. O dilema do velho ditado “em casa de ferreiro o espeto é de pau” é bem ilustrado, ao mostrar a diferença entre a disponibilidade do pai em relação ao filho, daquela dispensada ao grupo. Adam irá enfrentar alguns obstáculos para construir uma relação afetiva que possa incluir o sexo, sem que perca o controle da situação. Com a entrada de Dede, Neil tem a oportunidade de estar do outro lado da situação, o que permite que se dê conta da própria perspectiva. Ambos abrem espaço para o apoio mútuo, o que permite novas configurações. A produção independente não conquistou sucesso de crítica, nem de público, mas tem seu devido reconhecimento ao abordar um assunto tão complexo em uma comédia romântica, o que torna o filme leve e esclarecedor. O programa de Doze Passos (twelve-step program) é a estratégia central da grande maioria dos grupos de autoajuda para o tratamento de dependências ou compulsões, sendo mais conhecidos no Brasil os Alcoólicos Anônimos (e grupos relacionados como Al-Anon/Alateen, voltados às famílias de alcoólatras) e Narcóticos Anônimos. O programa foi criado nos Estados Unidos em 1935, por William Griffith e Doutor "Bob" Smith, inicialmente para o tratamento de alcoolismo e mais tarde estendido para praticamente outros tipos de dependência, como acontece no grupo MADA (Mulheres que amam demais) e em grupos de viciados em sexo. A importância desses grupos de autoajuda é indiscutível, entretanto é necessário destacar a necessidade do acompanhamento psicoterapêutico na maior parte dos casos de dependência.

quinta-feira, 19 de junho de 2014

Pais e filhos (Like a father like a son)

clip_image002
ASSUNTO
Relações familiares, afetivas e sociais, paternidade socioafetiva, paternidade biológica, personalidade, conflitos existenciais e familiares.
SINOPSE
Ryota (Masaharu Fukuyama), um homem determinado, trabalhador e bem-sucedido, e a sua mulher, Midori (Machiko Ono), formam um casal com um projeto de vida ambicioso, que inclui proporcionar ao seu filho Keita, de seis anos, a melhor preparação para o futuro e todas as oportunidades para vencer na vida. Mas tudo muda no dia em que recebem um telefonema avassalador: houve uma troca na maternidade e, afinal, o filho que pensavam ser seu não o é. O filho biológico vive com um casal humilde que, embora não lhe falte com amor e bons valores, está longe de ter planos comparáveis aos de Ryota. Este pai de família vê-se assim forçado a questionar tudo, incluindo a própria condição de pai e educador, sem perder de vista os fortes laços familiares e o bem-estar emocional das crianças. Em simultâneo, vai ter de encontrar forças para lidar com o profundo dilema de ter de escolher entre a força do sangue ou do amor.
TRAILER
O OLHAR DA PSICOLOGIA
A proposta principal oferece importantes reflexões sobre os laços familiares. Afinal, que tipo de laço nos une? São os laços sanguíneos, afetivos ou culturais? É sabido que os pais exercem grande papel dentro da família, pois é através deles que a criança dá inicio a seu contato social em na cultura em que está inserido. É na família que a criança forma suas primeiras ligações afetivas e encontra seus modelos. Destacamos a palavra papel, por conta da sua importância como tal, não os considerando como pais biológicos e sim como aqueles que vivem o papel de pais, ou seja, pais socioafetivos. A paternidade socioafetiva já é amplamente reconhecida, fazendo parte no Brasil do vocábulo jurídico, para nomear, por exemplo, os pais adotivos ou aqueles que conviveram por determinado tempo com as crianças. Podemos, então, constatar a importância do convívio familiar na construção da identidade do ser humano, principalmente nos primeiros anos de vida. As mães, conforme retratado no filme, logo sinalizam a respeito, ao questionarem a adaptação das crianças após seis anos de convivência. Os conflitos individuais e familiares virão à tona com a chocante informação sobre a troca de bebês na maternidade.

domingo, 15 de junho de 2014

Disconnect

 
clip_image002ASSUNTO
Relações familiares, afetivas, sociais e virtuais. Luto, relação terapêutica, abordagem gestáltica, fobia social, adolescência, crimes virtuais, cyberbullying, casal e família.
SINOPSE
Este drama mostra várias histórias pessoais, tendo em comum os efeitos perversos do uso excessivo de tecnologia, Internet e telefones celulares. A vida de um casal entra em perigo quando sua vida privada é exposta online, uma viúva e antiga policial descobre que seu filho humilha um garoto da escola pela Internet, um advogado obcecado por seu telefone não consegue se comunicar com a própria família, e uma jornalista vê sua vida se transformar quando ela pesquisa a história de um adolescente que faz atuações eróticas pela webcam.
TRAILER
O OLHAR DA PSICOLOGIA
Não é o primeiro filme que discute o tema. “Rede Social” explorou as dificuldades de relacionamento do autor do facebook. Recentemente, “Ela” entrou no Universo afetivo entre o real e o virtual, revelando angústias e carências contemporâneas. Em “Disconnect”, a trama retrata alguns dos principais riscos das relações que estão sendo construídas nas redes sociais, a partir de três histórias que vão se conectando ao longo do filme. Baseado em fatos reais, o enredo costura a trama partindo de vidas que irão se conectar na rede virtual ou real através de alguns acontecimentos. Diante desta teia virtual, a trama nos apresenta diferentes formas de conexões e desconexões nas relações contemporâneas. Em cada um dos três casos, temos contatos pouco saudáveis, virtuais ou reais sendo pontuados, que podem ou não se desenvolver para um melhor contato ou uma solução saudável. Desta forma, temos bastante para refletir sobre diferentes formas de fazer contato com o outro, seja através do virtual ou não. Em tempos de globalização, as relações virtuais ganham formas humanas, no entanto, por outro lado promovem novos tipos de conflitos e distúrbios emocionais.

segunda-feira, 9 de junho de 2014

Ninfomaníaca 1 e 2

clip_image002ASSUNTO
Sexualidade, compulsão sexual, crenças, religião, valores morais, gênero, conceitos e preconceitos.
SINOPSE
ATENÇÃO: CENAS DE SEXO EXPLICITO, NÃO INDICADAS PARA MENORES. Volume 1 - Bastante machucada e largada em um beco, Joe (Charlotte Gainsbourg) é encontrada por um homem mais velho, Seligman (Stellan Skarsgard), que lhe oferece ajuda. Ele a leva para sua casa, onde possa descansar e se recuperar. Ao despertar, Joe começa a contar detalhes de sua vida para Seligman. Assumindo ser uma ninfomaníaca e que não é, de forma alguma, uma pessoa boa, ela narra algumas das aventuras sexuais que vivenciou para justificar o porquê de sua auto avaliação.
Volume 2 - A continuação da história de vida de Joe investiga os aspectos mais sombrios de sua vida adulta, e o que a levou aos cuidados de Seligman. Últimos três capítulos de "Ninfomaníaca".
TRAILER
Volume 1 - clique aqui.
Volume 2 - clique aqui.
O OLHAR DA PSICOLOGIA
Antes de tudo, devo sinalizar que o filme é para poucos, pois é preciso ter abertura para compreender as críticas, explícitas ou sutis, feitas pelo diretor. Aos que esperavam um filme pornográfico o que encontraram foi frustração, pois a trama nos confronta com conceitos e preconceitos sócio culturais. Escolhi reunir os dois volumes por uma questão simples: Não é possível ter plena compreensão sem que ambos sejam assistidos. No primeiro volume, temos maior foco no relato de suas aventuras sexuais desde a infância. Não há qualquer dado que possa nos ajudar a aprofundar o conhecimento sobre o contexto da vida de Joe. Assistimos as trocas com Seligman, que não parece concordar com a autoavaliação da moça, que se deprecia, sentindo-se má pessoa por ser ninfomaníaca. Ao narrar a história de sua vida, Joe encontra nas reações de Seligman possíveis “interpretações” ou outras perspectivas, que poderiam ser também do espectador (ou que podem servir para induzir o público). Seus comentários estão sempre associados a alguma referência, o que nos conduz para possibilidades que não ocorreriam sem tal intromissão. Suas referências incluem a música, as artes plásticas, a poesia e filmes – incluindo “Anticristo” do mesmo diretor. Prazer e dor, deleite e desamor, desamparo e autonomia estão entre as polaridades expressas na trama, que choca, confunde e violenta diferentes formas de ver tudo que é apresentado. O senhor solitário entra no lugar do psicólogo, que escuta sem julgar, principalmente ao favorecer para que Joe possa se ver de outra forma. Seligman é um intelectual que domina vários campos do conhecimento, com isso ele tenta analisar e compreender a obsessão de Joe por sexo, ao mesmo tempo conduzindo o espectador ao questionamento e provocando reflexões sobre alguns tabus.

quarta-feira, 7 de maio de 2014

Dentro da casa

imageASSUNTO
Relações sociais, afetivas e familiares. Homossecualidade, voyeurismo, arte e literatura.
SINOPSE
Um pouco cansado da rotina de professor, Germain (Fabrice Luchini) chega a atormentar sua esposa Jeanne (Kristin Scott Thomas) com suas reclamações, mas ela também tem seus problemas profissionais para resolver e nem sempre dá a atenção desejada. Até o dia em que ele descobre na redação do adolescente Claude (Ernst Umhauer) um estilo diferente de escrever, que dá início a um intrigante jogo de sedução entre pupilo e mestre, que acaba envolvendo a própria esposa e a família de um colega de classe.
TRAILER
O OLHAR DA PSICOLOGIA
Atendendo ao pedido da colega Cristiana Chagas, assisti Dentro de casa, que é um filme intrigante que permite diversas leituras. Gosto do olhar de Celo silva (para ler a crítica completa clique aqui.), que considera a trama sendo iniciada elucidando um “dramédia” social e logo evoluindo para um tom metalinguístico – o roteiro é recheado de discussões sobre o uso da própria linguagem (metalinguagem pode referir-se a qualquer terminologia usada para descrever uma linguagem em si mesma). Para os que gostam de literatura, tal perspectiva pode estimular discussões enriquecedoras.
No filme conhecemos Germain, um professor desapontado com o fraco desempenho de seus alunos, que ao deparar com as redações do jovem Claude, fica intrigado e surpreendido com seu talento. Logo, a relação entre professor e pupilo é iniciada, com o propósito de desenvolver o talento do jovem. Durante o processo, somos apresentados a esposa de Germain, que administra uma galeria de arte e por isso inclui na trama algumas pinceladas sobre o assunto, e, a vida cotidiana de uma família de classe média. Temas como homossexualidade, crise familiar, relações afetivas e sociais são elementos presentes na trama. Fato é que o filme passeia entre realidade e imaginação, trazendo em seu desenvolvimento inúmeras provocações. O que o professor de literatura desmotivado e o aluno misterioso, com características que beiram a sociopatia, têm em comum é o prazer em assistir a vida alheia, o voyeurismo.

Casa Dentro - Trailer Oficial [HD]

sábado, 26 de abril de 2014

Os melhores dias de nossas vidas

clip_image001ASSUNTO
Relações sociais, afetivas e familiares. Distrofia Muscular de Ducchene, paralisia cerebral, intolerância, diferenças, cuidador e alguns conceitos da abordagem Gestáltica.

SINOPSE
Rory (James McAvoy) é um jovem rebelde, bem-humorado, que fala o que pensa, não liga para as convenções sociais, nem para nada, nem para ninguém. Seu oposto é Michael (Steven Robertson), que sempre levou uma vida completamente sem graça e enfadonha. O que estas duas pessoas tão diferentes poderiam ter em comum? A resposta é cruel: Rory é tetraplégico e Michael tem paralisia cerebral. Descontentes com as 'regras da vida', estes dois amigos inusitados planejam deixar a instituição onde estão internados com a ajuda de Siobhan (Romola Garai) para que eles finalmente atinjam seus objetivos: viver a vida em toda sua intensidade. Mas quais as surpresas que o mundo fora dos portões da instituição irão revelar aos dois rapazes.
TRAILER
 
O OLHAR DA PSICOLOGIA
clip_image003Um dos aspectos mais interessantes do filme é a oportunidade que ele oferece de refletirmos sobre os rótulos que usamos nas pessoas. É comum pensarmos em pessoas com necessidades especiais como pessoas “deficientes”, com tendência a esquecermos da parte “pessoa”. Uma pessoa com necessidades especiais é antes de tudo uma pessoa! Como tantas outras, a pessoa em questão têm diversas outras necessidades, desejos, funcionalidades e formas que vão compor sua personalidade. Falando em personalidade, isso é o que não falta em Rory, um rapaz rebelde que é portador de “Distrofia Muscular de Duchene”. Ele não é tetraplégico, trata-se de uma doença genética que afeta somente ao sexo masculino. O portador desta doença tem uma degeneração muscular durante a vida, o que levou Rori para a cadeira de rodas. Falaremos mais sobre a doença depois, agora, voltemos ao filme. Rori é desprendido, audacioso, quer curtir a vida, como e enquanto for possível, ele não aceita ser limitado além do que a própria doença impõe. Ao ser internado em uma instituição para pessoas com necessidades especiais, ele conhece Michael, um rapaz introvertido com paralisia cerebral. Ao contrário de Roni, Michael é quieto, conformado com a vida que tem levado. Até então, o que fazia parte de seu mundo era o seu cotidiano enfadonho, repetitivo e limitado. Sua dificuldade em se comunicar fazia com que vivesse ainda mais isolado de que o necessário. Suas dores não tinham espaço além do silêncio e o conformismo diante daquilo que conhecia como vida.

terça-feira, 22 de abril de 2014

Final de semana em família

clip_image001
ASSUNTO
Relações familiares, família disfuncional, relação terapêutica.
SINOPSE
2013 - Emily Smith-Dungy, de 16 anos, incrivelmente motivada e aluna exemplar, cresceu cada vez mais frustrada com a falta de apoio e orientação de seus pais. Quando a mamãe Samantha (uma racional e poderosa executiva, sem nenhum tempo para a família) e o papai Duncan (um artista otimista, que não se importa em ganhar salário) perdem a importante competição de pular corda de sua filha, Emily chega ao limite. Furiosa com mais uma negligência, Em pede ajuda de seus irmãos para prender seus pais e ensiná-los a ser uma família “normal”. FINAL DE SEMANA EM FAMÍLIA (descrito como uma fusão de “Pequena Miss Sunshine” com “Eleição”) é uma hilariante e sempre decepcionante visão do que é ser uma família.
TRAILER
O OLHAR DA PSICOLOGIA
O filme é comédia e é drama, tem algo mais original do que ambiguidade ao considerarmos o que é família? Claro que não, e, certamente o enredo nos brinda com tudo que podemos encontrar de mais ambíguo em uma família, amor e ódio, prazer e dor, alegrias e tristezas. Obviamente, estamos falando de uma família disfuncional que a partir do movimento de uma adolescente, irá retratar muitas questões de famílias contemporâneas. Muitos irão se identificar com trechos da trama, nem por isso deixarão de também se divertir. Emily é uma adolescente extremamente comprometida com o esporte que pratica. Mesmo que seja considerado por muitos um esporte sem graça, “pular corda” é para Emily um orgulho, ela coleciona troféus. Fica claro que há certa obsessão da menina, ela busca pela perfeição ou talvez aprovação? Ela quer se destacar, ser vista ou percebida pela família? Talvez. O fato é que quando ninguém da família comparece a uma competição de suma importância para ela, sua frustração ultrapassa todos os limites. Ela decide, então, mudar toda estratégia para recuperar a família que tinha em sua memória. Durante a execução de seu plano, os irmãos são convocados e se unem para buscar solução para uma questão, que até então era só dela. No entanto, durante o processo muito será revelado sobre o que vinha sendo “varrido para debaixo do tapete”.

quarta-feira, 2 de abril de 2014

FILMES SOBRE AUTISMO

Autismo-DAY-EMKT
Em homenagem ao DIA MUNDIAL DE CONSCIENTIZAÇÃO DO AUTISMO, OUTROS FILMES SOBRE AUTISMO:
O MENINO E O CAVALO
imageDurante uma viagem do Texas às estepes da Mongólia em busca de cura xamânica para seu filho autista, o casal Isaacson é visto lutando contra as dúvidas e comemorando as pequenas vitórias. Mas os vemos também no stress dos retrocessos e nos momentos de profundo cansaço e desânimo perante um desafio hercúleo. O pequeno Rowan tem uma relação especial com animais, principalmente cavalos, e esse é o fio condutor tanto da experiência, como do filme. A câmera viajante capta os comentários imediatos dos pais, em vez de reflexões ponderadas a posteriori. Daí um sentido de urgência, temperado pelo lirismo com que são tratados lugares e sentimentos.
TRAILER
Para assistir o filme completo online: clique aqui.

O Nomimagee dela é Sabine (Elle s’appelle Sabine) – 2007

A atriz Sandrine Bonnaire narra a história da irmã Sabine, que é autista, através de imagens filmadas ao longo de 25 anos. Sandrine testemunha o momento atual de Sabine, que depois de uma estadia infeliz num hospital psiquiátrico, passa a viver numa estrutura adaptada a ela. E, dessa forma, numa casa na região de Charente, na França, reencontra a felicidade. A partir desse episódio, o documentário mostra a penúria e o despreparo de algumas instituições especializadas e as dramáticas conseqüências que podem causar aos doentes.
TRAILER

 Mais filmes a seguir

Azul é a cor mais quente

image

ASSUNTO
Adolescência, sexualidade, relações afetivas e sociais.
SINOPSE
ATENÇÃO: CONTÉM CENAS DE SEXO EXPLÍCITO! Adèle (Adèle Exarchopoulos) é uma garota de 15 anos que descobre, na cor azul dos cabelos de Emma (Léa Seydoux), sua primeira paixão por outra mulher. Sem poder revelar a ninguém seus desejos, ela se entrega por completo a este amor secreto, enquanto trava uma guerra com sua família e com a moral vigente.
TRAILER
O OLHAR DA PSICOLOGIA
“A vida de Adèle” seria a tradução literal, mas ficou no Brasil com o título  AZUL É A COR MAIS QUENTE, possivelmente pelo destaque da cor em toda obra. O azul tinge desde os “cabelos da liberdade” do primeiro amor até roupas e cenários. Para além da polêmica cena de sexo, “explícito” ou “autêntico”, o drama nos convida a acompanhar a trajetória de Adèle e os desafios durante seu processo de amadurecimento. Aos 15 anos, a menina se encontra em fase de descobertas, grandes e pequenas, simples e confusas, individuais e sociais. Sem saber ao certo o que quer, o momento é de experimentar o mundo. Acompanhamos a adolescente em seu caminho para a escola, após ter perdido o ônibus. Na escola, aula de literatura tem  a discussão sobre um romance que fala de encontro, amor à primeira vista e primeiro amor. A cena registra as reações previsíveis dos alunos em fase de transformação. Adèle se mostra como qualquer adolescente, não há maquiagem ou se revela heroína com “exemplo” de bom comportamento. Ao contrário, seja na mesa ou no quarto, ela se mostra natural, comum, humanamente adolescente: lambendo faca, mastigando ou dormindo de boca aberta. Aliás, é importante notar como a protagonista aguça seus sentidos em cada experiência, nos convidando a “provar” com ela as novidades do mundo. Os close-ups de rostos e corpos nos aproximam bastante da intimidade da personagem. Podemos também sentir suas angústias, dúvidas e frustrações . Na escola, as amigas sinalizam sobre o “gatinho” que está atraído por ela.  É outro aspecto interessante da trama, pois descreve bem o lugar do “grupo” na vida do adolescente, a necessidade de pertencimento,“integração”, de ser aceito, de sentir-se parte do “grupo”. Ainda sem grande entusiasmo, ela “aceita” o acaso que a aproxima do menino. Apesar dos diferentes gostos, ela flerta com ele e até combina de voltar a vê-lo. No dia do reencontro, a menina vive um momento semelhante ao que fora descrito no romance discutido em aula, só que não acontece com o rapaz. Ainda à caminho, ela se depara com  o inesperado e atraente tom azul dos cabelos de Emma. A atração é instantânea e, tal qual no romance, ambas olham para trás,  atraídas por uma força inexplicável.

quarta-feira, 26 de março de 2014

Qual é o nome do bebê?

ASSUNTO
Relações afetivas e familiares, segredo, Casal e família e preconceito.
SINOPSE
Com mais de quarenta anos de idade, Vincent (Patrick Bruel) vai ser pai pela primeira vez. Radiante, ele é convidado pela irmã e o cunhado para jantar, em companhia de sua esposa e de um amigo de infância. Enquanto a esposa não chega, os amigos começam a fazer perguntas sobre a paternidade, até chegar à inevitável questão sobre o nome do bebê. Quando Vincent finalmente anuncia o nome escolhido, o caos se instala na família.
TRAILER
O OLHAR DA PSICOLOGIA
O filme foi indicado por Jeff, seguidor da página do “Facebook”, na ocasião em que eu fazia comentários sobre o longa “Álbum de família”. De fato, a recomendação foi uma grata surpresa. Tal qual “O Deus da Carnificina”, ele foi inspirado numa peça de teatro e também discute conflitos das relações afetivas, revelando aspectos constrangedores da “natureza humana”. Embora o outro seja um filme mais denso e aprofundado, confesso que gostei muito mais de QUAL É O NOME DO BEBÊ (Le Prénom), principalmente por sua leveza e bom humor, que não deixam de provocar sérias reflexões. Em Portugal, o título foi traduzido para “O nome da discórdia”, por sinal bastante apropriado. O assunto é pertinente e bastante considerado pela psicologia devido à importância do nome na consituição do ser. O “significado do nome”, “quem escolheu”, “como foi escolhido” e “o que inspirou tal escolha” podem ser parte significativa do processo terapêutico, pois se revela como boa ferramenta de apropriação identidade. Confesso que hesitei, antes de considerar os conflitos apresentados como “familiares”. Principalmente, por conta do amigo de infância fazer parte do encontro. Entretanto,  já que novas configurações familiares estão considerando  “agregados” como parte efetiva no sistema familiar, assim também o consideramos, pois ele foi acolhido desde a infância no seio familiar. Além disso, o desenrolar da trama revelará um segredo que só o confirmará como membro. Não, não posso contar o segredo, mesmo porque muita água vai passar por baixo dessa ponte antes desta revelação. Então, o jantar é na casa da professora Babu (Elisabeth), mãe, dona de casa e esposa do professor Pierre, intelectual engajado no meio acadêmico, que é sempre convidado a fazer palestras. Os primeiros a chegar são: Claude, o músico “agregado”, e Vincent, o irmão quarentão de Babu, que é casado com Anna. Logo, eles iniciam um diálogo ameno, recheado de brincadeiras íntimas, aquelas tão comuns nos meios familiares.

segunda-feira, 24 de março de 2014

Álbum de família

imageASSUNTO
Relações familiares, segredo, alcoolismo, suicídio, câncer, dependência química, adultério, pedofilia, divórcio e incesto.
SINOPSE
Barbara (Julia Roberts), Ivy (Julianne Nicholson) e Karen (Juliette Lewis) são três irmãs que são obrigadas a voltar para casa e cuidar da mãe viciada em medicamentos e com câncer (Meryl Streep), após o desaparecimento do pai delas (Sam Shepard). O encontro provoca diversos conflitos e mostra que nenhum segredo estará protegido. Enquanto tenta lidar com a mãe, Barbara ainda terá que conviver com os problemas pessoais, com difíceis relações com o ex-marido (Ewan McGregor) e com a filha adolescente (Abigail Breslin).
TRAILER
O OLHAR DA PSICOLOGIA
Que família é essa? Pergunta apropriada diante do encontro com personagens tão densos. Beverly é o pai, um professor, escritor aposentado e alcoólatra. Sua mulher é Violet, portadora de câncer, ela é viciada em medicamentos e tem a língua bastante afiada. De acordo com o próprio marido, o câncer na boca é uma ironia, tendo em vista a quantidade de veneno destilado por ela. Somos apresentados a ambos, no momento em que o mesmo contrata a índia Johnna, nos fazendo crer que seria para cuidar da casa e de Violet, devido à doença. O diálogo ilustra bem o quanto agressões verbais estão naturalizadas no convívio do casal. Violet já dá pistas sobre suas crenças, valores e sua forma de enfrentar não só a doença, mas também o envelhecimento. Ivy é a filha que está próxima, suportando o mau humor, a indiferença e o veneno mãe, que deixa clara a sua preferência pela filha Bárbara. A irmã tagarela de Violet é Mattie Fae, esposa autoritária de Charlie, um sujeito tranquilo, que de acordo com a cunhada, suporta há anos a esposa devido a quantidade de maconha que consome. O “pequeno Charles” é o filho do casal, que apesar de claramente desconsiderado pela mãe, conta com apoio e proteção do pai. Barb chega com Bill, pai da filha adolescente do casal. Logo, percebemos que há algo errado, também, na relação deste casal. Em repetidos momentos, Violet expressa seu incômodo com o distanciamento da família, principalmente em relação à Bárbara, que é considerada a “preferida” do pai. A batalha cruel de Violet tem munição de “culpa” suficiente para atingir Barb, que por sua vez, enfrenta a mãe de forma bem semelhante. Há cobranças de ambos os lados, embora Violet seja a que sempre cobra de todos de forma cínica, agressiva e cruel. O desaparecimento de Beverly promove o reencontro da maior parte dos familiares, só incluindo a filha Karen e seu atual parceiro após a morte do patriarca. Após o funeral, “pequeno Charles” se une a família, num jantar de luto. Aí, então, começam a emergir muitos conflitos familiares, entre segredos e revelações que irão tornar o jantar de funeral um verdadeiro caos.

sexta-feira, 14 de março de 2014

ELA (Her)

 
clip_image001ASSUNTO
Depressão, solidão, sexualidade, relações afetivas, sociais e virtuais.
SINOPSE
Theodore (Joaquin Phoenix) é um escritor solitário, que acaba de comprar um novo sistema operacional para seu computador. Para a sua surpresa, ele acaba se apaixonando pela voz deste programa informático, dando início a uma relação amorosa entre ambos. Esta história de amor incomum explora a relação entre o homem contemporâneo e a tecnologia.
TRAILER
O OLHAR DA PSICOLOGIA
Dia desses, eu assisti uma cena que me incomodou bastante. Estava numa festa de família, quando vi dois sobrinhos, sentados na mesma mesa, cada um digitando em seu próprio celular. Eles têm poucas oportunidades de se encontrarem, são da mesma geração, e, no lugar de aproveitarem o momento para trocar ideias, fazerem contato real, o faziam através do celular. Pasmem, estavam falando um com o outro através do teclado, quando podiam fazê-lo ao vivo! Em outra ocasião, decidi dar um jogo chamado “Imagem em ação” para minha afilhada. Contei para ela o quanto o jogo promoveu momentos agradáveis entre amigos em diversas ocasiões. Ela me respondeu que não teria como usar, pois seus amigos gostam de jogos eletrônicos, não teria com quem brincar. Fiquei triste com isso. Dentro do consultório, vejo repetidamente o quanto às relações virtuais estão promovendo aproximações e afastamentos, muitas vezes causando patologias peculiares à nova geração. Não, não sou contra o avanço tecnológico, mas tenho receio que os contatos virtuais possam produzir maior afastamento entre as pessoas, e, novas patologias possam surgir.  Nossas relações afetivas, familiares, sociais estão em transformação. E, o papel toda tecnologia nessa transição está se tornando protagonista. Não há dúvida que a tecnologia promove avanços inimagináveis. Mas, qual o limite entre benefícios e malefícios promovidos por esta nova forma de relação? ELA (HER) é um filme extremamente atual, pois exibe uma discussão profunda sobre as relações humanas, sobre o vazio existencial e a solidão do mundo pós-moderno. O filme promove diversas reflexões e abre espaço para uma questões bastante necessárias.

quinta-feira, 13 de março de 2014

Philomena

clip_image001
ASSUNTO
Relações familiares, afetivas e sociais, pecado-religião, perdas, história, adoção ilegal, homossexualidade, sexualidade, segredo.
SINOPSE
Irlanda, 1952. Philomena Lee (Judi Dench) é uma jovem que tem um filho recém-nascido quando é mandada para um convento. Sem poder levar a criança, ela o dá para adoção. A criança é adotada por um casal americano e some no mundo. Após sair do convento, Philomena começa uma busca pelo seu filho, junto com a ajuda de Martin Sixsmith (Steve Coogan), um jornalista de temperamento forte. Ao viajar para os Estados Unidos, eles descobrem informações incríveis sobre a vida do filho de Philomena e criam um intenso laço de afetividade entre os dois.
TRAILER
O OLHAR DA PSICOLOGIA
Qualquer estilo de arte tem em sua construção algo do próprio autor, assim como aquele que entra em contato com a obra projeta seus conteúdos em sua forma de percebê-la. Assim, o encontro com a arte nos convida a produzir novos sentidos a cada momento. Há algum tempo, ando refletindo bastante sobre nossos “encontros autênticos” e sua importância, seja com a arte ou com as pessoas. De fato, estas formas de contatar nos permitem afetar e ser afetado. Quanto maior a diferença, maior a possibilidade de trocas que poderão transformar os envolvidos. Philomena é um filme que ilustra bem o fato. O encontro da religiosa e gentil senhora com o jornalista cético, de temperamento explosivo, irão de fato afetar a ambos em suas formas de funcionar no mundo. Philomena, apesar do sofrimento, manteve sua fé e ingenuidade, sem em nenhum momento parecer tola. Sua doçura contrasta com o humor seco e arrogante de Martin, o que não permite que a trama atinja um tom melodramático. Philomena dará a Martin uma grandiosa história jornalística e Martin proporcionará a Philomena o conhecimento que lhe falta. Ele é ateu, cético, sarcástico, irônico. Ela é religiosa, e, mesmo tendo motivos para questionar a igreja, não larga em momento algum sua crença; é ingênua, aparenta inocência, mas é guerreira e possui uma capacidade enorme de compreensão de mundo.

quarta-feira, 12 de março de 2014

A menina que roubava livros

 
clip_image001ASSUNTO
Guerra, preconceito, racismo, violência, perdas, resiliência, luto, arte, solidariedade, vida e morte.
SINOPSE
Durante a Segunda Guerra Mundial, uma jovem garota chamada Liesel Meminger (Sophie Nélisse) sobrevive fora de Munique através dos livros que ela rouba. Ajudada por seu pai adotivo (Geoffrey Rush), ela aprende a ler e partilhar livros com seus amigos, incluindo um homem judeu (Ben Schnetzer) que vive na clandestinidade em sua casa. Enquanto não está lendo ou estudando, ela realiza algumas tarefas para a mãe (Emily Watson) e brinca com a amigo Rudy (Nico Liersch).
TRAILER
O OLHAR DA PSICOLOGIA
Para além do registro sobre as crueldades do Nazismo, o filme nos convida a testemunhar um belo exemplo de resiliência. Sim, Liesel é um modelo perfeito para a compreensão deste conceito que nos é tão caro em psicologia. O termo resiliência refere-se à capacidade dos indivíduos para superar os períodos de dor emocional e adversidades. Na abordagem Gestáltica, entendemos a resiliência como a capacidade do indivíduo realizar ajustamentos criativos funcionais diante de situações adversas. A arte de superar, que transforma adversidades em oportunidades, parece ser dominada pela menina. Sua trajetória está repleta de situações adversas que são superadas, na maior parte das vezes, usando os livros como suporte para realização de seus ajustes criativos. Curiosamente, somos apresentados a Liesel pela morte, que narra à árdua jornada da menina de forma surpreendentemente simpática. O primeiro livro cruza seu caminho em momento de extrema dor, durante o breve enterro de seu irmão caçula. Ainda sem compreensão sobre a leitura, ela percebe quando o coveiro deixa o livro cair na neve. Antes mesmo de compreender o significado daquelas letras, ela rouba e atribui um sentido ao objeto, que se revela como único vínculo com a sua família.

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

A vida secreta de Walter Mitty

clip_image001

ASSUNTO
Relações sociais, afetivas e familiares, auto conhecimento, autoestima, fobia social, relações virtuais, espaço e tempo (aqui e agora).
SINOPSE
Walter Mitty (Ben Stiller) é o responsável pelo departamento de arquivo e revelação de fotografias da tradicional revista Life. Ele é um homem tímido, levando uma vida simples, perdido em seus sonhos. Ao receber um pacote com negativos do importante fotógrafo Sean O'Connell (Sean Penn), ele percebe que está faltando uma foto. O problema é que trata-se justamente da foto escolhida para ser a capa da última edição da revista. É quando, Walter, com o apoio de Cheryl (Kristen Wiig) é obrigado a embarcar em uma verdadeira aventura.
TRAILER
O OLHAR DA PSICOLOGIA
Uma cliente adolescente já tinha comentado sobre o desejo de assistir ao filme, consegui uma versão dublada e guardei. Recentemente, uma colega renomada o indicou também, tive que verificar. A princípio, o filme aparenta ser uma daquelas comédias “sem noção”, apenas mais um besteirol americano. Entretanto, os mais sensíveis poderão perceber a riqueza da trama. Diversos olhares se tornam possíveis diante da experiência. Para alguns, o filme pode ser sobre o Universo particular de alguém com dificuldade em se relacionar, que tem uma rotina metódica e que encontra na fantasia algum tipo de compensação. Para outros, o foco pode estar na necessidade de qualquer ser humano de dar asas à própria imaginação, de criar situações, de viver aventuras, de se permitir, ou seja, de agir no lugar de pensar. Pode também ser apontado como uma comédia dramática a respeito de crises existenciais dos novos tempos, que englobam o tempo ou a falta dele, o espaço real ou virtual, as relações familiares e sociais. Fato é que o filme parte de um momento de crise, sim, para acompanhar o processo de autoconhecimento de nosso anti-herói. A vida secreta dele é também a de cada um de nós, quando escolhemos nos refugiar em pensamentos, no lugar de sentir a vida no momento que ela acontece.

domingo, 9 de fevereiro de 2014

Última Viagem a Vegas

clip_image001ASSUNTO
Psicologia do desenvolvimento, terceira idade, amizade, relações afetivas, sociais e familiares.
SINOPSE
Billy (Michael Douglas), Paddy (Robert De Niro), Archie (Morgan Freeman) e Sam (Kevin Kline) são amigos desde a infância e hoje são senhores de idade. Quando Billy, o solteirão do grupo, decide enfim pedir em casamento sua namorada de trinta e poucos anos, ele e os amigos resolvem viajar até Las Vegas para reviver a juventude e curtir uma tremenda despedida de solteiro. O que eles não imaginavam é que a Las Vegas atual seria bem diferente da cidade que eles conheceram décadas atrás.
TRAILER
O OLHAR DA PSICOLOGIA
Não é novidade a recente enxurrada de filmes com foco em personagens da “terceira idade” ou “Idade adulta”. Não é por menos, o aumento significativo da população de idosos vem compondo um público alvo cada vez maior. Em “Última Viagem a Vegas” o olhar é mais leve, e, vem trazendo uma versão simpática e divertida de um reencontro de velhos amigos. Uma das grandes sacadas do filme é a sede de viver que cada qual traz consigo. Tal viagem os oportuniza o resgate daquela juventude que habita no interior deles. Ainda que o corpo não acompanhe, logo fica claro que, no íntimo, todos permanecem jovens. O processo de envelhecimento não é encarado da mesma forma, o que fica evidente no filme.

sábado, 18 de janeiro de 2014

Lola contra o mundo

clip_image001
ASSUNTO
Relações afetivas, término da relação amorosa, autodescoberta.

SINOPSE
Lola tem 29 anos e está prestes a se casar com Luke. No entanto, três semanas antes de seu casamento, Luke termina tudo, o que deixa Lola devastada. Agora, ela deve se reerguer e partir em busca de sua felicidade, mas isso não será nada fácil.


TRAILER

O OLHAR DA PSICOLOGIA
“Eu sei que a mudança é inevitável, mas se eu não quiser que as coisas mudem? E se eu gostar da minha vida do jeito que ela é?”. Assim Lola afirma ao completar 29 anos. Como tantas outras, há o desejo de manter o status quo. O medo do desconhecido ou apenas a vontade de eternizar um momento especial fazem com que vislumbremos a possibilidade de fazer o momento presente eterno, ainda que já tenha se tornado passado. Vida é sinônimo de transformação, se apegar ao passado não evita mudanças, elas de fato são inevitáveis. Logo de início percebemos que a protagonista não é uma personagem de conto de fadas, Lola é bem real, imperfeita, humana. Não é difícil se identificar com ela em diversos momentos, pois a “mocinha” sai de seu eixo e comete erros como qualquer ser humano. Seu mundo desaba quando o noivo rompe o compromisso às vésperas do matrimônio. O suporte dos amigos parece não ser suficiente, a dor é sua, de mais ninguém. Dormir, beber ou comer demais, ficar sem ar, se afastar do ex e ao mesmo tempo tentar saber tudo sobre ele, buscá-lo, investir energia em novos projetos ou “chutar o balde” são comportamentos ambíguos que tornam Lola humanamente real.

12 Anos de escravidão

 
imageASSUNTO
Preconceito racial, relações afetivas, familiares e sociais, violência, abuso físico e psicológico, período nebuloso da história americana, luta por direitos básicos.
SINOPSE
12 Anos de Escravidão é um filme baseado na inacreditável e verdadeira história de um homem que luta por sobrevivência e liberdade. Na época pré-Guerra Civil dos Estados Unidos, Solomon Northup (Chiwetel Ejiofor), um homem negro livre do norte de Nova York, é sequestrado e vendido como escravo. Diante da crueldade (personificada por um dono de escravos desumano, interpretado por Michael Fassbender) e de gentilezas inesperadas, Solomon luta não só para se manter vivo, mas também para manter sua dignidade. No décimo segundo ano de sua odisseia inesquecível, Solomon encontra casualmente com um abolicionista canadense (Brad Pitt), que muda sua vida para sempre.
TRAILER
O OLHAR DA PSICOLOGIA
Mais do que apenas um absurdo da trajetória humana, a escravidão foi um período obscuro que revelou aquilo que há de mais desumano no homem: seu nível de crueldade. A ilusão de ser superior ao seu semelhante (ou seria a de sentir-se ameaçado pela diferença que não compreende?) fez e ainda faz o homem agir de forma violenta e ultrajante com a própria espécie. O filme conta a história de um e de muitos, pois retrata o que muitos negros vivenciaram durante a escravidão, fosse na América ou no Brasil. Infelizmente, a violência, a humilhação, a dor física e psicológica sofrida por eles não foram apenas parte obscura de  História deixada no passado. Este e utros tipos de preconceitos continuam a suscitar ações violentas que são estampadas regularmente em jornais. Na trama, acompanhamos a história de um homem livre, negro, que após ter constituído família e alcançado certa estabilidade social, é sequestrado e forçado a abrir mão da própria identidade. Solomon recebe uma proposta de trabalho como violinista e aceita viajar para Washington por alguns dias, para se apresentar junto a um grupo, o que promete um bom retorno financeiro. Logo, nos deparamos com a mudança drástica ocorrida em cena, acontece da noite para o dia. De noite, o clima era de comemoração pelo possível sucesso dos shows. De manhã, as correntes que prendem o violinista revelam outra atmosfera. Trata-se do tráfico humano, que é executado da forma mais ultrajante possível. Preso, espancado e humilhado, ele é transportado para o sul, para onde será contrabandeado (No sula escravidão ainda era uma realidade) e vendido para trabalhar em plantações. Atente para o fato que sua identidade precisa ser trocada, ele então é transformado de forma cruel em Pratt. A partir de então, acompanhamos cenas que chocam e partem o coração de qualquer pessoa.

Canção para Marion

imageASSUNTO
Relações afetivas e familiares, paciente terminal, luto e conflitos relacionais entre pai e filho.
SINOPSE
Arthur é mal humorado, rabugento e de poucos amigos. Sua esposa, Marion, apesar de ser doente terminal, é o oposto: está sempre bem humorada, de bem com a vida e cercada de amigos que a adoram. Ele e o filho têm problemas de comunicação, o que preocupa a esposa, que tenta aproximá-los antes de partir. Marion faz parte de um coro que é pouco convencional, o marido discorda de sua participação, pois o considera como ameaça a sua saúde.
TRAILER
O OLHAR DA PSICOLOGIA
Já existem alguns filmes que discutem as relações familiares no momento de perda de um de seus membros. Atendendo ao pedido de nossa colega Denise Chagas, assisti ao drama. Neste, falamos de Marion, uma mulher vibrante que apesar de estar em fase terminal de câncer, esbanja energia. Seu amor pela vida fica evidenciado em cada esforço que faz para compartilhar do coro com os amigos. Seu marido, ao contrário, faz questão de se isolar ou exibir seu mau humor a qualquer momento. No entanto, quando cuida de Marion, ele exibe sua capacidade cuidar, sendo amoroso e carinhoso com ela. Já com o filho e com os amigos de Marion a coisa é diferente, ele é seco e muitas vezes ríspido. Seu comportamento pode sugerir a presença de ciúmes, melhor dizendo, da necessidade que ele tem de possuir o máximo da esposa antes de sua partida. A relação deles já é tão antiga que ambos se misturam no mundo. O tempo de convivência o fez esquecer-se de boa parte de si. Ele não sabe como funcionar sem ela e seu processo de luto o torna ainda menos tolerante.

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

O mordomo da casa Branca

clip_image002ASSUNTO
Relações sociais, afetivas e familiares, preconceito racial.
SINOPSE
1926, Macon, Estados Unidos. O jovem Cecil Gaine (nome verdadeiro: Eugene) vê seu pai ser morto sem piedade por Thomas Westfall, após estuprar a mãe do garoto. Percebendo o desespero do jovem e a gravidade do ato do filho, Annabeth Westfall decide transformá-lo em um criado de casa, ensinando-lhe boas maneiras e como servir os convidados. Ele cresce e passa a trabalhar em um hotel ao deixar a fazenda onde cresceu. Sua vida dá uma grande guinada quando tem a oportunidade de trabalhar na Casa Branca, servindo o presidente do país, políticos e convidados que vão ao local. Entretanto, as exigências do trabalho causam problemas com Gloria, a esposa de Eugene, e também com seu filho Louis, que não aceita a passividade do pai diante dos maus tratos recebidos pelos negros nos Estados Unidos.
TRAILER
O OLHAR DA PSICOLOGIA
Nosso mundo é o mundo construído com nossas experiências, assim compreendemos a vida conforme a realidade que nos circunda desde o nascimento. Nos primeiros anos, pouco sabemos sobre o que há fora de nosso Universo particular. Ainda sem termos capacidade de questionar qualquer verdade, aprendemos a partir de nossas primeiras relações. Entendemos como verdade alguns destes aprendizados de nossa infância. Nem sempre sabemos o porquê, apenas o sabemos. Cecil nasce em uma época em que a exploração e humilhação dos negros é uma realidade cruel. Ele aprende muito cedo a diferença entre negros e brancos, e vai descobrindo aos poucos sua forma de ter uma vida digna dentro das possibilidades conhecidas. Bem cedo, ao assistir ao assassinato de seu pai, aprendeu que para sobreviver era preciso estar em outro lugar. O menino aprende a não ter voz, a existir de forma invisível no mundo dos brancos, pronto a servir sem ser notado. Desta forma, ele consegue construir uma família, tendo em sua casa outra identidade. Além de pai é marido, tem voz ativa e nunca, de modo algum, mistura os dois Universos.

sábado, 11 de janeiro de 2014

Blue Jasmine

clip_image001
ASSUNTO
Relações sociais, afetivas e familiares, autoestima, neurose, transtornos mentais, crise financeira, crise existencial.
SINOPSE
Uma mulher rica (Cate Blanchett) perde todo seu dinheiro e é obrigada a morar em São Francisco com sua irmã (Sally Hawkins), em uma casa muito mais modesta. Ela acaba encontrando um homem (Alec Baldwin) na Bay Area que pode resolver seus problemas financeiros, mas antes ela precisa descobrir quem ela é, e precisa aceitar que São Francisco será sua nova casa.
TRAILER
O OLHAR DA PSICOLOGIA
Além de azul, a palavra "blue" significa melancólico, deprimido no inglês. O nome do filme também acaba sendo uma referência à música "Blue Moon", tocada diversas vezes durante a obra, seja para marcar situações de ostentação, seja para mostrar o quão diferente está a vida de Jasmine. O drama, como tantos outros de Woody Allen, brinca com alguns dos conflitos puramente humanos. Claro, brincadeira é coisa séria, quando falamos do diretor. Assim, questões financeiras, problemas nas relações familiares, afetivas, sociais ou questões de autoestima estão presentes no longa. Do ponto de vista social, o filme expõe uma realidade recente, pois devido à crise financeira, muitos, especuladores ou não, perderam posição sua social na última década. Diante de obras como esta, fica difícil focar em apenas um aspecto do que é exposto na trama. O filme é provocador, não há dúvida. Loucura e neurose, verdades e mentiras, Ser e Ter... Quantas realidades cabem numa vida?

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Os Croods

clip_image002_thumbASSUNTO
Adolescência, relações familiares, medo, terapia familiar, metáfora de uma família disfuncional.
SINOPSE
A comédia pré-histórica “Os Croods” acompanha a família Crood, que tem sua caverna destruída. O clã se vê obrigado a partir em busca de uma nova casa. Liderados por Grug, só não imaginavam que sair das cavernas ia render a maior aventura de suas vidas. Cage emprestará sua voz a Crug, que cautelosamente guia sua família em busca de um lugar seguro, depois que um terremoto destrói sua casa. Ao tentar encontrar um caminho em ambiente perigoso e hostil, ele encontra o personagem de Reynolds, um nômade que encanta o clã de Crug com seus modos modernos – especialmente sua filha mais velha.
TRAILER
O OLHAR DA PSICOLOGIA
Um domingo, com filho e afilhada, me levou a assistir OS CROODS, uma comédia deliciosa que me fez rir muito e também refletir sobre muitas coisas. Pouco tenho postado sobre animações infantis. Mas, nesse caso, o filme é indicado para a família toda, e, também para aqueles que estudam ou trabalham com terapia familiar. Sim, o filme é um prato cheio para quem estuda o tema! Trata-se de uma família que vive isolada, enclausurada, devidamente acomodada em sua zona de conforto. O sistema familiar prioriza a sobrevivência, especialmente após terem assistido as outras famílias serem destruídas. A chama do MEDO é mantida acesa, não é possível enfrentar o NOVO, que deve ser evitado a qualquer custo. Muitas famílias se portam de modo semelhante, especialmente após alguma tragédia ou sofrimento demasiadamente ameaçador. O sistema familiar fechado é sinônimo de família disfuncional. O medo de enfrentar mudanças fica evidenciado. Na realidade, não só as famílias vivem assim, há também indivíduos que se fecham em si mesmos, evitando contato com o novo e alimentando o medo de tudo e de todos, tudo em nome da proteção.